Suplementação à base de magnésio: benefícios e indicações

Mineral envolvido em mais de 300 reações bioquímicas, o magnésio atua como cofator enzimático para diversos processos, sobretudo, aqueles relacionados ao metabolismo energético e à síntese de neurotransmissores, podendo estar associado ou não a outros componentes.

A deficiência de magnésio pode instalar-se mais facilmente no envelhecimento, fase na qual ocorre a perda acentuada de massa óssea, principal local de armazenamento desse mineral no organismo. Além disso, o consumo de alimentos processados em detrimento de alimentos integrais e hortaliças verde-escuras contribui para o agravamento da deficiência. Indivíduos hipertensos, por sua vez, apresentam risco elevado de mortalidade por doença cardiovascular. Nesse sentido, a literatura sugere que a suplementação com magnésio ajude a diminuir a pressão arterial, agindo como antagonista do cálcio muscular e estimulando o efeito vasorrelaxante.

Gröber et al. (2015) enfatizaram a importância do micronutriente, que atua como cofator enzimático, na síntese de DNA e RNA, na regulação do tônus muscular, na excitabilidade cardíaca e na prevenção de doenças neurodegenerativas, como Alzheimer, por exemplo. Em metanálise de Kass et al. (2012), a influência da suplementação com magnésio na pressão arterial apontou que os efeitos cresceram à medida que a dose de suplementação aumentou. Em estudo de Andrade et al. (2018), os autores indicam que a deficiência de magnésio impactou negativamente na função cognitiva, na diminuição da atenção, no retardo mental e em problemas de fala. Quando associado à taurina, um aminoácido abundante no sistema nervoso, o magnésio taurato contribui tanto para a função cardiovascular quanto para proteção e formação neuronal.

Quando complexado à molécula de ácido málico, o magnésio dimalato é capaz de auxiliar na síntese de proteínas e estimular o transporte energético pelo corpo. Além disso, auxilia na saúde cardiovascular, na redução dos sintomas na fibromialgia e para o equilíbrio da absorção de potássio. A Naiak possui, em sua linha de produtos, os benefícios do magnésio complexado. Tauromind é o suplemento formado pelas moléculas de magnésio e taurina, o que resulta em um componente com ação neuroprotetora complementar ao sistema cognitivo e ao sistema cardiovascular. Já o Magnésio Dimalato é composto por magnésio e ácido málico, resultando em um suplemento mineral fundamental para a síntese de proteínas e para o transporte energético pelo corpo.

REFERÊNCIAS

ANDRADE, E.A.F. et al. L-Triptofano, ômega 3, magnésio e vitaminas do complexo B na diminuição dos sintomas de ansiedade. Id on Line Revista de Psicologia, v. 12, n. 40, 2018.

ABBASI, B. et al. The effect of magnesium supplementation on primary insomnia in elderly: a double-blind placebo-controlled clinical trial. Journal of research in medical sciences: the official journal of Isfahan University of Medical Sciences, v. 17, n. 12, p. 1161, 2012.

GRÖBER, U. et al. Magnesium in prevention and therapy. Nutrients, v. 7, n. 9, p. 8199-226, set. 2015.

i9 Magistral. TauroMag® – magnésio taurato. Disponível em:

<https://www.i9magistralshop.com.br/index.php?route=product/product/download&pdf=52&document_id=1455>. Acesso em: 28 jun 2019.

KASS, L. et al. Effect of magnesium supplementation on blood pressure: a meta-analysis. European Journal of Clinical Nutrition, v. 66, p. 411-8, 2012.

Magnésio taurato: potenciais benefícios cardiovasculares e anti-hipertensivos

Os papéis da taurina e do magnésio na suplementação nutricional são apontados em estudos observacionais devido à ação anti-hipertensiva e efeitos na saúde cardiovascular.

O magnésio é um mineral que possui diversas funções bioquímicas, sendo as principais relacionadas à proteção neural e cardiovascular. A taurina, por sua vez, é um aminoácido que atua no processo de remodelação cardíaca, promovendo a excreção celular de sódio e água, regulando a entrada de cálcio no órgão, protegendo o coração contra a ação dos radicais livres e atuando também como anti-hipertensivo. No sistema musculoesquelético, é capaz de evitar lesões musculares, além de auxiliar no tônus muscular. Quando utilizada na nutrição esportiva, a taurina pode maximizar a recuperação no pós-treino e minimizar o risco de inflamação e lesões musculares.

Mais especificamente, o magnésio taurato é um suplemento resultado da complexação do magnésio à taurina. Juntos, potencializam seus efeitos à medida que são capazes de modular o perfil lipídico, exercer efeito anti-hipertensivo e diminuir o risco de aterosclerose. Em estudo de Katakawa et al. (2016), os autores avaliaram os efeitos da suplementação com magnésio taurato na função de células endoteliais progenitoras (que ajudam a restaurar o tecido endotelial dos vasos) e na modulação do estresse oxidativo em humanos saudáveis e ratos hipertensos. Durante duas semanas, os indivíduos receberam 3g de taurina/dia ou 340mg de magnésio/dia; os animais receberam, por quatro semanas, solução contendo 3% de taurina e/ou dieta rica em magnésio (600mg/100g). Os resultados mostraram que a suplementação com magnésio e taurina aumentaram, significativamente, as colônias de células progenitoras, além de ter reduzido a concentração de radicais livres nos animais avaliados.

