Magnésio, ácido málico e magnésio dimalato: quais os benefícios à saúde?

Mineral com funções importantes e cujo controle homeostático deve manter-se finamente regulado, o magnésio está presente em quantidades diferentes nos alimentos, sobretudo, em vegetais escuros folhosos, oleaginosas, cereais integrais, frutas e legumes.

Apresenta efeito antiarrítmico, contribui para a manutenção do tônus vascular e da contratilidade, no metabolismo da glicose e na liberação insulínica. Quando em teor reduzido, pode favorecer o estresse oxidativo e o estado pró-inflamatório, promover a disfunção endotelial, potencializar a agregação plaquetária, a hiperglicemia e a resistência à insulina.

No organismo, em torno de 60% a 65% do magnésio encontram-se nos ossos; 26%, nos músculos; e o restante nos tecidos moles. Seu equilíbrio é mantido pelo intestino, pelos ossos e pelos rins, e, no envelhecimento, a quantidade tende a cair gradualmente. Em relação à saúde óssea, é importante para a formação e a manutenção dos ossos e age como antagonista natural do cálcio, isto é, por estar metabolicamente ligado a este, pode atuar tanto em sinergismo quanto em antagonismo.

O magnésio age no metabolismo de carboidratos e proteínas, além de outros componentes como fósforo, zinco, cobre, ferro, chumbo, cádmio, acetilcolina e óxido nítrico, e na ativação da vitamina B1 (tiamina). Especificamente no sistema muscular, participa da transmissão neuroquímica e da excitabilidade do músculo, controlando a atividade elétrica do coração, a contração muscular e a função das células nervosas.

O ácido málico, por sua vez, é um composto orgânico encontrado em frutas como marmelo, uva, maçã e cerejas não maduras, e em verduras como ruibarbo. Parte essencial do ciclo de Krebs tem a função de participar da obtenção do ATP – molécula responsável pela composição e pelo uso de energia no organismo. A literatura tem apontado que a deficiência de ácido málico nos tecidos pode levar à fibromialgia, doença que se caracteriza por fortes dores musculares espalhadas pelo organismo.

A junção entre o magnésio e o ácido málico dá origem ao magnésio dimalato, que possui, em sua composição, duas moléculas de ácido málico ligadas a uma molécula de magnésio. O magnésio dimalato apresenta absorção prolongada e não reage com o suco gástrico. Alguns estudos apontam que a ingestão do magnésio associado ao ácido málico contribui para reduzir dores associadas à fibromialgia, além disso, pesquisas observaram que o ácido málico presente na composição reverta a inibição da glicólise e a produção de energia afetada pela hipóxia, assim, aumentando a geração de energia e minimizando as dores características da fibromialgia. A literatura sugere, ainda, que o ácido málico melhora a força muscular e promove restauração da energia do organismo.

Evidências apontam que o magnésio dimalato pode atenuar dores e espasmos musculares, melhorar a fraqueza muscular e atuar como coadjuvante no tratamento da fibromialgia, quando indicado por profissional especializado. CLIQUE AQUI e saiba mais sobre o Magnésio Dimalato da Naiak!


REFERÊNCIAS

CUNHA, A.R. et al. Efeitos do magnésio sobre a estrutura e função vascular. Revista Hospital Universitário Pedro Ernesto, v. 10, n. 3, jul. 2011.

IBEROQUÍMICA MAGISTRAL. Magnésio Dimalato – Combinação de magnésio com ácido málico. Disponível em: https://www.iberoquimica.com.br/Arquivos/Insumo/LAMINA-164613.pdf. Acessado em 11 out 2018.

MARIONI, A.U. Eficacia del ácido málico 1% en pacientes con xerostomía inducida por fármacos antidepresivos. 2014. 81fls. Tese (Doutorado em Medicina e Saúde Pública) – Universidade de Granada – Granada, Espanha. 2014.

PREMAOR, M.O. et al. Nutrição e saúde óssea: a importância do cálcio, fósforo, magnésio e proteínas. Revista da AMRIGS, v. 60, n. 3, p. 253-63, jul. 2016.

