Como escolher o seu suplemento de magnésio?

A importância do magnésio

O magnésio é o 4° mineral mais abundante no corpo e exerce importantes funções em âmbito molecular, bioquímico e fisiológico, sendo necessário para mais de 300 reações no organismo e para a manutenção da homeostase.

Como exemplo de algumas dessas funções, pode-se destacar o seu papel na absorção de cálcio e regulação da vitamina D, pois é essencial para a saúde óssea, atua na síntese de serotonina (neurotransmissor associado ao bem-estar, à felicidade e ao relaxamento), na modulação da ansiedade, na neuroproteção e na condução de sinais neuromusculares, bem como apresenta importância para a saúde cerebral. Também se associa na prevenção de arritmias e hipertensão, além de regulação da vasoconstrição e do sistema cardiovascular.

Deficiência de magnésio – Quais os sintomas?

As concentrações corporais de magnésio abaixo do ideal são altamente prevalentes nos países ocidentais, inclusive no Brasil, principalmente, devido à baixa ingestão alimentar. Assim, uma das formas de tratar a sua deficiência seria a partir da adequação pela alimentação, com a inclusão de alimentos fonte como gergelim, folhas verde-escuras (como espinafre e couve), oleaginosas e grãos integrais.

Mas a sua concentração nos alimentos pode ser impactada pelo teor de magnésio presente no solo, que pode ser deficiente, além dos processos de refinamento, sendo a suplementação uma forma efetiva de melhorar os seus níveis corporais, assim, visando garantir os benefícios do magnésio.

Como principais sintomas da deficiência deste mineral destacamos fadiga, dores de cabeça e/ou enxaquecas, aumento da pressão arterial, arritmias, alterações na glicemia, osteoporose, câimbras, entre outros.

Suplementos de magnésio

No momento de escolher seu suplemento de magnésio, você se depara com diversos tipos. Isso acontece porque há diferentes formas de apresentação deste mineral, sendo que cada uma delas tem objetivos e biodisponibilidade distintos.

Na Naiak, você encontra dois tipos de suplementos de magnésio! Entenda como escolher o melhor para o seu objetivo:

Magnésio Dimalato

● O que é?

Formulado a partir da combinação de magnésio e ácido málico, com a finalidade de formar o chamado mineral quelato, que leva ao aumento de sua biodisponibilidade, apresentando alta e rápida absorção intestinal. O ácido málico é um composto bioativo que atua, principalmente, na geração de energia pelo corpo.

● Quando é indicado?

Para diminuir os sintomas de fibromialgia, amenizar dores musculares ou articulares, diminuir a intensidade dos sintomas da TPM, reduzir sintomas emocionais (ansiedade e estresse), otimizar a produção de energia corporal e melhorar a qualidade do sono.

● Diferenciais Naiak:

Com o selo Albion Minerals, evita desconforto gastrointestinal, tem absorção prolongada e apresenta 433mg de magnésio dimalato por cápsula, além de ser vegano.

Tauromind

● O que é?

Este apresenta-se como a associação entre o magnésio e a taurina, potencializando a biodisponibilidade do magnésio. Após a sua absorção, é encontrado principalmente no tecido cerebral. A taurina é um aminoácido importante para o corpo, sobretudo para o melhor funcionamento do sistema cardiovascular e nervoso.

● Quando é indicado?

Para contribuir para a manutenção da saúde cardíaca, dessa forma, modulando a pressão arterial, no tratamento do estresse crônico, na melhora da memória e do aprendizado, na redução da enxaqueca e como coadjuvante do tratamento de doenças neurodegenerativas.

● Diferenciais Naiak:

Com o selo TauroMag, apresenta 525mg de magnésio taurato por cápsula e é vegano.

Atente-se, sempre, à presença dos selos de certificação nos seus suplementos: eles dão garantia da qualidade e segurança do produto que está adquirindo.

REFERÊNCIAS

DINICOLANTONIO, J. J. et al. Subclinical magnesium deficiency: a principal driver of cardiovascular disease and a public health crisis. Open Heart, v. 5, p. 1-17, 2018. Disponível em: <https://openheart.bmj.com/content/5/1/e000668>. Acesso em: 01 de dez. de 2020. RAZZAQUE, M. S. Magnesium: are we consuming enough? Nutrients, v. 10, n. 12, p. 1-8, 2018. Disponível em: <https://www.mdpi.com/2072-6643/10/12/1863/htm>. Acesso em: 01 de dez. de 2020. BOYLE, N.B.; LAWTON, C.; DYE, L.The Effects of Magnesium Supplementation on Subjective Anxiety and Stress—A Systematic Review. Nutrients, v.9, n.5, p.429, 2017. Disponível em: < https://www.mdpi.com/2072-6643/9/5/429/htm > Acesso em 07 dez. de 2020. AHMED, F.; MOHAMMED, A. Magnesium: The Forgotten Electrolyte-A Review on Hypomagnesemia. Med Sci., v.7, n.7, p.56, 2019. Disponível em: < https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30987399/ > Acesso em 07 dez. de 2020. FERREIRA, I.; ORTIGOZA, A.; MOORE, P. Magnesium and malic acid supplement for fibromyalgia. Medwave, v.19, n.4, p.7633, 2019. Disponível em: < https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31150373/ > Acesso em 07 dez. de 2020. IBEROQUÍMICA MAGISTRAL. Magnésio Dimalato – Combinação de magnésio com ácido málico. Disponível em: <https://www.iberoquimica.com.br/Arquivos/Insumo/LAMINA-164613.pdf.> Acesso em 07 dez. de 2020. ATES, M. et al. Dose-Dependent Absorption Profile of Different Magnesium Compounds. Biol Trace Elem Res., v.192, n.2, p.244-251, 2019. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30761462/> Acesso em 07 dez. de 2020.

Entendendo os selos da Naiak

Você já reparou que alguns suplementos nutricionais da Naiak apresentam selos de certificação? Eles são uma espécie de aprovação concedida por instituições certificadoras oficialmente autorizadas, que podem ser nacionais ou internacionais, e evidenciam a qualidade de determinado produto, certificando quanto à sua origem ou modo de produção.