Outro estudo mais recente, com animais, aponta para o papel cardioprotetor e anti-hipertensivo do magnésio taurato em ratos albinos intoxicados por cloreto de cádmio (contaminante ambiental capaz de intoxicar seres humanos a partir de fontes industriais, de alimentos e da fumaça de cigarro). Ao longo de duas semanas, o magnésio taurato foi administrado (2mg e 4mg/kg/dia) aos animais; e os resultados apontaram para o restabelecimento da pressão arterial, de antioxidantes presentes no miocárdio e no nível de malonaldeído a níveis significativos em comparação ao grupo controle.

Em vista das evidências apontadas pelos estudos, o magnésio taurato é um potencial suplemento com ação anti-hipertensiva a ser explorado em razão da sua atividade antioxidante. Tauromind é o suplemento formado pela complexação de moléculas de magnésio e taurina, formando um componente com benefícios para a saúde cardiovascular e para a regulação da hipertensão arterial.

REFERÊNCIAS

HOUSTON, M. The role of magnesium in hypertension and cardiovascular disease. The Journal of Clinical Hypertension, v. 13, n. 11, p. 843-47, 2011. GALAN, B.S.M. Efeitos da suplementação de taurina e achocolatado sobre os marcadores de lesão muscular, resposta inflamatória e desempenho físico em triatletas. 2016. 74 fls. Dissertação (Pós-Graduação em Alimentos e Nutrição) – Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho.”, Arraquara, 2016.  KATAKAWA, M. et al. Taurine and magnesium supplementation enhances the function of endothelial progenitor cells through antioxidation in healthy men and spontaneously hypertensive rats. Hypertension Research, v. 39, n. 12, p. 848-56, dez. 2016. SHRIVASTAVA, P. et al. Magnesium taurate attenuates progression of hypertension and cardiotoxicity against cadmium chloride-induced hypertensive albino rats. Journal of Traditional and Complementary Medicine, v. 9, n. 2, p. 119-23, abr. 2019.

Vitamina K2: corações e ossos protegidos?

A vitamina K faz parte de uma família de compostos lipossolúveis que engloba três diferentes formas de vitamina K: K1-filoquinona, K2-menaquinonas e K3-menadiona.

A principal fonte de vitamina K na dieta provém de vegetais folhosos verde-escuros, de óleos vegetais, frutas e grãos e está presente no formato de vitamina K1. A menaquinona ou vitamina K2, por sua vez, é encontrada em alimentos de origem animal e que contêm gorduras, como carnes, ovos e queijos, bem como na soja fermentada, além de ser produzida a partir da atividade da microbiota intestinal de humanos e animais.

De acordo com a literatura, alguns fatores atrapalham a absorção da vitamina K no jejuno e no íleo, tais como lesões intestinais, ingestão alimentar insuficiente, deficiência de vitamina D, doença renal crônica, envelhecimento, consumo de antibióticos, entre outros. Ainda nesse contexto, de acordo com o Estudo Brasileiro de Osteoporose, em torno de 81% dos brasileiros apresentam ingestão de vitamina K inferior aos valores recomendados de AI (ingestão adequada), 90ug/dia para mulheres e 120ug/dia para homens (Dietary reference intakes for vitamin K, IOM, 2001).

A deficiência de vitamina K pode favorecer o desenvolvimento de problemas associados à mineralização da cartilagem, aumento de fraturas ósseas, problemas de coagulação e doenças cardiovasculares. Estudos têm apontado, especificamente, para a ação da menaquinona na prevenção da calcificação arterial e na mortalidade por doença arterial coronariana. Em estudo duplo-cego, placebo-controle (KNAPEN et al., 2015), os autores avaliaram se a suplementação com menaquinona-7 (MK-7) teria o potencial de reduzir a rigidez arterial e alterar propriedades elásticas da artéria carótida de mulheres (n=244) pós-menopausadas e saudáveis. Após 3 anos de suplementação com vitamina K2 (180 µg/dia) ou placebo, foi observado que parâmetros de rigidez arterial foram impactados positivamente no grupo suplementado com MK-7; além disso, mulheres que apresentavam endurecimento local da artéria carótida revelaram bons resultados quanto à elasticidade dessa estrutura.

Desfechos positivos também foram associados à suplementação de K2 como agente protetor ósseo e antiosteoporótico, sobretudo, em mulheres pós-menopausadas. De acordo com Yamaguchi e Weitzmann (2011), a vitamina K2 possui a capacidade pró-anabólica, uma vez que promove a formação óssea, ao mesmo tempo em que atua como anticatabólica, pois suprime a reabsorção dos ossos; tal habilidade ocorre graças à ação antagonista de K2 na ativação de NF-kB.

