Quatro suplementos para incluir no preparo do corpo para o verão!

Verão é pele bronzeada! O verão é a estação mais desejada do ano, sinônimo de sol forte, calor, além de ser a época na qual as pessoas mais se preocupam com o corpo. A combinação de dieta controlada, suplementação adequada e treinamento esportivo favorecerá um corpo saudável e harmônico. E qualquer pessoa se pode beneficiar de produtos confiáveis e de qualidade comprovada que auxiliam na obtenção de resultados mais consistentes.

A suplementação é uma estratégia que ajuda otimizar o funcionamento do nosso organismo nos proporcionando benefícios ao condicionamento físico e mental, melhora do humor e sensação de bem-estar, perda de gordura, ganho de massa muscular e beleza de dentro para fora.

Quais suplementos são eficazes para preparar o corpo ao verão?

Quando o verão chega, o seu organismo precisa estar bem-preparado, como já sabemos a exposição à luz solar pode provocar danos cutâneos, e não apenas queimaduras solares. Muitos estudos mostram que a exposição aos raios ultravioletas pode aumentar o envelhecimento prematuro das células da pele, aumentar o risco de câncer e ser responsável por mutações genéticas.

Nessa época do ano, circulam muitas questões sobre quais suplementos e vitaminas devem ser tomados de forma a se manter uma ótima qualidade de vida, principalmente em termos de saúde. Afinal ninguém quer adoecer em pleno verão! Vamos explorar um pouco as opções recomendadas, considerando esta época anual mais quente.

Óleo de Pequi em cápsulas

O pequi é oriundo do cerrado brasileiro, possui uma casca de coloração verde e uma polpa amarela comestível. A extração de suas polpas e sementes dá origem a um óleo com propriedades incríveis. Possui uma rica composição em licopeno, carotenoides, ômega-9 e ácido palmítico, e é um potente antioxidante e anti-inflamatório natural.

Beauté Shot – Hair, Nails & Skin

Produto completo destinado à saúde da pele, dos cabelos e das unhas. Sua fórmula exclusiva apresenta ingredientes de alta tecnologia que atuam em sinergia para proporcionar benefícios estéticos de forma prolongada. É elaborado com colágeno Verisol®, o único especialmente desenvolvido para tais efeitos; silício orgânico, ideal para formação de proteínas da beleza; e o ácido hialurônico, essencial na hidratação cutânea. Além disso, é composto por todas as vitaminas do complexo B, biotina, zinco, selênio e vitamina C, formando uma alternativa superior de suplementação com foco no resultado de dentro para fora.

VMC Hair, Nails & Skin

É um produto destinado ao cuidado efetivo do cabelo, das unhas e da pele. Sua fórmula inovadora é à base de colágeno Verisol®, que são peptídeos de colágeno de tecnologia alemã, comprovadamente desenvolvido para agir diretamente na saúde da pele e unhas. Aliado ao Versiol® a composição exclusiva do VMC traz 8 vitaminas e 2 minerais em sua forma quelata, sua forma mais ativa. A escolha cuidadosa de todos os ingredientes garante a saúde de cabelo, pele e unhas.

Whey Protein Berries & Hibisco (com colágeno verisol)

Whey Protein Berries & Hibisco é um lançamento da Naiak que veio para ser a dose da beleza diária! É formulado com whey protein isolado e hidrolisado, colágeno hidrolisado e Verisol®. A suplementação com Verisol® contribui para o retardamento dos sinais do envelhecimento da pele, desacelerando a formação de rugas e suavizando as já existentes. O Whey Protein é adoçado com estévia e xilitol e apresenta sabor de hibisco e aroma de frutas vermelhas naturais, sendo um aliado da manutenção da massa magra, do emagrecimento efetivo e do cuidado integrado da pele!

Você sabe o que é o whey protein e como escolher um de qualidade?

Aproveite e confira algumas receitas feitas com o Whey Protein Berries & Hibisco neste link.

ESTUDO CIENTÍFICO SOBRE ÓLEO DE PEQUI

O fruto do pequizeiro é alvo extenso de pesquisas relacionadas às suas propriedades antioxidantes, entre outras características nutricionais. A intensa radiação solar, no bioma cerrado, e a composição basicamente lipídica da sua polpa e da amêndoa favorecem a síntese de metabólitos secundários na planta relacionada à proteção contra os processos oxidativos e a peroxidação lipídica. Dentre os metabólitos secundários com reconhecida propriedade antioxidante, destacam-se os carotenoides e as vitaminas E e C, que estão entre os nutrientes que podem ser adquiridos a partir da dieta.

Os carotenoides apresentam alta capacidade antioxidante, especialmente em condições de baixa tensão de O2. A suplementação com óleo de pequi pode ajudar a prevenir danos oxidativos e contribuir para manter o equilíbrio entre a produção e a eliminação de espécies reativas de oxigênio e outros compostos relacionados, inibindo e reduzindo as lesões causadas pelos radicais livres nas células, incluindo a pele.

ESTUDOS CIENTÍFICOS SOBRE WHEY PROTEIN

Entre os efeitos benéficos do suplemento proteico encontram-se a estimulação do sistema imune, a atuação antioxidante do organismo, além disso, exerce a atividade imunomoduladora, pela qual os peptídeos resultados da proteólise enzimática das proteínas do soro articulam determinadas funções imunes como fabricação de anticorpos, ação fagocitária e linfocitária.

ESTUDOS CIENTÍFICOS SOBRE O COLÁGENO VERISOL®

No estudo clínico de Proksch et al. (2013), feito com mulheres de 45-65 anos randomizadas, as participantes receberam 2,5 g de colágeno VERISOL® ou placebo, uma vez ao dia, por 8 semanas. A suplementação promoveu-lhes uma redução estatisticamente do volume das rugas oculares, sendo que, após 8 semanas, houve um aumento de 65% no conteúdo de protocolágeno I e 18% de elastina quando comparadas àquelas do grupo placebo.

REFERÊNCIAS:

MORAES, F.P.; COLLA, L.M. Alimentos funcionais e nutracêuticos: definições, legislação e benefícios à saúde. Rev Eletr Farm, v. 3, n. 2, p. 109-122, 2006. Disponível em: <https://revistas.ufg.br/REF/article/view/2082> Acesso em: 13 de out. 2021.

REIMER, R. A. et al. Inulin-type fructans and whey protein both modulate appetite but only fructans alter gut microbiota in adults with overweight/obesity: A randomized controlled trial. Molecular Nutrition and Food Research, v. 61, n. 11, 2017. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/28730743/> Acesso em: 13 de out. 2021.