Para que o produto receba um selo, a empresa precisa adotar uma série de normas, exigindo investimentos e adoção de metodologias específicas, de forma que a empresa o submeta a uma avaliação rigorosa pelas instituições certificadoras. Caso seja encontrada alguma não conformidade na cadeia produtiva, a empresa precisa corrigir esses detalhes. Assim, a presença deles permite que você, consumidor, tenha segurança do produto que está adquirindo. Afinal, a sua saúde deve ser levada a sério!

Entenda mais sobre os selos presentes nos produtos da Naiak:


Referências

 

BALCHEM CORPORATION (Utah). Albion | Minerals . Science . Chelates. 2016. Disponível em: https://albionminerals.com/. Acesso em: 11 nov. 2020.

BARBOUR, Ana Maria. Você sabe o que é alimento Halal? 2010. Disponível em: https://icarabe.org/geral/voce-sabe-o-que-e-alimento-halal. Acesso em: 11 nov. 2020.

DSM. Por que MEG-3: trust the source. Trust the Source. 2016. Disponível em: https://www.meg-3.com/pt_BR/why-meg-3.html. Acesso em: 11 nov. 2020.

NUTRASOURCE. What is IFOS? Disponível em: <https://certifications.nutrasource.ca/about/how-certifications-work/ifos> Acesse em: 11 nov. de 2020.

FREITAS, Flávia. Você sabe a diferença entre alimentos HALAL e KOSHER? 2017. Laborgene: agrogenética. Disponível em: https://www.laborgene.com.br/voce-sabe-a-diferenca-entre-alimentos-halal-e-kosher-2/. Acesso em: 11 nov. 2020.

NCH EUROPE (Portugal). Certificação NSF. Disponível em: https://www.ncheurope.com/pt/resources/nsf-certification. Acesso em: 11 nov. de 2020.

NEWCORP BRASIL. Lâmina TauroMag. Disponível em: <http://www.newcorpbrasil.com.br/arqs/lamina_tmcardio.pdf> Acesso em: 11 nov. de 2020.

Micronutrientes, ativos e imunidade: Qual a relação? 

Descubra a novidade #Naiak para sua prescrição!

Nos últimos meses, mais do que nunca, o adequado suporte imunológico se mostrou fundamental, sendo que a nutrição é uma importante aliada, pois alguns nutrientes são fatores-chave para o funcionamento efetivo das barreiras físicas e células imunológicas. Nesse contexto, destacam-se os micronutrientes imunomoduladores, como as vitaminas C e D e os minerais zinco e selênio, que precisam estar nas concentrações ideais para apoiar a função imunológica, de forma a promover a homeostase do organismo.

Consumo de vitaminas e minerais na população brasileira

Atualmente, a deficiência de micronutrientes é considerada um problema de saúde pública global, inclusive no Brasil. Alguns estudos foram conduzidos com a população brasileira, assim, demonstrando uma alta insuficiência do consumo de vitaminas A, C, D e E, além de minerais como selênio, zinco, ferro e cálcio (CEMBRANEL et al., 2017; TURECK, C. et al., 2017)

Relação entre nutrientes e imunidade

Levando em consideração a elevada prevalência de deficiência nutricional na população, pensar em promover a função imunológica é sinônimo de adaptar os seus níveis corporais, desse modo, contribuindo para a redução do risco de infecções por diversos patógenos e também apoiando uma recuperação otimizada.

Pelo fato de o consumo estar inadequado, além de estratégias nutricionais para melhorar a alimentação dos indivíduos, a suplementação desses nutrientes pode ser uma aliada para promover um melhor estado de saúde. Esta é indicada, principalmente, em grupos de risco, para uma maior depleção deles, como obesos, idosos, fumantes ou expostos à poluição e ao estresse.

Vitamina D

A deficiência de vitamina D é altamente prevalente na população e, devido à baixa quantidade de fontes alimentares somada ao estilo de vida indoor da maioria das pessoas, a suplementação torna-se aliada da adequação da concentração sérica deste importante micronutriente, principalmente, no contexto da imunidade. Isso porque ela atua na tolerância imunológica, estimulando a diferenciação de células T regulatórias e promovendo modulação do balanço do Th1 e Th2. Além disso, quase todas as células de defesa expressam o VDR funcional, assim, demonstrando a importante atuação desta vitamina na imunidade. 

Um estudo randomizado e controlado por placebo, conduzido em idosos, apresentou benefícios da suplementação de vitamina D na resposta à vacinação da Influenza e nas funções imunológicas: no grupo de intervenção, a razão entre Th1/Th2 foi menor, assim como os níveis de TNFα e IL-6, enquanto houve um aumento do TNFβ, demonstrando que a suplementação com esta vitamina parece direcionar a polarização dos linfócitos para uma resposta imune tolerogênica (GONCALVES-MENDES et al., 2019). Uma revisão conduzida por Charoenngam e Holick (2020) demonstra que a baixa concentração de vitamina D está associada ao maior risco de doenças e desordens relacionadas ao sistema imunológico, inclusive, ao novo coronavírus. 

Vitamina C

A vitamina C exerce efeitos na sinalização das células imunológicas, tanto nas da imunidade inata quanto nas da adaptativa, também agindo na regulação epigenética, regulando a desmetilação do DNA. Ela suporta, ainda, a função de barreira epitelial contra patógenos e protege a pele do estresse oxidativo. A vitamina C se acumula nas células fagocíticas, aumentando a quimiotaxia, a fagocitose, a geração de espécies reativas de oxigênio, ocasionando a morte do patógeno. Ela também atua na diferenciação e proliferação de células B e T, provavelmente, devido aos seus efeitos reguladores de genes. Além disso, possui um importante efeito antioxidante. A sua deficiência resulta em uma piora do status de imunidade do indivíduo, sendo sua suplementação associada à prevenção e ao tratamento de infecções respiratórias.

Vitamina E

A vitamina E é um potente antioxidante e que é encontrada em alta concentração nas células imunológicas e é um dos mais efetivos nutrientes moduladores da função imunológica, atuando na integridade da membrana, na transdução do sinal e divisão celular das células T, além de afetar de forma indireta os mediadores inflamatórios gerados por outras células imunológicas.