A fim de promover a saúde cardiovascular e osteoarticular, a Vitamina K2 da Naiak oferece 100% dos valores diários de menaquinona, micronutriente que atua no metabolismo ósseo e como agente da coagulação. Como parte dos cuidados com ossos e articulações, a Vitamina D 2000 em cápsulas estimula a absorção de minerais como cálcio e fósforo, além de modular a via da glicose e fortalecer o sistema imune.

REFERÊNCIAS

KNAPEN, M.H.J. et al. Menaquinone-7 supplementation improves arterial stiffness in healthy postmenopausal women. Thrombosis and Haemostasis, v. 113, n. 05, p. 1135-44, 2015.

IOM – Institute of Medicine. Dietary reference intakes for vitamin K. Food and nutrition board. Nat Acad Press, 162-96, 2001.

PINHEIRO, M.M. et al. Nutrient intakes related to osteoporotic fractures in men and women – the Brazilian osteoporosis study (BRAZOS). Nutrition journal, v. 8, n. 1, 2009.

SANTOS, E.A. Relação entre ingestão de vitamina K, gordura corporal, perfil lipídico e homeostase da glicose em adultos e idosos. 2018. 15 fls. Dissertação (Pós-Graduação em Nutrição em Saúde Pública) – Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

YAMAGUCHI, M.; WEITZMANN, M.N. Vitamin K2 stimulates osteoblastogenesis and suppresses osteoclastogenesis by suppressing NF-κB activation. International Journal of Molecular Medicine, v. 27, n. 1, p. 3-14, jan. 2011.

Azeite de pequi: saúde que reflete no sabor e no organismo!

O pequi (Caryocar brasiliense, Camb.) é cultivado em todo o território que abrange o Cerrado brasileiro e também no Nordeste do país. De grande valor econômico e cultural, o pequi, consumido regularmente, contribui para a prevenção de doenças degenerativas em razão de seu elevado teor de antioxidantes, vitaminas C e E, carotenoides e polifenóis.

O consumo de pequi em preparações culinárias, bem como na forma de dermocosméticos e nutracêuticos, pode promover benefícios à saúde enfatizados pela ciência. Estudos apontam que o extrato etanólico do fruto possui conteúdo fenólico e atividade antioxidante que ocorrem através de moléculas bioativas. O óleo de pequi, por sua vez, tem sido associado à redução dos processos inflamatórios de doenças crônicas e autoimunes, como, por exemplo, o lúpus.

pequi

Vilela et al. (2009) avaliaram as propriedades anti-inflamatórias do óleo de pequi e de seus efeitos na lipemia pós-prandial e na pressão arterial de atletas masculinos e femininos. Os atletas foram avaliados antes e após uma corrida – realizada sob o mesmo ambiente e sob as mesmas condições de treino ‒, após ingerirem 400mg de cápsulas de óleo de pequi, ao longo de 14 dias. O consumo do óleo de pequi contribuiu para prevenir, não só a inflamação, mas, também, para reduzir o colesterol ruim (LDL), sobretudo, em atletas masculinos e com mais de 45 anos.

Alimentos elaborados a partir de subprodutos do fruto, como o azeite de pequi, também, têm chamado atenção em razão de seus benefícios à saúde. O azeite de pequi possui coloração vermelho-alaranjada devido à elevada quantidade de carotenoides, sobretudo, betacaroteno com ação pró-vitamina A. Muito tem-se explorado a respeito dos benefícios dos carotenoides na prevenção de doenças como câncer e do aparelho circulatório, uma vez que eles podem inibir a oxidação das moléculas de LDL colesterol, evitando sua deposição na parede de vasos e artérias. Quanto aos ácidos graxos, Facioli e Gonçalves (1998) demonstraram que o azeite de pequi se constitui, principalmente, pelos ácidos oleico (ômega-9) e palmítico (ácido graxo saturado), além de pequenas quantidades de ácido esteárico, linoleico, entre outros.

Extraído de forma artesanal, o azeite de pequi pode ser empregado em receitas culinárias, aumentando a densidade nutricional e incorporando mais sabor e aroma nas preparações. Em dissertação de Rodrigues (2011), a autora avaliou os efeitos da substituição do óleo de soja pelo azeite de pequi na formulação da maionese, produto largamente consumido no mundo todo. Os resultados revelaram que a maionese à base de azeite de pequi, de maneira geral, apresentou características compatíveis em relação àquelas presentes na receita à base de óleo de soja. Dessa forma, o uso do azeite de pequi na preparação contribuiu para melhorar a qualidade da receita e pode, ainda, estimular o consumo de betacaroteno na população. A autora ressalta também que, devido à composição de ácidos graxos relativamente simples do azeite de pequi, este pode ser um potencial ingrediente para substituir outros ácidos graxos de chocolates e frituras.

