Suplementação à base de magnésio: benefícios e indicações

Mineral envolvido em mais de 300 reações bioquímicas, o magnésio atua como cofator enzimático para diversos processos, sobretudo, aqueles relacionados ao metabolismo energético e à síntese de neurotransmissores, podendo estar associado ou não a outros componentes.

A deficiência de magnésio pode instalar-se mais facilmente no envelhecimento, fase na qual ocorre a perda acentuada de massa óssea, principal local de armazenamento desse mineral no organismo. Além disso, o consumo de alimentos processados em detrimento de alimentos integrais e hortaliças verde-escuras contribui para o agravamento da deficiência. Indivíduos hipertensos, por sua vez, apresentam risco elevado de mortalidade por doença cardiovascular. Nesse sentido, a literatura sugere que a suplementação com magnésio ajude a diminuir a pressão arterial, agindo como antagonista do cálcio muscular e estimulando o efeito vasorrelaxante.

Gröber et al. (2015) enfatizaram a importância do micronutriente, que atua como cofator enzimático, na síntese de DNA e RNA, na regulação do tônus muscular, na excitabilidade cardíaca e na prevenção de doenças neurodegenerativas, como Alzheimer, por exemplo. Em metanálise de Kass et al. (2012), a influência da suplementação com magnésio na pressão arterial apontou que os efeitos cresceram à medida que a dose de suplementação aumentou. Em estudo de Andrade et al. (2018), os autores indicam que a deficiência de magnésio impactou negativamente na função cognitiva, na diminuição da atenção, no retardo mental e em problemas de fala. Quando associado à taurina, um aminoácido abundante no sistema nervoso, o magnésio taurato contribui tanto para a função cardiovascular quanto para proteção e formação neuronal.

Quando complexado à molécula de ácido málico, o magnésio dimalato é capaz de auxiliar na síntese de proteínas e estimular o transporte energético pelo corpo. Além disso, auxilia na saúde cardiovascular, na redução dos sintomas na fibromialgia e para o equilíbrio da absorção de potássio. A Naiak possui, em sua linha de produtos, os benefícios do magnésio complexado. Tauromind é o suplemento formado pelas moléculas de magnésio e taurina, o que resulta em um componente com ação neuroprotetora complementar ao sistema cognitivo e ao sistema cardiovascular. Já o Magnésio Dimalato é composto por magnésio e ácido málico, resultando em um suplemento mineral fundamental para a síntese de proteínas e para o transporte energético pelo corpo.

REFERÊNCIAS

ANDRADE, E.A.F. et al. L-Triptofano, ômega 3, magnésio e vitaminas do complexo B na diminuição dos sintomas de ansiedade. Id on Line Revista de Psicologia, v. 12, n. 40, 2018.

ABBASI, B. et al. The effect of magnesium supplementation on primary insomnia in elderly: a double-blind placebo-controlled clinical trial. Journal of research in medical sciences: the official journal of Isfahan University of Medical Sciences, v. 17, n. 12, p. 1161, 2012.

GRÖBER, U. et al. Magnesium in prevention and therapy. Nutrients, v. 7, n. 9, p. 8199-226, set. 2015.

i9 Magistral. TauroMag® – magnésio taurato. Disponível em:

<https://www.i9magistralshop.com.br/index.php?route=product/product/download&pdf=52&document_id=1455>. Acesso em: 28 jun 2019.

KASS, L. et al. Effect of magnesium supplementation on blood pressure: a meta-analysis. European Journal of Clinical Nutrition, v. 66, p. 411-8, 2012.

Magnésio, ácido málico e magnésio dimalato: quais os benefícios à saúde?

Mineral com funções importantes e cujo controle homeostático deve manter-se finamente regulado, o magnésio está presente em quantidades diferentes nos alimentos, sobretudo, em vegetais escuros folhosos, oleaginosas, cereais integrais, frutas e legumes.

Apresenta efeito antiarrítmico, contribui para a manutenção do tônus vascular e da contratilidade, no metabolismo da glicose e na liberação insulínica. Quando em teor reduzido, pode favorecer o estresse oxidativo e o estado pró-inflamatório, promover a disfunção endotelial, potencializar a agregação plaquetária, a hiperglicemia e a resistência à insulina.

No organismo, em torno de 60% a 65% do magnésio encontram-se nos ossos; 26%, nos músculos; e o restante nos tecidos moles. Seu equilíbrio é mantido pelo intestino, pelos ossos e pelos rins, e, no envelhecimento, a quantidade tende a cair gradualmente. Em relação à saúde óssea, é importante para a formação e a manutenção dos ossos e age como antagonista natural do cálcio, isto é, por estar metabolicamente ligado a este, pode atuar tanto em sinergismo quanto em antagonismo.

O magnésio age no metabolismo de carboidratos e proteínas, além de outros componentes como fósforo, zinco, cobre, ferro, chumbo, cádmio, acetilcolina e óxido nítrico, e na ativação da vitamina B1 (tiamina). Especificamente no sistema muscular, participa da transmissão neuroquímica e da excitabilidade do músculo, controlando a atividade elétrica do coração, a contração muscular e a função das células nervosas.

O ácido málico, por sua vez, é um composto orgânico encontrado em frutas como marmelo, uva, maçã e cerejas não maduras, e em verduras como ruibarbo. Parte essencial do ciclo de Krebs tem a função de participar da obtenção do ATP – molécula responsável pela composição e pelo uso de energia no organismo. A literatura tem apontado que a deficiência de ácido málico nos tecidos pode levar à fibromialgia, doença que se caracteriza por fortes dores musculares espalhadas pelo organismo.

A junção entre o magnésio e o ácido málico dá origem ao magnésio dimalato, que possui, em sua composição, duas moléculas de ácido málico ligadas a uma molécula de magnésio. O magnésio dimalato apresenta absorção prolongada e não reage com o suco gástrico. Alguns estudos apontam que a ingestão do magnésio associado ao ácido málico contribui para reduzir dores associadas à fibromialgia, além disso, pesquisas observaram que o ácido málico presente na composição reverta a inibição da glicólise e a produção de energia afetada pela hipóxia, assim, aumentando a geração de energia e minimizando as dores características da fibromialgia. A literatura sugere, ainda, que o ácido málico melhora a força muscular e promove restauração da energia do organismo.

Evidências apontam que o magnésio dimalato pode atenuar dores e espasmos musculares, melhorar a fraqueza muscular e atuar como coadjuvante no tratamento da fibromialgia, quando indicado por profissional especializado. CLIQUE AQUI e saiba mais sobre o Magnésio Dimalato da Naiak!


REFERÊNCIAS

CUNHA, A.R. et al. Efeitos do magnésio sobre a estrutura e função vascular. Revista Hospital Universitário Pedro Ernesto, v. 10, n. 3, jul. 2011.

IBEROQUÍMICA MAGISTRAL. Magnésio Dimalato – Combinação de magnésio com ácido málico. Disponível em: https://www.iberoquimica.com.br/Arquivos/Insumo/LAMINA-164613.pdf. Acessado em 11 out 2018.

MARIONI, A.U. Eficacia del ácido málico 1% en pacientes con xerostomía inducida por fármacos antidepresivos. 2014. 81fls. Tese (Doutorado em Medicina e Saúde Pública) – Universidade de Granada – Granada, Espanha. 2014.

PREMAOR, M.O. et al. Nutrição e saúde óssea: a importância do cálcio, fósforo, magnésio e proteínas. Revista da AMRIGS, v. 60, n. 3, p. 253-63, jul. 2016.