Extrato de própolis

A própolis é uma substância resinosa coletada de diversas partes das plantas, sendo que sua composição está relacionada às características da vegetação de cada região. A própolis verde é produzida a partir da resina do alecrim-do-campo (Baccharis dracunculifolia), uma planta nativa do cerrado brasileiro. Al-Hariri (2019) conduziu uma revisão sistemática em que reúne diversos estudos que demonstram a ação imunomoduladora do extrato de própolis verde, podendo ser um potencial tratamento complementar e alternativo no controle de infecções ou outras patologias, promovendo maior eficácia do sistema imunológico. A literatura científica demonstra atividade bactericida e antiviral da própolis (MARIANO e HORI, 2019). 

Selênio

O selênio é um mineral essencial ao adequado funcionamento de diversas enzimas antioxidantes, como a glutationa peroxidase, atuando na resistência a infecções virais e desempenhando um importante papel imunomodulador (ELMADFA; MEYER, 2020). A sua deficiência está relacionada com redução da imunidade adaptativa e inata, exacerbação da inflamação e vulnerabilidade na defesa do organismo contra patógenos. Sua suplementação, segundo Gombart, Pierre e Maggini (2020), pode ser usada como terapia adjuvante segura em infecções virais.

Zinco

A deficiência de zinco é prevalente na população e está associada com maior prevalência de infecções virais. Os linfócitos T são os mais impactados pela falta de zinco, que é necessário para a maturação e no equilíbrio das diferentes subpopulações dessas células. Ele também exerce um papel fundamental na regulação de enzimas antioxidantes, além de ser essencial para a manutenção da barreira intestinal, que também tem função imunológica, atuando na expressão da 3-claudina e da ocludina, importantes proteínas associadas à imunidade (READ et al., 2019).

 

Imuno Health é um lançamento da Naiak fonte de vitamina D3 (colecalciferol) e com excelentes concentrações de vitamina C, vitamina E, zinco, selênio e extrato de própolis verde garantindo excelente biodisponibilidade e eficácia do seu uso! São nutrientes que agem em sinergia, logo, propiciando uma ação imunomoduladora e complementando o cuidado com sua saúde de forma prática!

 

REFERÊNCIAS 

CARR, A. C.; MAGGINI, S. Vitamin C and Immune Function. Nutrients, v.9, v.11, p.1211, 2017. Disponível em: < https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/29099763/> . Acesso em 15 set. de 2020.
CEMBRANEL, F. et al. Relação entre consumo alimentar de vitaminas e minerais, índice de massa corporal e circunferência da cintura: um estudo de base populacional com adultos no Sul do Brasil. Cardenos de Saúde Pública, v.33, n.12, 2017. Disponível em: < http://cadernos.ensp.fiocruz.br/csp/artigo/318/relacao-entre-consumo-alimentar-de-vitaminas-e-minerais-indice-de-massa-corporal-e-circunferencia-da-cintura-um-estudo-de-base-populacional-com-adultos-no-sul-do-brasil>. Acesso em 15 set. de 2020.
CHAROENNGAM, N.; HOLICK, M.F. Immunologic Effects of Vitamin D on Human Health and Disease. Nutrients, v.12, n.7, p.2097, 2020. Disponível em: < https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32679784/>. Acesso em 15 set. de 2020.
ELMADFA, I; MEYER, A.L. The Role of the Status of Selected Micronutrients in Shaping the Immune Function. Endocr Metab Immune Disord Drug Targets, v.19, n.8, p.1100-115, 2019. Disponível em: < https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31142256/> Acesso em 15 set. de 2020.
GANDIA, P. et al. A bioavailability study comparing two oral formulations containing zinc (Zn bis-glycinate vs. Zn gluconate) after a single administration to twelve healthy female volunteers. Int J Vitam Nutr Res, v. 77, n.4, p.243-248, 2007. Disponível em: < https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/18271278/> Acesso em 15 set. de 2020.
GOMBART, M. A.F.; PIERRE, A.; MAGGINI, S. A Review of Micronutrients and the Immune System-Working in Harmony to Reduce the Risk of Infection. Nutrients, v.12, n.1, p.236, 2020. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7019735/ Acesso em 15 set. de 2020.
GONCALVES-MENDES, N. et al. Impact of Vitamin D Supplementation on Influenza Vaccine Response and Immune Functions in Deficient Elderly Persons: A Randomized Placebo-Controlled Trial. Front Immunol., v.10, p.65, 2019. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30800121/>. Acesso em: 15 set. de 2020.
MAGGINI, S.; PIERRE, A.; CALDER, P.C. Immune Function and Micronutrient Requirements Change over the Life Course. Nutrients, v.10, n.10, p.1531, 2018. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6212925/. Acesso em: 15 set. de 2020.
MIYOSHI, Y.; TANABE, S.; SUZUKI, T. Cellular zinc is required for intestinal epithelial barrier maintenance via the regulation of claudin-3 and occludin expression.. Am J Physiol Gastrointest Liver Physiol, v.311, n.1, p.G105-16, 2016. Disponível em: < https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/27151944/ > Acesso em 15 set. de 2020.
READ, S. A. et al. The Role of Zinc in Antiviral Immunity. Adv Nutrn, v.10, n.4, p.696-710, 2019. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31305906/ Acesso em 15 set. de 2020.
TURECK, C. et al. Avaliação da ingestão de nutrientes antioxidantes pela população brasileira e sua relação com o estado nutricional. Rev Bras Epidemiol., v.20, n.1, p.30-42, 2017. Disponível em: < https://www.scielo.br/pdf/rbepid/v20n1/1980-5497-rbepid-20-01-00030.pdf > Acesso em 15 set. de 2020.
VANHERWEGEN, A.; GYSEMANS, C.; MATHIEU, C. Regulation of Immune Function by Vitamin D and
Its Use in Diseases of Immunity. Endocrinol Metab Clin North Am, v.46, n.4, p.1061-1094, 2017. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/29080635/ > Acesso em 15 set. de 2020.
AL-HARIRI, M. Immune’s-boosting agent: Immunomodulation potentials of propolis. Journal of Family and Community Medicine, v. 26, n. 1, p. 57-60, 2019. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6335834/ > Acesso em 13 de nov. 2020.
MARIANO, M.M.; HORI, J.I. O potencial terapêutico da própolis verde brasileira. e-Revista Facitec, v. 10, n. 1, 2019. 2019 Disponível em: < http://periodicos.estacio.br/index.php/e-revistafacitec/article/view/6219 > Acesso em 13 de nov. 2020.
LEWIS, E.D., MEYDANI, S.N., WU, D. Regulatory role of vitamin E in the immune system and inflammation. IUBMB Life, v.71, n.4, p.487-494, 2019 Disponível em: < https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30501009/ > Acesso em 13 de nov. 2020.