Em vista da qualidade nutricional e sensorial, o azeite de pequi pode melhorar o teor nutricional da dieta, estimular a produção sustentável do pequi no Cerrado brasileiro e conferir às preparações culinárias sabores e aromas diferenciados. O Azeite de Pequi da Naiak não contém conservantes e não passa pelo processo de refinamento, dessa forma, mantendo as propriedades desse poderoso fruto. CLIQUE AQUI e saiba mais!

Tags: azeite de pequi, pequi, densidade nutricional, cerrado, receitas, vitamina E, óleo de pequi, carotenoides, antioxidantes, compostos bioativos.

REFERÊNCIAS

FACIOLI, N.L.; GONÇALVES, L.A.G. Modificação por via enzimática da composição triglicerídica do óleo de pequi (Caryocar brasiliense, Camb.). Química Nova, v. 21, n. 1, p. 16-9, 1998.

LIMA, A. et al. Composição química e compostos bioativos presentes na polpa e na amêndoa do pequi (Caryocar brasiliense, Camb.). Revista Brasileira de Fruticultura, v. 29, n. 3, p. 695-8, dez. 2007.

MONTALVAO, T.M. et al. Anti-inflammatory Effect of Antioxidant Pequi (Caryocar brasiliense) Oil Capsules and Antioxidant Effect of Vitamin D and Physical Activity on Systemic Lupus Erythematosus Patients. Journal of Rheumatic Diseases and Treatment, v. 2, n. 1, p. 1-7, 2016.

RAMOS, K.M.C. e SOUZA, V.A.B. Características físicas e químico-nutricionais de frutos de pequizeiro (Caryocar coriaceum Wittm.) em populações naturais da região Meio-Norte do Brasil. Revista Brasileira de Fruticultura, v. 33, n. 2, p. 500-8, 2011.

RODRIGUES, Mara Lina. Pequil oil: effect of heating to temperature of frying and use as ingredients in the formulation of mayonnaise. 2011. 94fls. Dissertação (Mestrado em Ciências Agrárias – Agronomia) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2011.

RODRIGUES, M. L. et al. Cinética da degradação de carotenoides e da alteração de cor do azeite de pequi submetido ao aquecimento em temperatura de fritura. Ciência Rural, v. 43, n. 8, p. 1509-15, ago. 2013.

RODRIGUES, Mara Lina. Avaliação das características físico-químicas e dos compostos bioativos do azeite de pequi sob diferentes condições de aquecimento. 2017. 144fls. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, São Jose do Rio Preto – SP, 2017.

VILELA, A.L.M. et al. Pequi fruit (Caryocar brasiliense Camb.) pulp oil reduces exercise-induced inflammatory markers and blood pressure of male and female runners. Nutrition research, v. 29, n. 12, p. 850-8, 2009.

Levedura nutricional – tempero proteico e saboroso!

A levedura nutricional (ou nutritional yeast) é um suplemento elaborado a partir do fungo Saccharomyces cerevisiae e tem conquistado o paladar dos consumidores em razão do seu sabor e da densidade de nutrientes.

Ao proliferar, o micro-organismo produz uma espécie de fermentado rico em vitaminas do complexo B e minerais que, após processamento industrial, resulta na levedura nutricional. Com baixo valor calórico, o suplemento possui ácido glutâmico livre, um aminoácido não essencial que aumenta a especificidade das papilas gustativas para sentir o sabor salgado dos alimentos. A levedura nutricional contém, ainda, zinco, cromo, ferro e magnésio em sua composição.

Quando usada como tempero, realça o sabor dos alimentos e confere um sabor azedinho semelhante ao do queijo. Pode ser adicionada a diversas preparações como saladas, molhos, sopas, recheios, snacks, entre outras receitas, incrementando a dieta de vegetarianos e veganos em razão das altas concentrações de vitaminas, sobretudo, cobalamina (B12), e por não conter nenhum produto de origem animal. Propicia sabor aos alimentos ao mesmo tempo que fornece vitaminas, proteínas e sais minerais, estimulando também a redução no consumo de sal. Por seu conteúdo nutricional, sabor e benefícios ao organismo, pode ainda ser usada para complementar a prescrição de indivíduos com restrições alimentares e/ou deficiência de micronutrientes.

A literatura aponta para os benefícios, para a atividade física, dos suplementos à base de leveduras. Talbott e Talbott (2009) avaliaram os efeitos da suplementação com a fibra solúvel betaglucana, isolada do fungo Saccharomyces cerevisiae, na diminuição da fadiga, dos sintomas respiratórios e no aumento do vigor de maratonistas e atletas de resistência. Em comparação ao grupo placebo, os resultados mostraram que os atletas que consumiram cerca de 200mg ou 500mg do suplemento à base da levedura antes do exercício apresentaram menor cansaço físico e sintomas respiratórios, além de maior disposição.

Nutritional Yeast é a levedura nutricional em flocos da Naiak, disponível nos sabores:  Vegan Cheese e Italian vegan. Nutritional Yeast Vegan Cheese é o suplemento, a partir do extrato da levedura Saccharomyces cerevisiae, que confere sabor natural de queijo às preparações. Nutritional Yeast Italian Vegan, por sua vez, é o tempero enriquecido com especiarias que dão um toque de sabor diferenciado ao produto. Além de realçar o sabor natural dos alimentos, enriquece a alimentação com proteínas, vitaminas do complexo B e minerais.

