Guaraná: energético natural e 100% brasileiro!

O guaraná, fruto do guaranazeiro (Paullinia cupana), tem origem amazônica e é cultivado em grande maioria no Brasil. Também conhecido como guaraná-da-amazônia, guaranaína, guaraná, uaraná ou narana, apresenta ação antioxidante, propriedades medicinais, estimulantes, afrodisíacas e cicatrizantes.

Amplamente consumido na forma de bebidas energéticas, também pode ser comercializado em formulações em pó, cápsulas e comprimidos a fim de fornecer energia, mais resistência e disposição ao organismo. O guaraná em pó advém da trituração das sementes após sua secagem, o que conserva boa quantidade de propriedades antioxidantes quando consumido regularmente.

A parte mais utilizada do guaraná são as sementes secas em razão de seu elevado teor de cafeína. Esta é caracterizada como o ingrediente ativo do guaraná, a cafeína tem ação estimulante extensivamente explorada e comprovada pela ciência. No entanto outros compostos bioativos como teobromina, teofilina, taninos, saponinas, entre outros, também exercem função importante. Atuando como importantes antioxidantes ao proteger o organismo contra o estresse oxidativo.

As propriedades funcionais do guaraná incluem um elevado teor de compostos fenólicos de reconhecida capacidade antioxidante, além do elevado conteúdo de cafeína presente nas sementes, em torno de 3 a 6% do peso do fruto. A literatura aponta que, dependendo da procedência do guaraná em pó, este pode conter até quatro vezes mais cafeína em comparação ao pó de café. O guaraná em pó é utilizado pela indústria farmacêutica para a elaboração de cápsulas com a finalidade estimulante, analgésica, antipirética, antifermentativa, diurética, antioxidante e como tônico vascular. Na medicina, o fruto é empregado como estimulante do sistema nervoso e cardiovascular, tratando o estresse físico e mental, bem como melhora a disposição e a redução da fadiga.

Outras propriedades podem ser atribuídas ao uso do guaraná, como seu benefício no tratamento de enxaquecas, sua ação anticancerígena, antimicrobiana, antiproliferativa, antidepressiva e na redução de distúrbios metabólicos. Estudos apontam, ainda, que o consumo do guaraná também é capaz de reduzir a agregação plaquetária in vitro e in vivo, além de proteger contra a ocorrência de lesões gástricas. Na área esportiva, com o intuito de potencializar o desempenho dos atletas, utiliza-se a cafeína como importante recurso ergogênico.

Em estudo cego de Silveira et al. (2018), foram avaliados o estado nutricional e os efeitos da suplementação de guaraná (Paullinia cupana) em cápsula sobre o desempenho físico de atletas adolescentes de jiu-jítsu. Os indivíduos ingeriram 5,5mg de cafeína/kg de peso corporal, dose média considerada eficiente pela literatura, 60 minutos antes do treino. Em comparação ao grupo placebo, os atletas que consumiram a cafeína demostraram maior tolerância ao exercício e melhor rendimento, além da diminuição da sensação de fadiga. Além de possuir um custo reduzido em comparação aos demais suplementos, o guaraná pode contribuir para melhorar o foco e a concentração, bem como o rendimento em esportes de força, agilidade e precisão.

Com múltiplos benefícios à saúde, o guaraná auxilia no combate à indisposição e pode ser um bom aliado no aumento do rendimento de esportistas e atletas, quando recomendado por profissional especializado. CLIQUE AQUI e saiba mais sobre o Guaraná em Pó e o Guaraná em Cápsulas da Naiak! 

 

REFERÊNCIAS

CAMPOS, A.F. Efeitos do guaraná (Paullinia cupana) na saúde cardiovascular: uma revisão sistemática. 2018. 98 fls. Dissertação (Pós-Graduação em Nutrição em Saúde Pública) – Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

SILVA, W.G. et al. Guaraná-Paullinia cupana, (HBK): Estudo da oxidação das formas em pó e em bastões defumados. Revista de Ciências Agroveterinárias, v. 14, n. 2, p. 117-23. 2015.

SILVEIRA, J.Q. et al. Efeito ergogênico da suplementação aguda de pó de guaraná em lutadores de jiu-jitsu. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, v. 12, n. 70, p. 246-54. 2018.