Dez receitas com Whey Protein Berries & Hibisco para o seu dia a dia!

O cuidado da saúde consiste em adotar bons hábitos alimentares e de vida, como um sono reparador e a prática de atividade física. Assim, é fundamental se atentar para a ingestão adequada e individualizada de nutrientes para que a homeostase do organismo seja garantida, como é o caso do consumo de proteínas. Isso porque este macronutriente é responsável por um papel importante na imunomodulação, na síntese proteica, no emagrecimento, bem como em outras funções, atuando de forma integrada com os demais nutrientes e orquestrando as funções fisiológicas e metabólicas.

Devido à correria do dia a dia, nem sempre a necessidade diária recomendada deste nutriente é atingida apenas pela alimentação, sendo necessário o apoio de suplemento proteico para complementar o consumo. Um dos mais consumidos é o whey, que está entre os maiores crescimentos no mercado de suplementos, principalmente, devido ao seu perfil nutricional, que apresenta excelente concentração proteica e de perfil de aminoácidos.

Whey Protein Berries & Hibisco da Naiak é um suplemento alimentar fonte de proteínas, formulado com whey protein isolado e hidrolisado, além de colágenos Verisol® e hidrolisado, com matéria-prima de qualidade superior e garantindo alta biodisponibilidade. Em cada dose, oferece 22g de proteínas, 2,5g de Verisol® e 4,3g de BCAAs, além de ter sabor de hibisco e aroma de frutas vermelhas naturais e ser adoçado com estévia e xilitol. Um produto exclusivo e inovador que veio complementar o consumo de proteínas de forma versátil na rotina, assim, contribuindo para a síntese proteica e a manutenção da massa muscular, o emagrecimento saudável, a imunomodulação e o cuidado integrado da saúde da pele, das unhas e dos cabelos.

Então, que tal experimentar essa novidade Naiak, de forma saborosa e prática, na sua rotina? Confira 10 receitas com Whey Protein Berries & Hibisco!

 

SUCO ROXO

Com alta concentração de fitoquímicos, e ainda assim muito saboroso, esse suco é bastante refrescante, perfeito para os dias de calor!

Ingredientes:

1 punhado de amoras congeladas

200ml leite da sua preferência

1 sachê Whey Protein Berries & Hibisco – Naiak

Modo de preparo: bata todos os ingredientes no liquidificador e consuma logo em seguida.

Dica: use o leite bem gelado, você também pode bater com cubos de gelo, se preferir. Experimente adicionar umas folhinhas de hortelã, deixando-o ainda mais refrescante!

 

MOUSSE FIT DE UVA

Tem dias que a gente só quer uma sobremesa gostosa, não é? Esta receita é bem simples e fácil de fazer, basta se programar para deixar na geladeira por, no mínimo, 4 horas.

Ingredientes:

1 sachê gelatina

200ml de suco integral de uva

1 sachê Whey Protein Berries & Hibisco – Naiak
200g iogurte natural

Modo de preparo:

Faça a gelatina conforme as instruções da embalagem e leve à geladeira. Quando estiver consistente, retire e bata no liquidificador com os demais ingredientes. Depois, é só voltar para a geladeira e aguardar que fique consistente novamente. Prontinho: uma sobremesa para comer sem culpa!

Dica: depois de ter batido a gelatina com os outros ingredientes, você pode colocar a mistura já em tacinhas individuais, para que fique pronta para servir. Quando estiver na consistência ideal, experimente colocar uvas higienizadas por cima, para decorar.

 

SORVETE PROTEICO DE FRUTAS VERMELHAS

Que tal um sorvete proteico, rico em fitoquímicos e muito saboroso para se refrescar nos dias mais quentes? Veja como é fácil e rápido!

Ingredientes:

3 bananas maduras cortadas em rodelas e congeladas separadamente

100g frutas vermelhas congeladas separadamente

1 sachê Whey Protein Berries & Hibisco – Naiak

Modo de preparo:

Junte todos os ingredientes no processador ou mixer, até que fique homogêneo. Você pode colocar em tacinhas para servir ou utilizar forminhas especiais para fazer sorvete de palito, conforme a foto. Volte para o congelador caso não for consumir na hora.

Dica: se você optar por consumir em tacinhas, aproveite para decorar com um mix de castanhas picadas por cima, acrescentando uma fonte de gorduras do bem na sua sobremesa.

 

BRIGADEIRO DE WHEY PROTEIN

Esta é uma ótima opção para quando der vontade de comer um docinho no meio do dia! Veja a seguir a receita de brigadeiro feito com whey protein: saudável, gostoso e com alta carga proteica!


Ingredientes:

1 sachê de Whey Protein Berries & Hibisco – Naiak

1 xícara (chá) de leite em pó de sua preferência

2 colheres (sopa) de cacau em pó

200ml de água morna

1 colher (sopa) de óleo de coco

Xylitol – Naiak a gosto

Modo de Preparo:

Bata no liquidificador a água morna, o whey protein, o leite em pó, o adoçante e o cacau até resultar em uma mistura homogênea. Depois, derreta o óleo de coco em uma panela e acrescente a mistura com whey. Vá mexendo em fogo médio até engrossar, sem parar, para não grudar na panela. Transfira para outro recipiente e leve à geladeira por, no máximo, 30 minutos. Agora é só comer de colher ou enrolar em forma de bolinhas.

Dica: se você preferir mais amargo, pode enrolar em bolinhas e passar no cacau em pó. Além de delicioso, estará incluindo ainda mais antioxidantes na sua receita.

 

CREPIOCA ROSA PROTEICA

Uma ótima opção para o pós-treino, é essa crepioca proteica feita com Whey Protein Berries & Hibisco. Veja a receita que vai se tornar sua queridinha!