“Saiba mais sobre o Nutritional Yeast Vegan Cheese e o Nutritional Yeast Italian Vegan da Naiak!”

Nutritional Yeast Vegan Cheese: https://www.naiak.com.br/inicio/117-nutritional-yeast-vegan-cheese.html

Nutritional Yeast Italian Vegan: https://www.naiak.com.br/inicio/118-nutritional-yeast-italian-vegan.html

 

REFERÊNCIAS

ALONSO-DEL-REAL, J. et al. Effect of temperature on the prevalence of Saccharomyces non-cerevisiae species against a S. cerevisiae wine strain in wine fermentation: competition, physiological fitness, and influence in final wine composition. Frontiers in microbiology, v. 8, fev. 2017.

FIORINI, L.S. Dossiê: os minerais na alimentação. Food Ingredientes Brasil, n. 4, 2008. [Internet]. Disponível: <http://www.revista-fi.com/materias/52.pdf>. Acesso em: 20 fev. 2019.

TALBOTT, S.; TALBOTT, J. Effect of BETA 1, 3/1, 6 GLUCAN on upper respiratory tract infection symptoms and mood state in marathon athletes. Journal of Sports Science & Medicine, v. 8, n. 4, p. 509-515, dez. 2009.

TORRES, A. Notícias e resultados de pesquisas científicas sobre o mundo da Nutrição. O que é nutritional yeast (levedura nutricional)? Disponível em: <http://andreiatorres.com/blog/2016/11/12/o-que-nutritional-yeast-levedura-nutricional>. Acesso em: 20 fev. 2019.

USDA – United States Department of Agriculture. Yeast: Handling/Processing. [Internet]. Disponível em: <https://www.ams.usda.gov/sites/default/files/media/Yeast%20TR%20Handling%201-22-14%20final.pdf>. Acesso em: 20 fev. 2019.

Guaraná: energético natural e 100% brasileiro!

O guaraná, fruto do guaranazeiro (Paullinia cupana), tem origem amazônica e é cultivado em grande maioria no Brasil. Também conhecido como guaraná-da-amazônia, guaranaína, guaraná, uaraná ou narana, apresenta ação antioxidante, propriedades medicinais, estimulantes, afrodisíacas e cicatrizantes.

Amplamente consumido na forma de bebidas energéticas, também pode ser comercializado em formulações em pó, cápsulas e comprimidos a fim de fornecer energia, mais resistência e disposição ao organismo. O guaraná em pó advém da trituração das sementes após sua secagem, o que conserva boa quantidade de propriedades antioxidantes quando consumido regularmente.

A parte mais utilizada do guaraná são as sementes secas em razão de seu elevado teor de cafeína. Esta é caracterizada como o ingrediente ativo do guaraná, a cafeína tem ação estimulante extensivamente explorada e comprovada pela ciência. No entanto outros compostos bioativos como teobromina, teofilina, taninos, saponinas, entre outros, também exercem função importante. Atuando como importantes antioxidantes ao proteger o organismo contra o estresse oxidativo.

As propriedades funcionais do guaraná incluem um elevado teor de compostos fenólicos de reconhecida capacidade antioxidante, além do elevado conteúdo de cafeína presente nas sementes, em torno de 3 a 6% do peso do fruto. A literatura aponta que, dependendo da procedência do guaraná em pó, este pode conter até quatro vezes mais cafeína em comparação ao pó de café. O guaraná em pó é utilizado pela indústria farmacêutica para a elaboração de cápsulas com a finalidade estimulante, analgésica, antipirética, antifermentativa, diurética, antioxidante e como tônico vascular. Na medicina, o fruto é empregado como estimulante do sistema nervoso e cardiovascular, tratando o estresse físico e mental, bem como melhora a disposição e a redução da fadiga.

Outras propriedades podem ser atribuídas ao uso do guaraná, como seu benefício no tratamento de enxaquecas, sua ação anticancerígena, antimicrobiana, antiproliferativa, antidepressiva e na redução de distúrbios metabólicos. Estudos apontam, ainda, que o consumo do guaraná também é capaz de reduzir a agregação plaquetária in vitro e in vivo, além de proteger contra a ocorrência de lesões gástricas. Na área esportiva, com o intuito de potencializar o desempenho dos atletas, utiliza-se a cafeína como importante recurso ergogênico.

Em estudo cego de Silveira et al. (2018), foram avaliados o estado nutricional e os efeitos da suplementação de guaraná (Paullinia cupana) em cápsula sobre o desempenho físico de atletas adolescentes de jiu-jítsu. Os indivíduos ingeriram 5,5mg de cafeína/kg de peso corporal, dose média considerada eficiente pela literatura, 60 minutos antes do treino. Em comparação ao grupo placebo, os atletas que consumiram a cafeína demostraram maior tolerância ao exercício e melhor rendimento, além da diminuição da sensação de fadiga. Além de possuir um custo reduzido em comparação aos demais suplementos, o guaraná pode contribuir para melhorar o foco e a concentração, bem como o rendimento em esportes de força, agilidade e precisão.