ALVES, A.M. et al. Características físicas e nutricionais de pequis oriundos dos estados de Tocantins, Goiás e Minas Gerais. Brazilian Journal of Food Technology, Campinas, v.17, n.3, p.198-203, 2014. Disponível em: <https://bdm.unb.br/bitstream/10483/21240/1/2018_LizieMartinsDoNascimento_tcc.pdf>. Acesso em: 10 out. 2021.

MOLLAHOSSEINI, M. et al. Effect of whey protein supplementation on long and short term appetite: A meta-analysis of randomized controlled trials. Clinical Nutritional ESPEN, p. 34-40, 2017. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/29072167/>. Acesso em: 13 out. 2021. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/bjft/a/fQvYJLXZhnLPkDPtPHK7rgr/?lang=pt> Acesso em: 13 de out. 2021.

GOMES, D. L. et al. Whey Protein Supplementation Enhances Body Fat and Weight Loss in Women Long After Bariatric Surgery: a Randomized Controlled Trial. Obes Surg. v.27, n.2, p.424-431, 2017. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/27885532/>. Acesso em: 13 de out. 2021.

PROKSCH, E. et al. Oral supplementation of specific collagen peptides has beneficial effects on human skin physiology: a double-blind, placebo-controlled study. Skin Pharmacol Physiol., v. 27, n. 1, p. 47-55, 2014.

5 mini-hábitos para o cuidado In&Out da beleza

Envelhecimento: acelerado ou saudável?

O envelhecimento da pele, dos cabelos e das unhas é um processo fisiológico que acontece de forma natural e inerente ao ser humano! Mas, apesar disso, nem todos os indivíduos envelhecem da mesma forma: alguns irão envelhecer de forma saudável e outros, de forma acelerada, principalmente, devido a fatores relacionados ao estilo de vida, como o excesso de exposição ao Sol, o uso de produtos de skin care inadequados, o estresse crônico, a má qualidade de sono e o padrão alimentar inadequado. Esses vetores relacionados aos hábitos de vida e alimentares levam ao aumento da inflamação e do estresse oxidativo, assim, impactando a estrutura desses tecidos, gerando flacidez, desidratação, rugas e manchas na pele, despigmentação e perda de vitalidade dos cabelos e redução do crescimento das unhas, além de fragilidade delas.

Cuidado da beleza: muito além da estética!

O cuidado com a beleza vai muito além da estética, refletindo-se na autoestima e no bem-estar, principalmente, das mulheres: segundo o relatório publicado pela Euromonitor (2020), a busca por estar bem consigo mesmo relaciona-se com a percepção do que é ter saúde e, ainda, segundo pesquisa conduzida pelo Ibope (2019), 48% das mulheres associam o cuidado cutâneo facial à saúde e ao bem-estar. Da mesma forma, o cabelo, para 85% das entrevistadas em uma pesquisa conduzida pelo Ibope (2018), é um fator determinante na autoestima. Dessa forma, existem mini-hábitos que contribuem para o cuidado integrado In&Out e que podem ser inclusos na rotina para favorecer a beleza natural e auxiliar na promoção de um envelhecimento saudável.

5 mini-hábitos que contribuem para a beleza In&Out

Sono de qualidade

A literatura científica relaciona que a má qualidade do sono pode impactar na manutenção do colágeno, levar ao aparecimento de acne, entre outras alterações. Por isso, é fundamental ter um sono eficiente e de qualidade, sobretudo por meio da inclusão, na rotina, da higiene do sono. Ou seja, mini-hábitos que você incorpora antes de dormir para promover uma boa noite de sono, tais como manter a regularidade de horário para dormir e para acordar; evitar o uso de aparelhos eletrônicos próximo ao horário de dormir; evitar a ingestão excessiva de alimentos por, no mínimo, 2 horas antes de se deitar; adotar atividades relaxantes pré-sono; manter um ambiente agradável para dormir e, ainda, reforçar a ingestão de nutrientes-chave, como triptofano, magnésio e vitamina B, para a produção de serotonina e de melatonina com uso de suplementos de qualidade, como Sleep Health.

Controle o estresse

Incluir mini-hábitos que auxiliam na redução do estresse diariamente é fundamental para promover o cuidado In&Out, já que o aumento da produção de cortisol impacta na manutenção desses tecidos, acarretando no envelhecimento acelerado. Além da prática de exercício físico e a inclusão de atividades prazerosas e relaxantes na rotina, o consumo de chás calmantes no período da tarde, como camomila e erva-cidreira, é um mini-hábito eficiente para proporcionar bem-estar.

Alimentação equilibrada

Por meio de uma alimentação equilibrada é possível obter vitaminas, minerais e compostos bioativos que auxiliam na nutrição adequada da pele, dos cabelos e das unhas. É importante ter uma alimentação variada, que inclua, todos os dias, frutas, legumes e verduras, além de cereais integrais e grãos. Outro ponto essencial é a adequação do consumo proteico, diariamente, para o fortalecimento e a manutenção desses tecidos, seja por meio do consumo de alimentos-fontes de proteínas ou, ainda, de suplementos como o whey protein. Na Naiak, você encontra whey protein de qualidade superior, sabor delicioso e em sachê.

Ter uma hidratação adequada

A manutenção da hidratação é fundamental para a vitalidade e elasticidade da pele e dos cabelos. Por isso, é importante atenção para a quantidade de líquidos ingerida diariamente! Coloque lembretes no celular ou baixe aplicativos que façam lembrar de beber água; consuma água em momentos frequentes da sua rotina: ao acordar, antes do almoço e do jantar, toda vez que for ao banheiro, entre outras ocasiões; ande sempre com uma garrafinha de água na bolsa; aproveite para incluir chás no seu dia a dia, podendo ser quentes ou gelados.

Rotina de beauty care com dermocosméticos naturais e de qualidade

A prática de beauty care é sinônimo de um mini-hábito voltado para o autocuidado diário! Porém é importante se atentar para os produtos que serão utilizados, sendo que os dermocosméticos devem ser formulados com ingredientes provenientes da natureza, como extratos vegetais, óleos vegetais, corantes e pigmentos naturais, os dermocosméticos naturais também são livres de compostos que estão presentes nos cosméticos convencionais, como parabenos, fragrâncias e corantes sintéticos que podem prejudicar a homeostase corporal e a beleza desses tecidos. Aproveite para conhecer a linha de dermocosméticos da Naiak.

REFERÊNCIAS:

GUIMARÃES, L; SCHIRMER, M; COSTA, Z. Implicações da privação do sono na qualidade de vida dos indivíduos. Revista Perspectiva: Ciência E Saúde, , v.3, n.1, p. 147-154, 2018.