Ingredientes:

1 ovo

2 colheres (sopa) goma de tapioca

1 sachê Whey Protein Berries & Hibisco –  Naiak

Modo de preparo:

Bata todos os ingredientes, com um garfo, até que fique homogêneo. Despeje na frigideira antiaderente já quente, vire assim que cozinhar por baixo e desgrudar. O tempo na frigideira é bem rápido, para não ficar “borrachuda”. Complete com o recheio de sua preferência. Vale usar a criatividade!

Dica: prefira rechear com frutas e pasta de oleaginosas, como de amendoim ou amêndoas!

 

BOLO PROTEICO DE BETERRABA

Confira o passo a passo de um bolo rico em fitoquímicos, fibras e proteínas para fazer parte de um café da tarde em família!

Ingredientes:

300g beterraba crua, descascada e cortada em cubos

3 ovos

½ xícara (chá) óleo de coco

1 xícara (chá) Xylitol – Naiak

Suco de 2 limões pequenos

2 xícaras (chá) mix de farinhas sem glúten

1 sachê Whey Protein Berries & Hibisco –  Naiak
1 colher (sopa) fermento em pó

Modo de preparo:

Primeiramente, bata no liquidificador a beterraba, os ovos, o suco de limão, o óleo de coco e o xilitol por 3 minutos. Depois, transfira o líquido homogêneo para um recipiente e acrescente a farinha e o whey. Misture bem e, por último, coloque o fermento e misture devagar. Agora, basta transferir para uma forma untada e assar, no forno preaquecido a 180 graus, por aproximadamente 40 minutos.

Dica: como o tempo pode variar de forno para forno, espete o bolo com um espeto de madeira (aqueles para churrasco) quando completar 30 minutos, se ele sair sequinho, é porque já está pronto. Caso contrário, deixe por mais tempo e faça um novo teste.

 

SMOOTHIE DE AÇAÍ PROTEICO VITAMINADO

Esse smoothie é uma excelente forma de repor nutrientes, principalmente, naqueles dias que você precisa de mais energia e disposição, podendo ser consumido como pré-treino!

Ingredientes:

150ml água de coco

1 polpa de açaí sem açúcar

1 banana madura congelada

2 folhas de couve crua

½ beterraba crua

1 sachê Whey Protein Berries & Hibisco – Naiak

Modo de preparo:

Bata todos os ingredientes no liquidificador e sirva em seguida.


GRANOLA PROTEICA

As vantagens de fazer a sua própria granola é que ela pode ficar muito mais saudável do que as encontradas no supermercado. Você pode escolher o que mais prefere e ousar nas combinações, usando realmente sua criatividade. Veja nossa sugestão para você, deixando ela rica em proteínas com o whey Naiak!

Ingredientes:

2 xícaras (chá) aveia em flocos

½ xícara (chá) coco laminado

⅓ xícara (chá) amêndoas picadas

⅓ xícara (chá) semente de abóbora

3 colheres (sopa) óleo de coco

Canela a gosto

1 pitada sal

3 colheres (sopa) mel

⅓ xícara (chá) uva-passa

1 sachê Whey Protein Berries & Hibisco – Naiak

Modo de preparo:

Misture todos os ingredientes e leve ao forno, preaquecido a 180°C, por aproximadamente 30 minutos, tirando na metade do tempo para misturar novamente. O ideal é que a granola fique bem douradinha, mas é necessário ter atenção para não queimar, já que o tempo de preparo pode variar de forno para forno. Espere esfriar completamente e transfira para um pode de vidro com tampa.

Dica: experimente com iogurtes ou frutas. Além de ser muito gostoso, você estará adicionando ingredientes essenciais para a sua saúde e o seu bem-estar.

 

MOUSSE PROTEICO DE MORANGO E SEMENTES

Que tal mais uma sobremesa muito saudável e gostosa? Confira!

Ingredientes:

1 xícara (chá) de leite de amêndoa

1 xícara (chá) de leite de coco

1 xícara (chá) de água morna

1 colher (sopa) de semente de linhaça dourada

1 colher (sopa) de chia

1 colher (sopa) de Xylitol – Naiak

½ unidade abacate

5 unidades morangos grandes

1 envelope gelatina incolor

1 sachê Whey Protein Berries & Hibisco – Naiak

Modo de preparo:

Hidrate a chia e a linhaça na água morna por 20 minutos. Depois, junte com os demais ingredientes, exceto a gelatina, e bata no liquidificador por 3 minutos. Hidrate a gelatina conforme as instruções da embalagem e misture bem com o restante do creme. Leve à geladeira por 2 horas e sirva em seguida.

Dica: você pode substituir o morango por qualquer outra fruta de sua preferência.

 

BROWNIE PROTEICO DE CACAU

Esse brownie saudável é perfeito para um café da tarde diferente. Confira esta receita incrível com poucos ingredientes!

Ingredientes:

1 ovo
2 bananas grandes maduras
½ xícara (chá) de farelo de aveia
½ xícara (chá) de pasta de amendoim
⅓ xícara (chá) de cacau em pó
⅓ xícara (chá) de chocolate 70% cacau picado
1 colher (sopa) de Xylitol – Naiak
1 sachê de Whey Protein Berries & Hibisco – Naiak

Modo de Preparo:

Bata todos os ingredientes no liquidificador, exceto o chocolate picado, até ficar homogêneo. Incorpore delicadamente o chocolate na massa. Verse em uma forma pequena untada e leve ao forno, preaquecido a 200°C, para assar por aproximadamente 20 minutos. Retire do forno e leve à geladeira por 2 horas. Depois, basta cortar em pedaços e servir.

Dica: você pode adicionar castanhas, nozes ou amendoim, como preferir, incluindo ainda mais nutrientes no seu brownie.

 

Micronutrientes e Imunidade: Qual a relação?

Nos últimos meses, mais do que nunca, o adequado suporte imunológico se mostrou fundamental, sendo que a nutrição é uma importante aliada, pois alguns nutrientes são fatores-chave para o funcionamento efetivo das barreiras físicas e células imunológicas. Nesse contexto, destacam-se os micronutrientes imunomoduladores, como as vitaminas C e D e os minerais zinco e selênio, que precisam estar nas concentrações ideais para apoiar a função imunológica, de forma a promover a homeostase do organismo.