Com múltiplos benefícios à saúde, o guaraná auxilia no combate à indisposição e pode ser um bom aliado no aumento do rendimento de esportistas e atletas, quando recomendado por profissional especializado. CLIQUE AQUI e saiba mais sobre o Guaraná em Pó e o Guaraná em Cápsulas da Naiak! 

 

REFERÊNCIAS

CAMPOS, A.F. Efeitos do guaraná (Paullinia cupana) na saúde cardiovascular: uma revisão sistemática. 2018. 98 fls. Dissertação (Pós-Graduação em Nutrição em Saúde Pública) – Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

SILVA, W.G. et al. Guaraná-Paullinia cupana, (HBK): Estudo da oxidação das formas em pó e em bastões defumados. Revista de Ciências Agroveterinárias, v. 14, n. 2, p. 117-23. 2015.

SILVEIRA, J.Q. et al. Efeito ergogênico da suplementação aguda de pó de guaraná em lutadores de jiu-jitsu. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, v. 12, n. 70, p. 246-54. 2018.

Curcumina: bioativo antitumoral da cúrcuma

A Curcuma longa L., também conhecida como açafrão-da-terra, é uma planta nativa da Ásia e tem no rizoma sua parte utilizável. Pode ser usada na área cosmética, têxtil, de alimentos e medicinal, atuando na prevenção e paliação de doenças.

Relatos na literatura associam o consumo da cúrcuma a benefícios relacionados às doenças biliares e hepáticas, à redução do colesterol, à melhora da cicatrização e a efeitos anti-inflamatórios, antitumorais e antiproliferativos a diversos tipos de tumores. Tais efeitos são possíveis graças à ação do principal composto bioativo da cúrcuma, a curcumina, responsável pela coloração característica do açafrão-da-terra.

A curcumina é um fitoquímico com imenso potencial anticancerígeno e que contribui na regulação de proteínas envolvidas em vias bioquímicas do câncer. Além de inibir a migração de células tumorais para outros tecidos, a curcumina também contribui para que células com potencial cancerígeno sofram um processo denominado apoptose, isto é, a morte programada de uma célula em razão de esta estar lesionada. Tal fenômeno ocorre diariamente em nosso organismo e é essencial para protegê-lo de possíveis mutações malignas que poderiam vir a desenvolver neoplasias. Alguns estudos ressaltam, ainda, que a curcumina tem habilidade para atuar como quimioprotetor na formação de metástases, sobretudo, em tumores de mama.

Em trabalho de Collino (2014), a autora ressaltou as inúmeras propriedades da curcumina na prevenção e no tratamento de tumores. A curcumina tem ação citotóxica, ou seja, tóxica para as células dependendo da concentração em que é utilizada e do tipo de célula maligna presente no meio. Tem-se visto que o bioativo apresenta capacidade para inibir o desenvolvimento e progressão do câncer não somente via apoptose, mas também por meio de outros mecanismos durante o processo tumorigênico. Ainda nesse contexto, a autora aponta para o potencial do fitoquímico em destruir células tumorais resistentes à quimioterapia, enfatizando seu uso isolado ou em conjunto no tratamento contra o câncer.

Além da curcumina apresentar benefícios ao organismo, sua administração é considerada segura e com baixo risco de toxicidade aos seres humanos. No entanto, quando ingerido, este bioativo é mal-absorvido, rapidamente metabolizado e eliminado pelo organismo, limitando, assim, sua eficácia. Nesse sentido, uma estratégia para potencializar a absorção é consumi-la juntamente com outros ativos, como a piperina, presente em variedades de pimenta-preta.

Com a capacidade de regular simultaneamente diversas vias metabólicas afetando, consequentemente, inúmeras moléculas no corpo, a curcumina tem potencial nutracêutico tanto no tratamento quanto na prevenção de doenças complexas, como o câncer; e consumi-la regularmente pode agregar densidade nutricional na dieta e contribuir para a saúde geral do organismo. CLIQUE AQUI e conheça a Cúrcuma Longa em Pó da Naiak, além de todos os benefícios da Cúrcuma Hot Mix ACESSANDO AQUI!

 

REFERÊNCIAS

COLLINO, L. Curcumina: de especiaria à nutracêutico. 2014. 87 fls. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Farmácia-Bioquímica) – Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Araraquara – Universidade Estadual Paulista, São Paulo, 2014.

FONTES, S.M.S. Curcuma longa L.: caracterização química e estudo da capacidade antioxidante. 2018. 64 fls. Dissertação (Mestrado em Ciência de Alimentos) – Faculdade de Engenharia de Alimentos, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2018.

OTONI, E.S.B.; NARDIN, J.M. Avaliação da citotoxicidade de curcuminóides em células linfocitárias normais. Cadernos da Escola de Saúde, v. 1, n. 11, p. 34-5. 2017.