RODRIGUES, A.C. et al. INFLUÊNCIA DO CORTISOL NAS DISFUNÇÕES ESTÉTICAS. Revista Saúde em Foco, Minas Gerais, v. 11, n. 1, p. 1120-1138, nov. 2019.

CAO, C. et al. Diet and Skin Aging-From the Perspective of Food Nutrition. Nutrients. v. 24, n. 12, mar. 2020.

TOBIN, D. J. Introduction to skin aging. J Tissue Viability. 26 feb. 2017.

PERETTI, S. et al. The role of sleep in aesthetic perception and empathy: A mediation analysis. J Sleep Res. 28 jun. 2019.

SILVA, L. Q.; MARTINS, D. B. S. Dermocosméticos e Procedimentos Estéticos Utilizados no Envelhecimento Cutâneo. Revista Multidisciplinar em Saúde, v. 2, n. 1, p. 8, 2021.

SALAS SALVADÓ, J. et al. Importancia del consumo de agua en la salud y la prevención de la enfermedad: situación actual [The importance of water consumption in health and disease prevention: the current situation]. Nutr Hosp. v. 37, n. 5, p.1072-1086, 21 oct. 2020.

DUPLAN, H.; NOCERA, T. Hydratation cutanée et produits hydratants [Skin hydration and hydrating products]. Ann Dermatol Venereol. v. 145, n. 5, p. 376-384, may, 2018.

SIMAS, L.A.W.; WOLPE, R.E. Manual de Atendimento em Nutrição Estética. Curitiba: [s.e.], 2016

6 estratégias para modular o estresse!

O estresse é uma condição com alta prevalência na população brasileira, sendo que, segundo estudo feito pela Associação Internacional de Gerenciamento de Estresse – Brasil (2017), cerca de 70% da população ativa apresenta ou já apresentou sintomas de estresse. É importante frisar que o estresse é algo natural do corpo, necessário para a nossa sobrevivência, em situações de ameaça, porém o problema está quando o quadro se torna crônico, impactando na homeostase corporal.

Estresse e o seu impacto no equilíbrio do corpo

O estresse gera desequilíbrio da homeostase do corpo, devido às alterações na fisiologia de diversos sistemas, desde o nervoso até o gastrointestinal. Por isso, é comum vermos em quadros de estresse crônico uma redução do número de neurônios e da neurogênese, da memória e da cognição, imunossupressão através da redução da atividade dos linfócitos T citotóxicos e células natural killers, aumento da pressão arterial, além de modificar a absorção de nutrientes, entre outras disfunções (Yaribeygi e colaboradores, 2017). Por isso, modulá-lo é sinônimo de cuidar da saúde como um todo.

Bem-estar mental: sinônimo de saúde!

O bem-estar mental é um dos aspectos fundamentais para a qualidade de vida do indivíduo, estando entre as dimensões para um completo estado de saúde, segundo a Organização Mundial da Saúde. E, por isso, é fundamental inclui-lo na sua rotina de autocuidado! Por isso, separamos 6 estratégias para incluir na rotina e promover a modulação do estresse! Confira:

1. Tenha um padrão alimentar saudável: uma alimentação variada e de qualidade, com baixo consumo de alimentos ultraprocessados ricos em corantes, gorduras saturadas, sódio e conservantes é aliada do cuidado da saúde mental. Isso porque uma dieta desequilibrada pode levar a mudanças agudas no humor, bem como aumentar a inflamação cerebral, além de impactar negativamente na microbiota intestinal, que exerce importante papel na saúde mental, levando ao aumento do estresse, inclusive por alterar os neurotransmissores.

2. Cuide do seu sono: um sono de qualidade e eficiente é sinônimo de relaxamento e de bem-estar mental. Por isso, procure fazer o ritual do sono: desligue aparelhos eletrônicos, deixe o ambiente escuro, dê play no Spotify na playlist [naiak] ritual de sono (clique aqui) e relaxe a mente.

3. Inclua chás calmantes: chás de camomila e de erva-cidreira possuem alta concentração de fitoativos que contribuem com o relaxamento mental, por atuarem em neurotransmissores como o GABA. Dessa forma, é importante incluir ao menos 1 xícara ao dia da infusão dessas ervas, favorecendo a redução do estresse.

4. Atente-se para o seu intestino: a microbiota intestinal tem grande impacto na saúde emocional e mental, contribuindo com a redução do estresse. Por isso, é importante o consumo de alimentos que contribuam com o crescimento de bactéria benéficas, como alimentos ricos em fibras, cúrcuma, entre outros. Além disso, a hidratação é de suma importância para manter o trânsito intestinal adequado.

5. Inclua atividades relaxantes: leitura, meditação, dança, conversar com os amigos… Enfim, escolha uma atividade que lhe dê prazer e que proporcione relaxamento para incluir diariamente na sua rotina e favorecer o seu bem-estar.

6. Adeque a ingestão de nutrientes-chaves: existem alguns nutrientes que são imprescindíveis para a síntese e a ativação dos neurotransmissores serotonina e GABA, que se relacionam com o relaxamento e o bem-estar, contribuindo com o manejo do estresse, como o l-triptofano, vitamina B6 e magnésio.

Estratégias de estilo de vida e de nutrição integradas são grandes aliadas do manejo do estresse, contribuindo com a melhora da qualidade de vida e da saúde como um todo!

REFERÊNCIAS:

YARIBEYGI, H. et al. The Impact Of Stress On Body Function: A Review. EXCLI Journal, v. 16, p. 1057-1072, 2017.

MARX, W. et al. Nutritional psychiatry: the present state of the evidence. The Proceedings of The Nutrition Society, v. 76, n. 4, p. 427-436, 2017.

BRIGUGLIO, M. et al. Dietary Neurotransmitters: A Narrative Review on Current Knowledge. Nutrients, v. 10, p. 591, 2018.

BREMNER, J. D. et al. Diet, Stress and Mental Health. Nutrients, v. 12, n. 8, p. 2428, 2020.

DU, Y. et al. Crosstalk between the microbiota-gut-brain axis and depression. Heliyon, v. 6, n. 6, 2020.

SCHWALFENBERG GK, GENUIS SJ. The Importance of Magnesium in Clinical Healthcare. Scientifica (Cairo). 2017; 2017:4179326.

POSWAL, F. S. et al. Herbal Teas and their Health Benefits: A Scoping Review. Plants Foods for Human Nutrition, v. 74, n. 3, p. 266-276, 2019.

SHAKERI, A., AMIRHOSSEIN SAHEBKAR, A., JAVADI, B. Melissa officinalis L. – A review of its traditional uses, phytochemistry and pharmacology. Journal of Ethnopharmacolology, v. 188, p. 204-228, 2016.