O eficiente efeito antioxidante do óleo de pequi na saúde do atleta e esportista

Diversas pesquisas têm relatado o crescente aumento de pessoas que buscam ter mais qualidade de vida. Um dos fatores relacionados é a prática de exercício físico, e, nesse sentido, segundo a pesquisa Vigitel 2013 (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônica), o percentual de pessoas que praticam atividades físicas durante o tempo livre passou de 30,3% para 33,8% em cinco anos.

 O treinamento físico induz adaptações benéficas ao organismo, mas exercícios extenuantes ou com frequência de treinamento muito elevada aumentam a geração de espécies reativas de oxigênio (ERO), assim, resultando em danos oxidativos no DNA e nos tecidos. Dessa forma, o consumo diário de antioxidantes é de extrema relevância para atletas e esportistas porque essas substâncias atuam contra os danos oxidativos causados por ERO, que, quando aumentados, estão relacionados à indução de câncer, aterosclerose e outras doenças degenerativas.

Evidências científicas apontam a eficácia do óleo de pequi como complemento na alimentação de atletas por sua alta densidade nutritiva. O pequi – Caryocar brasiliense Camb – é um fruto oleaginoso típico do cerrado brasileiro que apresenta alto valor nutricional por ser rico em compostos que desempenham um importante papel na saúde, como antioxidantes, ácidos graxos, vitaminas e minerais. Dentre esses, destacam-se o elevado teor de lipídios, compostos fenólicos e carotenoides totais.

O óleo de pequi é um produto natural obtido a partir da polpa do pequi, por um processo de extração a frio seguido de ultrafiltração, que permite manter suas propriedades nutricionais. Seus carotenoides antioxidantes atuam em equilíbrio e podem auxiliar na prevenção de lesões oxidativas em atletas que sobrecarregam a capacidade dos sistemas antioxidantes endógenos devido à frequência de treinamento elevada e exercício intenso praticado.

Um estudo avaliou os efeitos antioxidantes do óleo de pequi contra os danos oxidativos induzidos pelo exercício em 76 homens e 49 mulheres atletas corredores de rua voluntários. Foi realizada coleta de sangue, antes e após a corrida, ao ar livre, em terreno plano, e, nesse período, foi oferecido 400mg de óleo de pequi em cápsulas por 14 dias. Ainda, foram investigados os polimorfismos dos genes Mn – SOD – (Val9Ala), CAT (21A-T), GPX1 (Pro198Leu) e Hp para garantir a não interferência no resultado. Dos resultados do estudo, foi demonstrada a redução significativa da anisocitose, o que revela o eficiente efeito protetor do óleo de pequi em reduzir a inflamação provocada pelo exercício agudo.

Assim, concluiu-se, por meio de evidências, que o consumo do óleo de pequi é uma alternativa eficiente para manutenção da homeostase do corpo contra os desequilíbrios fisiológicos causados pelo intenso esforço físico.

 

REFERÊNCIAS

 CARDOSO, L. M. et al. Características químicas e compostos bioativos de pequi frutas cozidas ( Caryocar brasiliense Camb.) Da Savana Brasileira. Frutas. v. 68, n. 1, p. 3-14, 2013.

LIMA, A. et al. Composição química e compostos bioativos presentes na polpa e na amêndoa do pequi (Caryocar brasiliense, Camb.). Rev. Bras. Frutic., Jaboticabal, v. 29, n. 3, p. 695-698, 2007.

GRISOLIA, C. Propriedades antioxidantes, anti-inflamatórias e fitoterápicas do óleo e do extrato da polpa do pequi (Caryocar brasiliense). Revista Brasileira de Nutrição Funcional, Ano 17. Edição 69.

VILELA. A. L. M. Avaliação dos efeitos antigenotóxicos, antioxidantes e farmacológicos de extratos da polpa do fruto do pequi (Caryocar brasiliense CAMB). 2009. Dissertação (Pós-graduação em Biologia) – Instituto de Ciências Biológicas da Universidade de Brasília, Brasília.

STULTS-KOLHMAINEN, M.; SINHA, R. The effects of stress on physical activity and exercise. Sports Med., v. 44, n. 1, p. 81-121, Jan. 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Vigilância de Fatores de Risco E Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico – VIGITEL. Disponível em: <https://biavati.files.wordpress.com/2014/05/vigitel-2013.pdf>. Acesso em: 19 fev. 2018.