SAUER, A.G.; LEIRIA, L.B. Curcumina como um potencial anti-tumoral. In: I SIMPÓSIO DE URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS E II SEMANA ACADÊMICA DO CURSO DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL. Anais… 2018.

Sol, vitamina D e prevenção de doenças

Hormônio em evidência na atualidade, a vitamina D ou calcitriol contribui para a absorção do cálcio, atua no metabolismo ósseo, além de interagir com o sistema imune e outros órgãos como cérebro, coração e rins.

Disponível em duas formas diferentes, a vitamina D2 ou ergocalciferol pode ser obtida de fontes alimentares ou mediante a suplementação; já a vitamina D3 ou colecalciferol é sintetizada por meio da exposição aos raios solares, além de estar presente em alimentos contendo óleo de peixe, fortificados com a vitamina ou em suplementos orais. Embora importante ao organismo, a deficiência de vitamina D tem alcançado cada vez mais pessoas devido a fatores como baixo consumo de alimentos-fonte, uso de medicamentos que interferem em sua absorção, o envelhecimento, a menor exposição solar e o uso de bloqueadores solares.

Contrariamente ao senso comum, tomar Sol é importante para o desenvolvimento e a saúde do organismo. É através de seus raios que a síntese de vitamina D se torna possível, bem como a absorção e fixação do cálcio e a manutenção da tonicidade muscular. Cerca de 90% da vitamina D adquirida pelo corpo é obtida do Sol e os 10% restantes da alimentação. Os suplementos, por sua vez, são indicados aos indivíduos cujas quantidades séricas encontram-se abaixo dos 20ng/mL, condição classificada como hipovitaminose D. A deficiência de vitamina D pode predispor o organismo a uma série de doenças como osteoporose, osteomalácia, artrite reumatoide e doenças de caráter autoimune.

Em estudo de revisão, Kratz et al. (2018) apontaram que a maioria dos estudos encontrou relações entre a deficiência de vitamina D e doenças crônicas como lúpus e problemas cardiovasculares, além dela atuar na modulação de células do sistema imune e de respostas metabólicas. Foram observadas, ainda, altas taxas de cânceres em pacientes cujo nível de vitamina D estivesse abaixo do recomendado. Como medidas preventivas, os autores enfatizaram a necessidade da luz solar na produção desse hormônio, bem como da alimentação e da suplementação complementar como coadjuvante na prevenção de doenças crônicas.

Em dissertação de Câmara (2018), a autora observou que pacientes com nível insuficiente ou deficiente em vitamina D apresentaram maior propensão ao desenvolvimento de cânceres, doenças do trato urinário, do fígado e da bile, além de hipercolesterolemia e hipertrigliceridemia. Além disso, a pesquisa apontou que, nos países com elevada exposição solar anual, seus cidadãos apresentaram menor taxa de mortalidade por esclerose múltipla e câncer.

Assim, a vitamina D é um hormônio importante ao organismo e sua deficiência favorece o aumento de doenças crônicas e autoimunes. Medidas de prevenção, recomendadas por especialistas, incluem a exposição solar e cuidados com a alimentação, além da suplementação em casos específicos. CLIQUE AQUI e saiba mais sobre a Vitamina D da Naiak!

REFERÊNCIAS

ANDRADE, P.C.O. et al. Alimentação, fotoexposição e suplementação: influência nos níveis séricos de vitamina D. Rev Med Minas Gerais, v. 25, n. 3, p. 432-7. 2015.

CÂMARA, A.B. Estudo da associação entre a deficiência da vitamina D, doenças relacionadas e o estresse oxidativo celular. 2018. 81 fls. Dissertação (Mestrado em Ciências Biológicas) – Centro de Biociências, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. 2018.

KRATZ, D.B. et al. Deficiência de vitamina D (250H) e seu impacto na qualidade de vida: uma revisão de literatura. RBAC, v. 50, n. 2, p. 118-23. 2018.

 SANTOS, C.S.; HOBMEIR, A.K.T. Protetor solar: um aliado na prevenção de efeitos causados pelos raios nocivos do sol. Sobre Tudo, v. 8, n. 1. 2017.

Magnésio, ácido málico e magnésio dimalato: quais os benefícios à saúde?

Mineral com funções importantes e cujo controle homeostático deve manter-se finamente regulado, o magnésio está presente em quantidades diferentes nos alimentos, sobretudo, em vegetais escuros folhosos, oleaginosas, cereais integrais, frutas e legumes.

Apresenta efeito antiarrítmico, contribui para a manutenção do tônus vascular e da contratilidade, no metabolismo da glicose e na liberação insulínica. Quando em teor reduzido, pode favorecer o estresse oxidativo e o estado pró-inflamatório, promover a disfunção endotelial, potencializar a agregação plaquetária, a hiperglicemia e a resistência à insulina.