MIRAJ, S., ALESAEIDI, S. A Systematic Review Study of Therapeutic Effects of Matricaria Recuitta Chamomile (Chamomile). Electronic Physician, v.8, n.9, p. 3024-3031, 2016.

SOUZA, M.L.R. de; BAPTISTELLA, A.B.; PASCHOAL, V. Nutrição Funcional: Nutrientes aplicados à Prática Clínica. São Paulo: Valéria Paschoal, 2018.

Suplementação com ácido hialurônico para a saúde da pele!

Como acontece o envelhecimento da pele?

O cuidado com a pele é uma das grandes preocupações, principalmente do público feminino, pois este órgão é um dos primeiros a demonstrar os impactos do envelhecimento. O envelhecimento cutâneo é um processo biológico complexo, que ocorre de maneira gradativa e que é intrínseco ao ser humano. Mas, apesar de ser natural, ele pode ser acelerado e agravado pelo estilo de vida, como a exposição à radiação ultravioleta, consumo de álcool, consumo de tabaco e má alimentação.

 

Cuidado IN&OUT no envelhecimento

Ter alguns cuidados básicos como um padrão alimentar saudável, hidratação adequada, sono de qualidade e a prática de atividade física moderada são aliados da desaceleração desse processo. Destaca-se o papel da nutrição na manutenção da pele, no contexto do cuidado IN&OUT. Assim, além de cuidar dos hábitos alimentares, é importante frisar a importância da suplementação de nutrientes e ativos-chave na promoção da saúde cutânea, com destaque para os benefícios de suplementos que apresentam o ácido hialurônico em sua composição.

 

O que é o ácido hialurônico?

Com grande destaque nos últimos anos, o ácido hialurônico pode ser utilizado tanto via tópica quanto via suplementos orais. Ele é um composto presente na matriz extracelular tanto da derme como da epiderme, que desempenha um papel predominante na estrutura, no preenchimento espacial e na organização dessa matriz, contribuindo para a elasticidade, a hidratação e a firmeza da pele. Ainda, destaca-se por atuar na imunomodulação e na cicatrização e desempenhar ação antioxidante.

 

Envelhecimento e ácido hialurônico

O processo de senescência, assim como hábitos inadequados relacionados ao estilo de vida, leva à redução da síntese e a uma maior degradação do ácido hialurônico cutâneo, em sinergia com a do colágeno, o que potencializa os sinais de envelhecimento da pele, como desidratação, flacidez e aumento das marcas de expressão.

 

Suplementação com ácido hialurônico promovendo a beleza da pele!

Um estudo controlado, randomizado e duplo-cego, que foi conduzido em indivíduos com rugas “pés de galinha”, avaliou os benefícios da suplementação de 120mg/dia de ácido hialurônico, com 2 pesos moleculares (2 k ou 300 k), por 12 semanas. Durante o estudo, ambos os grupos suplementados apresentaram melhor volume dos sulcos e de rugas, além de menor área com rugas quando comparados ao grupo placebo.

Ainda, Göllner et al. (2017) avaliaram, em um estudo clínico, a suplementação de ácido hialurônico combinado com biotina, vitamina C, cobre e zinco em um composto para ser diluído em água, por 40 dias. A ingestão desse suplemento proporcionou o aumento significativo na elasticidade e hidratação da pele, além de uma diminuição significativa na aspereza da pele e profundidade das rugas.

 

REFERÊNCIAS:

BONTÉ, F. et al. Skin Changes During Ageing. SubecellularBiochemistry, v. 91, 249-280, 2019.

SIMAS, L.A.W.; WOLPE, R.E. Manual de Atendimento em Nutrição Estética. Curitiba: Editora Autores Paranaenses, 2016.

PUJOL, A. P. (Org.). Nutrição Aplicada à Estética. Rio de Janeiro: Rubio, 2011.

SOUYOUL, S. A.;   SAUSSY, K. P.; LUPO, M.P. Nutraceuticals: A Review. Dermatology and Therapy, n. 8, v. 1, p. 5-16, 2018.

SALWOWSKA, N. M. et al. Physiochemical properties and application of hyaluronic acid: asystematic review.  Journal of Cosmetic Dermatology, v. 15, p. 520-526, 2016.

PAPAKONSTANTINOU, E.; ROTH, M.; KARAKIULAKIS, G. Hyaluronic acid: A key molecule in skin aging. Dermato-Endocrinology, v. 4, n. 3, 9. 253-258, 2012.

OE, M. et al. Oral hyaluronan relieves wrinkles: a double-blinded, placebo-controlled study over a 12-week period. Clinical, Cosmetic and Investigational Dermatology, v. 10, p. 267-273, 2017.

GÖLLNER, I. et al. Ingestion of an Oral Hyaluronan Solution Improves Skin Hydration, Wrinkle Reduction, Elasticity, and Skin Roughness: Results of a Clinical Study. J Evid Based Complementary Altern Med, v.22, n.4, p.816-823, 2017.

Sleep Health

A nutrição como aliada do sono e do bem-estar mental

Como está a qualidade do sono do brasileiro?
Segundo a Associação Brasileira do Sono (ABS), cerca de 50,1% dos brasileiros relatam acordar durante a noite e 48% sentem-se mais cansados no começo do dia, indicando que não possuem uma boa qualidade do sono. Ainda, uma pesquisa conduzida pelo Instituto Ipsos demonstrou que 26% dos brasileiros enfrentam dificuldades para dormir no período da pandemia da Covid-19, que se iniciou em 2020.

Por que ter um sono de qualidade é importante?
Há evidências de que a sua privação e os seus distúrbios afetam processos metabólicos e inflamatórios, com amplos impactos negativos na saúde, como alterações de humor, dificuldade de concentração, indisposição, fadiga, ansiedade e depressão, além de se associar com maior risco de doenças cardiometabólicas e alterações neurocognitivas, assim, diminuindo a qualidade de vida. Logo, ter uma boa qualidade de sono é essencial para a promoção da vitalidade, da saúde e do bem-estar em geral, além de restaurar a energia e consolidar a memória.

O que é ter uma boa qualidade de sono?
Ter uma boa qualidade de sono é sinônimo de uma baixa latência de sono, um baixo número de despertares (> 5 minutos), baixo despertar após o início do sono e boa eficiência do sono, além de boa duração (ou seja, 7–9 h/dia) (BINKS et al., 2020).