Consumo de vitaminas e minerais na população brasileira Atualmente, a deficiência de micronutrientes é considerada um problema de saúde pública global, inclusive no Brasil. Alguns estudos foram conduzidos com a população brasileira, assim, demonstrando uma alta insuficiência do consumo de vitaminas A, C, D e E, além de minerais como selênio, zinco, ferro e cálcio (CEMBRANEL et al., 2017; TURECK, C. et al., 2017)

Relação entre micronutrientes e imunidade

Levando em consideração a elevada prevalência de deficiência nutricional na população, pensar em promover a função imunológica é sinônimo de adaptar os seus níveis corporais, desse modo, contribuindo para a redução do risco de infecções por diversos patógenos e também apoiando uma recuperação otimizada. Pelo fato de o consumo estar inadequado, além de estratégias nutricionais para melhorar a alimentação dos indivíduos, a suplementação desses nutrientes pode ser uma aliada para promover um melhor estado de saúde. Esta é indicada, principalmente, em grupos de risco, para uma maior depleção deles, como obesos, idosos, fumantes ou expostos à poluição e ao estresse.

Vitamina D

A deficiência de vitamina D é altamente prevalente na população e, devido à baixa quantidade de fontes alimentares somada ao estilo de vida indoor da maioria das pessoas, a suplementação torna-se aliada da adequação da concentração sérica deste importante micronutriente, principalmente, no contexto da imunidade. Isso porque ela atua na tolerância imunológica, estimulando a diferenciação de células T regulatórias e promovendo modulação do balanço do Th1 e Th2. Além disso, quase todas as células de defesa, como neutrófilos, macrófagos, células dendríticas e outras, expressam o VDR funcional, assim, demonstrando a importante atuação desta vitamina na imunidade. Um estudo randomizado e controlado por placebo, conduzido em idosos, apresentou benefícios da suplementação de vitamina D na resposta à vacinação da Influenza e nas funções imunológicas: no grupo de intervenção, a razão entre Th1/Th2 foi menor, assim como os níveis de TNFα e IL-6, enquanto houve um aumento do TNFβ, demonstrando que a suplementação com esta vitamina parece direcionar a polarização dos linfócitos para uma resposta imune tolerogênica (GONCALVES-MENDES et al., 2019). Uma revisão conduzida por Charoenngam e Holick (2020) demonstra que a baixa concentração de vitamina D está associada ao maior risco de doenças e desordens relacionadas ao sistema imunológico, inclusive, ao novo coronavírus.

Vitamina C

A vitamina C exerce efeitos na sinalização das células imunológicas, tanto nas da imunidade inata quanto nas da adaptativa, também agindo na regulação epigenética, regulando a desmetilação do DNA. Ela suporta, ainda, a função de barreira epitelial contra patógenos e protege a pele do estresse oxidativo. A vitamina C se acumula nas células fagocíticas, aumentando a quimiotaxia, a fagocitose, a geração de espécies reativas de oxigênio, ocasionando a morte do patógeno. Ela também atua na diferenciação e proliferação de células B e T, provavelmente, devido aos seus efeitos reguladores de genes. Além disso, possui um importante efeito antioxidante. A sua deficiência resulta em uma piora do status de imunidade do indivíduo, sendo sua suplementação associada à prevenção e ao tratamento de infecções respiratórias.

Selênio

O selênio é um mineral essencial ao adequado funcionamento de diversas enzimas antioxidantes, como a glutationa peroxidase, atuando na resistência a infecções virais e desempenhando um importante papel imunomodulador (ELMADFA; MEYER, 2020). A sua deficiência está relacionada com redução da imunidade adaptativa e inata, exacerbação da inflamação e vulnerabilidade na defesa do organismo contra patógenos. Sua suplementação, segundo Gombart, Pierre e Maggini (2020), pode ser usada como terapia adjuvante segura em infecções virais.

Zinco

A deficiência de zinco é prevalente na população e está associada com maior prevalência de infecções virais. Os linfócitos T são os mais impactados pela falta de zinco, que é necessário para a maturação e no equilíbrio das diferentes subpopulações dessas células. Ele também exerce um papel fundamental na regulação de enzimas antioxidantes, além de ser essencial para a manutenção da barreira intestinal, que também tem função imunológica, atuando na expressão da 3-claudina e da ocludina, importantes proteínas associadas à imunidade (READ et al., 2019).

Oximuno é um lançamento da Naiak fonte de vitamina D3 (colecalciferol) e com altas concentrações de vitamina C, zinco bisglicinato e selênio quelato, garantindo excelente biodisponibilidade e eficácia do seu uso! São nutrientes que agem em sinergia, logo, propiciando uma ação imunomoduladora e complementando o cuidado com sua saúde de forma prática!<.p>