Os benefícios da vitamina D e do ômega-3 para a saúde masculina

A saúde masculina, frequentemente, é negligenciada, o que contribui para que os homens se cuidem menos em comparação com as mulheres. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2015), homens brasileiros chegam a viver sete anos a menos que as mulheres, além de apresentarem maior incidência de doenças, sobretudo cardiovasculares.

Entre os principais fatores que colaboram para uma maior morbimortalidade masculina estão a dificuldade em reconhecer as próprias necessidades de cuidado, a existência de políticas públicas voltadas apenas aos grupos mais vulneráveis, como idosos e crianças, além da falsa percepção de infalibilidade vinculada ao adoecimento. Assim, cuidar da saúde desse grupo torna-se um desafio para os profissionais da área e também para a sociedade.

No que diz respeito à alimentação, a literatura tem ressaltado que nutrientes como a vitamina D e o ômega-3 podem auxiliar na prevenção de doenças recorrentes em homens, como obesidade e problemas do coração. Atualmente, sabe-se que o acúmulo de gorduras, sobretudo na região abdominal, está diretamente associado ao risco de infarto. No estudo Health Professionals Follow-up Study (HPFS), os autores avaliaram a relação entre concentrações séricas de calcifediol (25(OH)D) e o risco de doença coronariana em homens entre 40 e 75 anos. De acordo com os resultados, indivíduos que apresentaram deficiência de vitamina D (≤ 15ng/mL ou 37nmol/L) reportaram maior risco de desenvolver doenças cardíacas em comparação àqueles com níveis suficientes (≥ 30ng/mL ou 75nmol/L).

No que diz respeito ao ômega-3, estudos têm demonstrado que esse ácido graxo exerce efeito benéfico na redução da inflamação ocasionada por citocinas pró-inflamatórias, como a interleucina-6 (IL-6) e o fator de necrose tumoral alfa (TNF-α), que contribuem para a ocorrência de doenças coronárias e o aumento da adiposidade. Levitan et al. (2009) avaliaram os efeitos da suplementação com ômega-3 sob o risco de insuficiência cardíaca, em homens de meia-idade e mais velhos, ainda, observaram que o consumo moderado desse ácido graxo propiciou um benefício cardiovascular a esses indivíduos.

Portanto, a suplementação de vitamina D e ômega-3, quando prescritos por profissional especializado, pode atuar de forma sinergística, prevenindo episódios de doenças crônicas em homens e evitando a mortalidade nesse grupo. CLIQUE AQUI e conheça a Vitamina D em gotas da Naiak, além de todos os benefícios do Naiak Ômega 3 em cápsulas ACESSANDO AQUI!

 

REFERÊNCIAS

BRASIL. Ministério da Saúde. Blog da Saúde: Homens devem cuidar da saúde para evitar doenças graves. 2015. Disponível em: http://www.blog.saude.gov.br/570-perguntas-e-respostas/34369-homens-devem-cuidar-da-saude-para-evitar-doencas-graves. Acesso em: 13 jun. 2018.

GIOVANNUCCI, E. L. et al. 25-hydroxyvitamin D and risk of myocardial infarction in men: a prospective study. Arch Intern Med., v. 168, n. 11, p. 1174-80, jun. 2008.

KIECOLT-GLASER, J. K. et al. Omega-3 supplementation lowers inflammation in healthy middle-aged and older adults: a randomized controlled trial. Brain, behavior and immunity, v. 26, n. 6, p. 988-995, ago. 2012.

LEVITAN, E. B. et al. Fish consumption, marine omega-3 fatty acids, and incidence of heart failure: a population-based prospective study of middle-aged and elderly men. European Heart Journal, v. 30, n. 12, p. 1495-1500, abr. 2009.

MOURA, E. C. et al. Perfil da situação de saúde do homem no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2012.

SILVA, P. A. S. et al. A saúde do homem na visão dos enfermeiros de uma unidade básica de saúde. Esc Anna Nery Rev Enferm., v. 16, n. 3, p.561-8, jun. 2012.

VIDIGAL, F. C. et al. Índice de massa corporal e circunferência abdominal: associação com fatores de risco cardiovascular. Arq Bras Cardiol., v. 87, n. 6, p. 728-734, jan. 2006.