Nutrição, alimentação e sono: como se relacionam?
A nutrição e alimentação impactam e são impactadas pela eficiência do sono. Uma revisão conduzida por Dashti et al. (2015) demonstrou que os indivíduos que dormiam menos tinham uma maior ingestão de calorias e de gorduras, além de uma menor ingestão de frutas e pior qualidade alimentar no geral. E a literatura científica aponta que a adequação do consumo e da qualidade de carboidratos e proteínas impacta na arquitetura do sono (STONGE; MIKIC; PIETROLUNGO, 2016), assim como a suplementação de nutrientes-chaves, tais como l-triptofano, vitamina B6, magnésio e inositol, é eficaz na promoção do sono reparador.

Suplementação de nutrientes-chaves no sono
Binks et al. (2020), em uma revisão da literatura científica, apontam que a suplementação com l-triptofano proporciona melhora dos parâmetros do sono como aumento do tempo e da eficiência, além da diminuição da latência. Isso porque este aminoácido é essencial para a síntese de serotonina e esta é precursora do hormônio promotor do sono, a melatonina.

Sabe-se que a vitamina B6 é um nutriente cofator da conversão de l-triptofano em serotonina, o que demonstra a sua importância na regulação do sono. Bravaccio et al. (2020) observaram em um estudo com crianças que sofriam de enxaqueca que aquelas que receberam melatonina associada com l-triptofano e vitamina B6, quando comparadas àquelas que receberam apenas melatonina, tiveram uma melhora superior da qualidade do sono.

O inositol é um poliol que tem um anel com 6 carbonos nos quais cada um estão hidroxilados, sendo encontrado em dois estereoisômeros principais, o Dchiro-inositol e o mio-inositol, sendo que a esse último se atribui o maior número de estudos científicos. O mio-inositol é considerado um marcador da célula glial, sendo especulado que esta pode ter um papel crítico nas regiões do cérebro envolvidas com processos de sono. Urrila et al. (2017) avaliaram que a concentração reduzida de mio-inositol no córtex pré-frontal estava associada com a depressão e os distúrbios do sono.

Um recente estudo clínico randomizado, duplo-cego e controlado por placebo conduzido por Mashayekh-Amiri et al. (2020), realizado com gestantes, avaliou a suplementação de 2000mg de mio-inositol e 200mcg de ácido fólico ou somente 200mcg de ácido fólico (placebo), por 10 semanas, no sono destas mulheres. O grupo suplementado com mio-inositol foi capaz de melhorar a qualidade do sono global e subjetiva, além da duração do sono durante a gravidez, com diferença significativa em relação ao placebo.

O magnésio é um antagonista natural do NMDA e um agonista do GABA, ambos com efeito relaxante e que facilitam o sono. Segundo a revisão de Schwalfenberg e Genuis (2017), a suplementação de 500mg de magnésio foi associada com a melhora significativa no índice de gravidade da insônia, tempo de sono, eficiência do sono, latência do início do sono, concentração de cortisol sérico e de melatonina. Na forma de magnésio dimalato, este mineral apresenta maior biodisponibilidade, quando comparado a outras formas (UYSAL et al., 2019).

Noah et al. (2021) avaliaram que a suplementação combinada de magnésio e vitamina B6, por 8 semanas, em indivíduos com baixa magnesemia e estresse severo ou extremamente severo, é capaz de favorecer redução do estresse e melhora da ansiedade e da depressão, do que apenas o magnésio suplementado de forma isolada, favorecendo o bem-estar mental dos indivíduos.

Sleep Health da Naiak é um suplemento alimentar formulado com inositol, magnésio dimalato, l-triptofano e vitamina B6 em concentrações ideais e com matéria-prima de qualidade superior. Um produto exclusivo e inovador com nutrientes que agem de forma sinérgica, favorecendo o relaxamento, o bem-estar mental e a melhora da qualidade e da regulação do sono.

 

REFERÊNCIAS

Associação Brasileira do Sono. 2019. Disponível em: https://www.absono.com.br/assets/absono_semanadosono_cartilha-site.pdf . Acesso em 05 de mai. de 2021.

IPSOS. De 16 países, Brasil é o que mais sofre com ansiedade por causa da pandemia de coronavírus. Disponível em: https://www.ipsos.com/pt-br/de-16-paises-brasil-e-o-que-mais-sofre-com-ansiedade-por-causa-da-pandemia-de-coronavirus Acesso em 05 de mai. de 2021.

BINKS, H. E.; VINCENT, G.; GUPTA, C. et al. Effects of Diet on Sleep: A Narrative Review. Nutrients. v. 4, n. 12, p. 936, mar. 2020.

ST-ONGE, M-P.; MIKIC, A.; PIETROLUNGO, C. E. Short sleep duration and dietary intake: epidemiologic evidence, mechanisms, and health implications. Advances in Nutrition, v. 7, n. 5, p. 938-949, 2016.

NIELSEN, F. H. Chapter 31 – Relation between magnesium deficiency and sleep disorders and associated phatological changes. Modulation of Sleep by Obesity, Diabetes, Age and Diet, p. 291-296, 2015.

BINKS, H. et al. Effects of Diet on Sleep: A Narrative Review. Nutrients, v.12, n.4, p.936, 2020.

MUKAI, T. et al. A meta-analysis of inositol for depression and anxiety disorders. Hum Psychopharmacol. v. 1, n. 29, p. 55-63, jan. 2014.

URRILA, A. S. et al. Frontal Cortex Myo-Inositol Is Associated with Sleep and Depression in Adolescents: A Proton Magnetic Resonance Spectroscopy Study. Neuropsychobiology. v. 1, n. 75, p. 21-31, 2017.

SHIRAYAMA Y., et al. Myo-inositol, Glutamate, and Glutamine in the Prefrontal Cortex, Hippocampus, and Amygdala in Major Depression. Biol Psychiatry Cogn Neurosci Neuroimaging. v. 2, n. 2, p. 196-204. mar. 2017.

SCHWALFENBERG, G. K.; GENUIS, S. J. The Importance of Magnesium in Clinical Healthcare. Scientifica (Cairo). 4179326. 2017.

UYSAL, N. et al. Timeline (Bioavailability) of Magnesium Compounds in Hours: Which Magnesium Compound Works Best? Biol Trace Elem Res. v. 1, n. 187, p. 128-136, jan. 2019.

BRAVACCIO, C. et al. Use of nutritional supplements based on melatonin, tryptophan and vitamin B6 (Melamil Tripto®) in children with primary chronic headache, with or without sleep disorders: a pilot study. Minerva Pediatr. v. 1, n. 72, p.30-36, fev. 2020.

MASHAYEKH-AMIRI, S. et al. The impact of myo-inositol supplementation on sleep quality in pregnant women: a randomized, double-blind, placebo-controlled study. J Matern Fetal Neonatal Med. n. 15, p.1-9, set. 2020.