REFERÊNCIAS

CARR, A. C.; MAGGINI, S. Vitamin C and Immune Function. Nutrients, v.9, v.11, p.1211, 2017. Disponível em: &lt; https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/29099763/&gt; . Acesso em 15 set. de 2020. CEMBRANEL, F. et al. Relação entre consumo alimentar de vitaminas e minerais, índice de massa corporal e circunferência da cintura: um estudo de base populacional com adultos no Sul do Brasil. Cardenos de Saúde Pública, v.33, n.12, 2017. Disponível em: &lt; http://cadernos.ensp.fiocruz.br/csp/artigo/318/relacao-entre- consumo-alimentar-de-vitaminas-e-minerais-indice-de-massa-corporal-e-circunferencia-da-cintura-um-estudo- de-base-populacional-com-adultos-no-sul-do-brasil&gt;. Acesso em 15 set. de 2020. CHAROENNGAM, N.; HOLICK, M.F. Immunologic Effects of Vitamin D on Human Health and Disease. Nutrients, v.12, n.7, p.2097, 2020. Disponível em: &lt; https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32679784/&gt;. Acesso em 15 set. de 2020. ELMADFA, I; MEYER, A.L. The Role of the Status of Selected Micronutrients in Shaping the Immune Function. Endocr Metab Immune Disord Drug Targets, v.19, n.8, p.1100-115, 2019. Disponível em: &lt; https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31142256/&gt; Acesso em 15 set. de 2020. GANDIA, P. et al. A bioavailability study comparing two oral formulations containing zinc (Zn bis-glycinate vs. Zn gluconate) after a single administration to twelve healthy female volunteers. Int J Vitam Nutr Res, v. 77, n.4, p.243-248, 2007. Disponível em: &lt; https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/18271278/&gt; Acesso em 15 set. de 2020. GOMBART, M. A.F.; PIERRE, A.; MAGGINI, S. A Review of Micronutrients and the Immune System- Working in Harmony to Reduce the Risk of Infection. Nutrients, v.12, n.1, p.236, 2020. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7019735/ Acesso em 15 set. de 2020. GONCALVES-MENDES, N. et al. Impact of Vitamin D Supplementation on Influenza Vaccine Response and Immune Functions in Deficient Elderly Persons: A Randomized Placebo-Controlled Trial. Front Immunol., v.10, p.65, 2019. Disponível em: &lt;https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30800121/&gt;. Acesso em: 15 set. de 2020. MAGGINI, S.; PIERRE, A.; CALDER, P.C. Immune Function and Micronutrient Requirements Change over the Life Course. Nutrients, v.10, n.10, p.1531, 2018. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6212925/. Acesso em: 15 set. de 2020. MIYOSHI, Y.; TANABE, S.; SUZUKI, T. Cellular zinc is required for intestinal epithelial barrier maintenance via the regulation of claudin-3 and occludin expression.. Am J Physiol Gastrointest Liver Physiol, v.311, n.1, p.G105-16, 2016. Disponível em: &lt; https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/27151944/ &gt; Acesso em 15 set. de 2020. READ, S. A. et al. The Role of Zinc in Antiviral Immunity. Adv Nutrn, v.10, n.4, p.696-710, 2019. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31305906/ Acesso em 15 set. de 2020. TURECK, C. et al. Avaliação da ingestão de nutrientes antioxidantes pela população brasileira e sua relação com o estado nutricional. Rev Bras Epidemiol., v.20, n.1, p.30-42, 2017. Disponível em: &lt; https://www.scielo.br/pdf/rbepid/v20n1/1980-5497-rbepid-20-01-00030.pdf &gt; Acesso em 15 set. de 2020. VANHERWEGEN, A.; GYSEMANS, C.; MATHIEU, C. Regulation of Immune Function by Vitamin D and Its Use in Diseases of Immunity. Endocrinol Metab Clin North Am, v.46, n.4, p.1061-1094, 2017. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/29080635/.

Naiak – 10 anos promovendo a beleza da vitalidade!

Onde nasceu a Naiak

A Naiak, no dia 24 de agosto de 2020, completou 10 anos de existência. Uma empresa 100% brasileira, que nasceu na Chácara em Vargem Bonita, em Brasília, em meio às plantações de camomila, com o objetivo de apoiar e expandir a cultura de preservação e valorização da natureza por todo o Brasil. É neste mesmo local que, até hoje, grande parte dos chás e das especiarias que fazem parte da linha de produtos é cultivada.

Reinventar-se é preciso!

Em 2016, a vontade de crescer ganhou força e fez a Naiak reinventar-se: passando por um processo de mudança de logomarca e embalagens, também, inovou na produção de nutracêuticos, alimentos e suplementos alimentares, sempre, com a mesma dedicação e o compromisso com a alta qualidade, tornando-se uma referência no mercado.

 

Propósitos da marca

Com produtos de que são referência no Brasil, a Naiak tem o propósito de entregar, em cada produto que produz, saúde, beleza e vitalidade! Preza por sua origem, matéria-prima de qualidade, transparência, rastreabilidade do processo e eficácia, além de valorizar a natureza e a força do natural.

Acreditamos que saúde é sinônimo de bem-estar e de encontrar-se com a sua essência, em todas as fases da vida, bem como a beleza se traduz em cada instante de autocuidado e autoamor. Por isso, a Naiak quer fazer parte de todos esses momentos, com uma linha de produtos de qualidade e eficácia.

2020 – Mais mudanças na sua linha

A camomila faz parte da essência da empresa e por isso que essa flor, tão delicada e, ao mesmo tempo, tão grandiosa em benefícios, serviu de inspiração para os primeiros cosméticos da linha. A camomila é uma das flores mais delicadas, possui um dia certo para florir e para colher, assim, precisando de cuidados diários. E é este cuidado e carinho da natureza que a Naiak quis trazer para a sua linha de dermocosméticos, com o extrato e o óleo de camomila em sua composição.

 

Óleos naturais: riqueza da natureza para o self care!

Por que incluir uma rotina de autocuidado?
Ter um momento, na rotina, visando cuidar de si é parar para priorizar a você mesmo! Isso gera benefícios para a saúde mental, a autoestima, a autoconfiança e o bem-estar; e, atualmente, todos nós estamos precisando disso no dia a dia corrido e estressante. Além disso, a pele e o cabelo são tecidos que conectam o nosso interior com o exterior e transmitem as alterações fisiológicas ou emocionais, merecendo ser cuidados com carinho, tanto mediante uma boa alimentação e nutrição quanto por meio de uma rotina de self care com produtos de qualidade superior.

Escolha bem: prefira os dermocosméticos naturais
A escolha por dermocosméticos naturais deve ser a prioridade, pois a composição desses produtos incluem ingredientes provenientes da natureza, como extratos vegetais, óleos vegetais e pigmentos naturais. Além disso, não têm em sua composição parabenos, silicones, corantes e fragrâncias artificiais, que normalmente estão presentes nos dermoscosméticos convencionais e que, em excesso, podem prejudicar a homeostase do corpo.

Descubra a novidade Naiak para o self care

Para auxiliar na sua rotina da beleza diária, trazendo o cuidado e o carinho da natureza, a Naiak desenvolveu uma linha de dermocosméticos formulados com os melhores ativos naturais, tendo como base a camomila! Uma das novidades da marca é o Flor de Chamomile, um óleo multifuncional que reúne os óleos de camomila, de jojoba, de melaleuca, de argan e vitamina E, que agem em sinergia para cuidar da pele e do cabelo. Conheça mais os componentes deste produto inovador!