DASHTI, H. S. et al. Short sleep duration and dietary intake: epidemiologic evidence, mechanisms, and health implications. Advances in Nutrition, v. 6, n. 6, p. 648-659, 2015.

ST-ONGE, M-P.; MIKIC, A.; PIETROLUNGO, C. E. Short sleep duration and dietary intake: epidemiologic evidence, mechanisms, and health implications. Advances in Nutrition, v. 7, n. 5, p. 938-949, 2016.

NOAH, L. et al. Effect of magnesium and vitamin B6 supplementation on mental health and quality of life in stressed healthy adults: Post-hoc analysis of a randomised controlled trial. Stress Health. 2021.

Como escolher o seu suplemento de magnésio?

A importância do magnésio

O magnésio é o 4° mineral mais abundante no corpo e exerce importantes funções em âmbito molecular, bioquímico e fisiológico, sendo necessário para mais de 300 reações no organismo e para a manutenção da homeostase.

Como exemplo de algumas dessas funções, pode-se destacar o seu papel na absorção de cálcio e regulação da vitamina D, pois é essencial para a saúde óssea, atua na síntese de serotonina (neurotransmissor associado ao bem-estar, à felicidade e ao relaxamento), na modulação da ansiedade, na neuroproteção e na condução de sinais neuromusculares, bem como apresenta importância para a saúde cerebral. Também se associa na prevenção de arritmias e hipertensão, além de regulação da vasoconstrição e do sistema cardiovascular.

Deficiência de magnésio – Quais os sintomas?

As concentrações corporais de magnésio abaixo do ideal são altamente prevalentes nos países ocidentais, inclusive no Brasil, principalmente, devido à baixa ingestão alimentar. Assim, uma das formas de tratar a sua deficiência seria a partir da adequação pela alimentação, com a inclusão de alimentos fonte como gergelim, folhas verde-escuras (como espinafre e couve), oleaginosas e grãos integrais.

Mas a sua concentração nos alimentos pode ser impactada pelo teor de magnésio presente no solo, que pode ser deficiente, além dos processos de refinamento, sendo a suplementação uma forma efetiva de melhorar os seus níveis corporais, assim, visando garantir os benefícios do magnésio.

Como principais sintomas da deficiência deste mineral destacamos fadiga, dores de cabeça e/ou enxaquecas, aumento da pressão arterial, arritmias, alterações na glicemia, osteoporose, câimbras, entre outros.

Suplementos de magnésio

No momento de escolher seu suplemento de magnésio, você se depara com diversos tipos. Isso acontece porque há diferentes formas de apresentação deste mineral, sendo que cada uma delas tem objetivos e biodisponibilidade distintos.

Na Naiak, você encontra dois tipos de suplementos de magnésio! Entenda como escolher o melhor para o seu objetivo:

Magnésio Dimalato

● O que é?

Formulado a partir da combinação de magnésio e ácido málico, com a finalidade de formar o chamado mineral quelato, que leva ao aumento de sua biodisponibilidade, apresentando alta e rápida absorção intestinal. O ácido málico é um composto bioativo que atua, principalmente, na geração de energia pelo corpo.

● Quando é indicado?

Para diminuir os sintomas de fibromialgia, amenizar dores musculares ou articulares, diminuir a intensidade dos sintomas da TPM, reduzir sintomas emocionais (ansiedade e estresse), otimizar a produção de energia corporal e melhorar a qualidade do sono.

● Diferenciais Naiak:

Com o selo Albion Minerals, evita desconforto gastrointestinal, tem absorção prolongada e apresenta 433mg de magnésio dimalato por cápsula, além de ser vegano.

Tauromind

● O que é?

Este apresenta-se como a associação entre o magnésio e a taurina, potencializando a biodisponibilidade do magnésio. Após a sua absorção, é encontrado principalmente no tecido cerebral. A taurina é um aminoácido importante para o corpo, sobretudo para o melhor funcionamento do sistema cardiovascular e nervoso.

● Quando é indicado?

Para contribuir para a manutenção da saúde cardíaca, dessa forma, modulando a pressão arterial, no tratamento do estresse crônico, na melhora da memória e do aprendizado, na redução da enxaqueca e como coadjuvante do tratamento de doenças neurodegenerativas.

● Diferenciais Naiak:

Com o selo TauroMag, apresenta 525mg de magnésio taurato por cápsula e é vegano.

Atente-se, sempre, à presença dos selos de certificação nos seus suplementos: eles dão garantia da qualidade e segurança do produto que está adquirindo.

REFERÊNCIAS

DINICOLANTONIO, J. J. et al. Subclinical magnesium deficiency: a principal driver of cardiovascular disease and a public health crisis. Open Heart, v. 5, p. 1-17, 2018. Disponível em: <https://openheart.bmj.com/content/5/1/e000668>. Acesso em: 01 de dez. de 2020. RAZZAQUE, M. S. Magnesium: are we consuming enough? Nutrients, v. 10, n. 12, p. 1-8, 2018. Disponível em: <https://www.mdpi.com/2072-6643/10/12/1863/htm>. Acesso em: 01 de dez. de 2020. BOYLE, N.B.; LAWTON, C.; DYE, L.The Effects of Magnesium Supplementation on Subjective Anxiety and Stress—A Systematic Review. Nutrients, v.9, n.5, p.429, 2017. Disponível em: < https://www.mdpi.com/2072-6643/9/5/429/htm > Acesso em 07 dez. de 2020. AHMED, F.; MOHAMMED, A. Magnesium: The Forgotten Electrolyte-A Review on Hypomagnesemia. Med Sci., v.7, n.7, p.56, 2019. Disponível em: < https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30987399/ > Acesso em 07 dez. de 2020. FERREIRA, I.; ORTIGOZA, A.; MOORE, P. Magnesium and malic acid supplement for fibromyalgia. Medwave, v.19, n.4, p.7633, 2019. Disponível em: < https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31150373/ > Acesso em 07 dez. de 2020. IBEROQUÍMICA MAGISTRAL. Magnésio Dimalato – Combinação de magnésio com ácido málico. Disponível em: <https://www.iberoquimica.com.br/Arquivos/Insumo/LAMINA-164613.pdf.> Acesso em 07 dez. de 2020. ATES, M. et al. Dose-Dependent Absorption Profile of Different Magnesium Compounds. Biol Trace Elem Res., v.192, n.2, p.244-251, 2019. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30761462/> Acesso em 07 dez. de 2020.

Entendendo os selos da Naiak

Você já reparou que alguns suplementos nutricionais da Naiak apresentam selos de certificação? Eles são uma espécie de aprovação concedida por instituições certificadoras oficialmente autorizadas, que podem ser nacionais ou internacionais, e evidenciam a qualidade de determinado produto, certificando quanto à sua origem ou modo de produção.

Para que o produto receba um selo, a empresa precisa adotar uma série de normas, exigindo investimentos e adoção de metodologias específicas, de forma que a empresa o submeta a uma avaliação rigorosa pelas instituições certificadoras. Caso seja encontrada alguma não conformidade na cadeia produtiva, a empresa precisa corrigir esses detalhes. Assim, a presença deles permite que você, consumidor, tenha segurança do produto que está adquirindo. Afinal, a sua saúde deve ser levada a sério!

Entenda mais sobre os selos presentes nos produtos da Naiak:


Referências

 

BALCHEM CORPORATION (Utah). Albion | Minerals . Science . Chelates. 2016. Disponível em: https://albionminerals.com/. Acesso em: 11 nov. 2020.

BARBOUR, Ana Maria. Você sabe o que é alimento Halal? 2010. Disponível em: https://icarabe.org/geral/voce-sabe-o-que-e-alimento-halal. Acesso em: 11 nov. 2020.

DSM. Por que MEG-3: trust the source. Trust the Source. 2016. Disponível em: https://www.meg-3.com/pt_BR/why-meg-3.html. Acesso em: 11 nov. 2020.

NUTRASOURCE. What is IFOS? Disponível em: <https://certifications.nutrasource.ca/about/how-certifications-work/ifos> Acesse em: 11 nov. de 2020.

FREITAS, Flávia. Você sabe a diferença entre alimentos HALAL e KOSHER? 2017. Laborgene: agrogenética. Disponível em: https://www.laborgene.com.br/voce-sabe-a-diferenca-entre-alimentos-halal-e-kosher-2/. Acesso em: 11 nov. 2020.

NCH EUROPE (Portugal). Certificação NSF. Disponível em: https://www.ncheurope.com/pt/resources/nsf-certification. Acesso em: 11 nov. de 2020.

NEWCORP BRASIL. Lâmina TauroMag. Disponível em: <http://www.newcorpbrasil.com.br/arqs/lamina_tmcardio.pdf> Acesso em: 11 nov. de 2020.

Micronutrientes, ativos e imunidade: Qual a relação? 

Descubra a novidade #Naiak para sua prescrição!

Nos últimos meses, mais do que nunca, o adequado suporte imunológico se mostrou fundamental, sendo que a nutrição é uma importante aliada, pois alguns nutrientes são fatores-chave para o funcionamento efetivo das barreiras físicas e células imunológicas. Nesse contexto, destacam-se os micronutrientes imunomoduladores, como as vitaminas C e D e os minerais zinco e selênio, que precisam estar nas concentrações ideais para apoiar a função imunológica, de forma a promover a homeostase do organismo.

Consumo de vitaminas e minerais na população brasileira

Atualmente, a deficiência de micronutrientes é considerada um problema de saúde pública global, inclusive no Brasil. Alguns estudos foram conduzidos com a população brasileira, assim, demonstrando uma alta insuficiência do consumo de vitaminas A, C, D e E, além de minerais como selênio, zinco, ferro e cálcio (CEMBRANEL et al., 2017; TURECK, C. et al., 2017)

Relação entre nutrientes e imunidade

Levando em consideração a elevada prevalência de deficiência nutricional na população, pensar em promover a função imunológica é sinônimo de adaptar os seus níveis corporais, desse modo, contribuindo para a redução do risco de infecções por diversos patógenos e também apoiando uma recuperação otimizada.

Pelo fato de o consumo estar inadequado, além de estratégias nutricionais para melhorar a alimentação dos indivíduos, a suplementação desses nutrientes pode ser uma aliada para promover um melhor estado de saúde. Esta é indicada, principalmente, em grupos de risco, para uma maior depleção deles, como obesos, idosos, fumantes ou expostos à poluição e ao estresse.

Vitamina D

A deficiência de vitamina D é altamente prevalente na população e, devido à baixa quantidade de fontes alimentares somada ao estilo de vida indoor da maioria das pessoas, a suplementação torna-se aliada da adequação da concentração sérica deste importante micronutriente, principalmente, no contexto da imunidade. Isso porque ela atua na tolerância imunológica, estimulando a diferenciação de células T regulatórias e promovendo modulação do balanço do Th1 e Th2. Além disso, quase todas as células de defesa expressam o VDR funcional, assim, demonstrando a importante atuação desta vitamina na imunidade. 

Um estudo randomizado e controlado por placebo, conduzido em idosos, apresentou benefícios da suplementação de vitamina D na resposta à vacinação da Influenza e nas funções imunológicas: no grupo de intervenção, a razão entre Th1/Th2 foi menor, assim como os níveis de TNFα e IL-6, enquanto houve um aumento do TNFβ, demonstrando que a suplementação com esta vitamina parece direcionar a polarização dos linfócitos para uma resposta imune tolerogênica (GONCALVES-MENDES et al., 2019). Uma revisão conduzida por Charoenngam e Holick (2020) demonstra que a baixa concentração de vitamina D está associada ao maior risco de doenças e desordens relacionadas ao sistema imunológico, inclusive, ao novo coronavírus. 

Vitamina C

A vitamina C exerce efeitos na sinalização das células imunológicas, tanto nas da imunidade inata quanto nas da adaptativa, também agindo na regulação epigenética, regulando a desmetilação do DNA. Ela suporta, ainda, a função de barreira epitelial contra patógenos e protege a pele do estresse oxidativo. A vitamina C se acumula nas células fagocíticas, aumentando a quimiotaxia, a fagocitose, a geração de espécies reativas de oxigênio, ocasionando a morte do patógeno. Ela também atua na diferenciação e proliferação de células B e T, provavelmente, devido aos seus efeitos reguladores de genes. Além disso, possui um importante efeito antioxidante. A sua deficiência resulta em uma piora do status de imunidade do indivíduo, sendo sua suplementação associada à prevenção e ao tratamento de infecções respiratórias.

Vitamina E

A vitamina E é um potente antioxidante e que é encontrada em alta concentração nas células imunológicas e é um dos mais efetivos nutrientes moduladores da função imunológica, atuando na integridade da membrana, na transdução do sinal e divisão celular das células T, além de afetar de forma indireta os mediadores inflamatórios gerados por outras células imunológicas.