Um pouco da história dos óleos naturais

Os óleos vegetais estão entre os principais ativos naturais mais utilizados no âmbito da estética. Desde a Antiguidade, o óleo era produzido a partir de plantas, frutas e sementes ricas em gordura. Os moinhos para moer produtos, os chamados “moinhos de Jericó”, eram compostos por duas pedras, entre as quais nozes e amêndoas eram esmagadas. Os óleos não eram usados ​​apenas para preparar refeições, mas também na medicina e, principalmente, para massagem e cuidados com a pele, visto que eles formam uma barreira protetora contra agressões externas, além do alto teor de compostos bioativos presentes neles, que propiciam diversos benefícios.

Benefícios do óleo de camomila

A camomila é uma das plantas mais utilizadas nos cosméticos devido ao seu alto teor de compostos bioativos; e é uma planta que faz parte da essência da Naiak. Para fins estéticos, o uso do seu óleo proporciona efeito anti-inflamatório, ajudando a reduzir a inflamação, irritação e vermelhidão, além de prevenir o ressecamento cutâneo. Ele também desempenha ação imunomoduladora, o que pode auxiliar no tratamento de algumas doenças de pele, como a acne, já o seu efeito antioxidante contribui para o clareamento da pele. Em relação ao cabelo, ela promove hidratação, brilho, maciez, limpeza e melhora o alinhamento dos fios. (JADOON et al., 2015; ABURJAI, FEDA; 2002).

Mas, os seus benefícios vão além da estética. O seu óleo tem sido associado a tratamento coadjuvante da síndrome do túnel carpal, uma inflamação que acomete o nervo mediano do canal do carpo, gerando dor, dormência e até imobilização da mão. Conforme Hashempur et al. (2017), em um estudo controlado, randomizado e duplo-cego, a aplicação tópica do óleo de camomila, por quatro semanas, promoveu melhora da funcionalidade, dinamometria e severidade dos sintomas no grupo de intervenção.

Efeitos do óleo de argan

Com alto teor de polifenóis, ácidos graxos monoinsaturados, tocoferóis e esqualeno, o óleo de argan restaura a barreira protetora, contribuindo para melhorar a hidratação, elasticidade e maciez da pele. A presença de tocoferóis proporciona efeito antioxidante, que auxilia no combate aos radicais livres, que podem levar ao envelhecimento da pele. Seu uso no cabelo irá revitalizar os fios, melhorando a hidratação, a nutrição e fortalecendo a estrutura capilar.

Contribuições do óleo de melaleuca

A este óleo são relacionados efeitos antioxidante, anti-inflamatório, bactericida, além de auxiliar na cicatrização cutânea, fazendo com que ele seja aliado ao tratamento da acne e da dermatite seborreica.

Benefícios do óleo de jojoba

Com alta compatibilidade com a pele, seu alto teor de ésteres de cera promove efeito de reparo da barreira cutânea, dessa forma, contribuindo para o aumento da hidratação. Além disso, contribui para a melhora da cicatrização e na proteção contra o envelhecimento precoce. É um óleo indicado para todos os tipos de pele, devido ao fato de ser hipoalergênico. Ele também proporciona fortalecimento e flexibilidade aos fios capilares.

Incluir Flor de Chamomille na sua rotina de beleza é trazer o cuidado da natureza para a sua pele e cabelo! Um óleo multifuncional e 100% natural, vegano e livre de ativos químico que auxilia a promover hidratação, leveza e efeito calmante.

Conheça também a espuma de limpeza facial – Chamomile & Aloe e o Spray Iluminador de Cabelo – Chamomile Blonde

Referências

ANDRADE, K.; MEJIA, D.P.M. Ação dos antioxidantes tópicos no combate ao envelhecimento cutâneo. Monografia (Pós-graduação em Dermocosméticos e Cosmetologia Clínica Biocursos). Disponível em: <https://portalbiocursos.com.br/ohs/data/docs/201/4-AYYo_dos_antioxidantes_tYpicos_no_combate_ao_envelhecimento_cutYneo.pdf>. Acesso em 19 de ago. 2020. CHAUHAN, E.S.; JAYA, A. Chamomile an Ancient Aromatic Plant – A Review. J Ayu Med Sci., v.2, n.4, p.251-255,2017. DELSIN, S. D.; CAMPOS, P. M. B. G. M. Hair care formulations containing argan oil: development, stability and texture profile. Biomed Biopharm Res.,v.12,n.2,p.233-242,2015. FONTES, I. J. G. Antioxidantes como substâncias cosmetologicamente activas. 2013, p.1-46. Dissertação (Mestrado em Ciências Farmacêutica) – Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Lisboa, 2013. HASHEMPUR, M. H. et al. Efficacy of topical chamomile oil for mild and moderate carpal tunnel syndrome: A randomized double-blind placebo-controlled clinical trial. Complement Ther Clin Pratc., v. 26, p. 61-67, 2017. KRIST, S. Vegetable Fats and Oils. 2020. Disponível em: <https://link.springer.com/chapter/10.1007/978-3-030-30314-3_59>. Acesso em 25 ago. 2020. LIN, T-K. et al. Anti-Inflammatory and Skin Barrier Repair Effects of Topical Application of Some Plant Oils. Int J Mol Sci., v.19, n.1, p.70, 2018. PAZYAR, N. et al. A review of applications of tea tree oil in dermatology. Int J Dermatol., v.52, n.7, p.784-90, 2013. SINGH, O. et al. Chamomile (Matricaria chamomilla L.): An overview. Pharmacognosy Reviews, v.5, n. 9, p.82, 2011. STALLINGS, A.F.; LUPO, M.P. Practical Uses of Botanicals in Skin Care. The Journal of Clinical and Aesthetic Dermatology, v.2, n. 1, p. 36-40, 2009. TSAI, F-J. et al. Evaluation of the antioxidative capability of commonly used antioxidants in dermocosmetics by in vivo detection of protein carbonylation in human stratum corneum. J Photochem Photobiol B, v.112, p.7-15,2012. YANG, S. et al. Encapsulating plant ingredients for dermocosmetic application: an updated review of delivery systems and characterization techniques. International Journal of Cosmetic Science, v. 42, n. 1, p. 16-28, 2020.