Extrato de própolis

A própolis é uma substância resinosa coletada de diversas partes das plantas, sendo que sua composição está relacionada às características da vegetação de cada região. A própolis verde é produzida a partir da resina do alecrim-do-campo (Baccharis dracunculifolia), uma planta nativa do cerrado brasileiro. Al-Hariri (2019) conduziu uma revisão sistemática em que reúne diversos estudos que demonstram a ação imunomoduladora do extrato de própolis verde, podendo ser um potencial tratamento complementar e alternativo no controle de infecções ou outras patologias, promovendo maior eficácia do sistema imunológico. A literatura científica demonstra atividade bactericida e antiviral da própolis (MARIANO e HORI, 2019). 

Selênio

O selênio é um mineral essencial ao adequado funcionamento de diversas enzimas antioxidantes, como a glutationa peroxidase, atuando na resistência a infecções virais e desempenhando um importante papel imunomodulador (ELMADFA; MEYER, 2020). A sua deficiência está relacionada com redução da imunidade adaptativa e inata, exacerbação da inflamação e vulnerabilidade na defesa do organismo contra patógenos. Sua suplementação, segundo Gombart, Pierre e Maggini (2020), pode ser usada como terapia adjuvante segura em infecções virais.

Zinco

A deficiência de zinco é prevalente na população e está associada com maior prevalência de infecções virais. Os linfócitos T são os mais impactados pela falta de zinco, que é necessário para a maturação e no equilíbrio das diferentes subpopulações dessas células. Ele também exerce um papel fundamental na regulação de enzimas antioxidantes, além de ser essencial para a manutenção da barreira intestinal, que também tem função imunológica, atuando na expressão da 3-claudina e da ocludina, importantes proteínas associadas à imunidade (READ et al., 2019).

 

Imuno Health é um lançamento da Naiak fonte de vitamina D3 (colecalciferol) e com excelentes concentrações de vitamina C, vitamina E, zinco, selênio e extrato de própolis verde garantindo excelente biodisponibilidade e eficácia do seu uso! São nutrientes que agem em sinergia, logo, propiciando uma ação imunomoduladora e complementando o cuidado com sua saúde de forma prática!

 

REFERÊNCIAS 

CARR, A. C.; MAGGINI, S. Vitamin C and Immune Function. Nutrients, v.9, v.11, p.1211, 2017. Disponível em: < https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/29099763/> . Acesso em 15 set. de 2020.
CEMBRANEL, F. et al. Relação entre consumo alimentar de vitaminas e minerais, índice de massa corporal e circunferência da cintura: um estudo de base populacional com adultos no Sul do Brasil. Cardenos de Saúde Pública, v.33, n.12, 2017. Disponível em: < http://cadernos.ensp.fiocruz.br/csp/artigo/318/relacao-entre-consumo-alimentar-de-vitaminas-e-minerais-indice-de-massa-corporal-e-circunferencia-da-cintura-um-estudo-de-base-populacional-com-adultos-no-sul-do-brasil>. Acesso em 15 set. de 2020.
CHAROENNGAM, N.; HOLICK, M.F. Immunologic Effects of Vitamin D on Human Health and Disease. Nutrients, v.12, n.7, p.2097, 2020. Disponível em: < https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32679784/>. Acesso em 15 set. de 2020.
ELMADFA, I; MEYER, A.L. The Role of the Status of Selected Micronutrients in Shaping the Immune Function. Endocr Metab Immune Disord Drug Targets, v.19, n.8, p.1100-115, 2019. Disponível em: < https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31142256/> Acesso em 15 set. de 2020.
GANDIA, P. et al. A bioavailability study comparing two oral formulations containing zinc (Zn bis-glycinate vs. Zn gluconate) after a single administration to twelve healthy female volunteers. Int J Vitam Nutr Res, v. 77, n.4, p.243-248, 2007. Disponível em: < https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/18271278/> Acesso em 15 set. de 2020.
GOMBART, M. A.F.; PIERRE, A.; MAGGINI, S. A Review of Micronutrients and the Immune System-Working in Harmony to Reduce the Risk of Infection. Nutrients, v.12, n.1, p.236, 2020. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7019735/ Acesso em 15 set. de 2020.
GONCALVES-MENDES, N. et al. Impact of Vitamin D Supplementation on Influenza Vaccine Response and Immune Functions in Deficient Elderly Persons: A Randomized Placebo-Controlled Trial. Front Immunol., v.10, p.65, 2019. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30800121/>. Acesso em: 15 set. de 2020.
MAGGINI, S.; PIERRE, A.; CALDER, P.C. Immune Function and Micronutrient Requirements Change over the Life Course. Nutrients, v.10, n.10, p.1531, 2018. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6212925/. Acesso em: 15 set. de 2020.
MIYOSHI, Y.; TANABE, S.; SUZUKI, T. Cellular zinc is required for intestinal epithelial barrier maintenance via the regulation of claudin-3 and occludin expression.. Am J Physiol Gastrointest Liver Physiol, v.311, n.1, p.G105-16, 2016. Disponível em: < https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/27151944/ > Acesso em 15 set. de 2020.
READ, S. A. et al. The Role of Zinc in Antiviral Immunity. Adv Nutrn, v.10, n.4, p.696-710, 2019. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31305906/ Acesso em 15 set. de 2020.
TURECK, C. et al. Avaliação da ingestão de nutrientes antioxidantes pela população brasileira e sua relação com o estado nutricional. Rev Bras Epidemiol., v.20, n.1, p.30-42, 2017. Disponível em: < https://www.scielo.br/pdf/rbepid/v20n1/1980-5497-rbepid-20-01-00030.pdf > Acesso em 15 set. de 2020.
VANHERWEGEN, A.; GYSEMANS, C.; MATHIEU, C. Regulation of Immune Function by Vitamin D and
Its Use in Diseases of Immunity. Endocrinol Metab Clin North Am, v.46, n.4, p.1061-1094, 2017. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/29080635/ > Acesso em 15 set. de 2020.
AL-HARIRI, M. Immune’s-boosting agent: Immunomodulation potentials of propolis. Journal of Family and Community Medicine, v. 26, n. 1, p. 57-60, 2019. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6335834/ > Acesso em 13 de nov. 2020.
MARIANO, M.M.; HORI, J.I. O potencial terapêutico da própolis verde brasileira. e-Revista Facitec, v. 10, n. 1, 2019. 2019 Disponível em: < http://periodicos.estacio.br/index.php/e-revistafacitec/article/view/6219 > Acesso em 13 de nov. 2020.
LEWIS, E.D., MEYDANI, S.N., WU, D. Regulatory role of vitamin E in the immune system and inflammation. IUBMB Life, v.71, n.4, p.487-494, 2019 Disponível em: < https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30501009/ > Acesso em 13 de nov. 2020.