No organismo, em torno de 60% a 65% do magnésio encontram-se nos ossos; 26%, nos músculos; e o restante nos tecidos moles. Seu equilíbrio é mantido pelo intestino, pelos ossos e pelos rins, e, no envelhecimento, a quantidade tende a cair gradualmente. Em relação à saúde óssea, é importante para a formação e a manutenção dos ossos e age como antagonista natural do cálcio, isto é, por estar metabolicamente ligado a este, pode atuar tanto em sinergismo quanto em antagonismo.

O magnésio age no metabolismo de carboidratos e proteínas, além de outros componentes como fósforo, zinco, cobre, ferro, chumbo, cádmio, acetilcolina e óxido nítrico, e na ativação da vitamina B1 (tiamina). Especificamente no sistema muscular, participa da transmissão neuroquímica e da excitabilidade do músculo, controlando a atividade elétrica do coração, a contração muscular e a função das células nervosas.

O ácido málico, por sua vez, é um composto orgânico encontrado em frutas como marmelo, uva, maçã e cerejas não maduras, e em verduras como ruibarbo. Parte essencial do ciclo de Krebs tem a função de participar da obtenção do ATP – molécula responsável pela composição e pelo uso de energia no organismo. A literatura tem apontado que a deficiência de ácido málico nos tecidos pode levar à fibromialgia, doença que se caracteriza por fortes dores musculares espalhadas pelo organismo.

A junção entre o magnésio e o ácido málico dá origem ao magnésio dimalato, que possui, em sua composição, duas moléculas de ácido málico ligadas a uma molécula de magnésio. O magnésio dimalato apresenta absorção prolongada e não reage com o suco gástrico. Alguns estudos apontam que a ingestão do magnésio associado ao ácido málico contribui para reduzir dores associadas à fibromialgia, além disso, pesquisas observaram que o ácido málico presente na composição reverta a inibição da glicólise e a produção de energia afetada pela hipóxia, assim, aumentando a geração de energia e minimizando as dores características da fibromialgia. A literatura sugere, ainda, que o ácido málico melhora a força muscular e promove restauração da energia do organismo.

Evidências apontam que o magnésio dimalato pode atenuar dores e espasmos musculares, melhorar a fraqueza muscular e atuar como coadjuvante no tratamento da fibromialgia, quando indicado por profissional especializado. CLIQUE AQUI e saiba mais sobre o Magnésio Dimalato da Naiak!


REFERÊNCIAS

CUNHA, A.R. et al. Efeitos do magnésio sobre a estrutura e função vascular. Revista Hospital Universitário Pedro Ernesto, v. 10, n. 3, jul. 2011.

IBEROQUÍMICA MAGISTRAL. Magnésio Dimalato – Combinação de magnésio com ácido málico. Disponível em: https://www.iberoquimica.com.br/Arquivos/Insumo/LAMINA-164613.pdf. Acessado em 11 out 2018.

MARIONI, A.U. Eficacia del ácido málico 1% en pacientes con xerostomía inducida por fármacos antidepresivos. 2014. 81fls. Tese (Doutorado em Medicina e Saúde Pública) – Universidade de Granada – Granada, Espanha. 2014.

PREMAOR, M.O. et al. Nutrição e saúde óssea: a importância do cálcio, fósforo, magnésio e proteínas. Revista da AMRIGS, v. 60, n. 3, p. 253-63, jul. 2016.

Mix de nutrientes para uma saúde à prova de balas!

Bulletproof coffee ou café à prova de balas consiste em uma bebida elaborada à base de café e fontes lipídicas, como manteiga ou triglicerídeos de cadeia média (TCM), cujo objetivo é oferecer maior resistência corporal, prolongar a sensação de saciedade e estimular o metabolismo.

Bebidas inspiradas no café à prova de balas reúnem ingredientes funcionais e/ou de superalimentos, como café, cacau e especiarias, com a finalidade de incrementar o sabor e a densidade nutritiva da dieta de pessoas adeptas a uma vida saudável, bem como de esportistas e atletas, dessa forma, influenciando seu rendimento físico e mental.

Com diversos compostos estimulantes, a cafeína, principal ativo do café, atua na melhora da performance cognitiva, melhorando o estado de alerta e fornecendo energia. Além disso, otimiza a capacidade de concentração e o desempenho em tarefas, reduzindo o tempo de ação e a sonolência, uma vez que sua ação se desenvolve no sistema nervoso central (SNC). Na prática esportiva, a cafeína vem sendo utilizada como recurso ergogênico, isto é, na melhora do desempenho esportivo e retardo da fadiga muscular. Sugere-se que a cafeína aumenta o desempenho aeróbio nas atividades físicas por meio da redução da utilização do glicogênio muscular reduzindo, consequentemente, a sensação de dor.

Silva et al. (2016) investigaram se a suplementação com cafeína foi capaz de aumentar a produção de força em membros superiores e inferiores de mulheres não treinadas. As participantes que receberam suplementação com 4mg/kg de cafeína antes do exercício e o grupo placebo foram orientadas quanto à realização de um teste de força máxima. Foi visto que a suplementação com cafeína auxiliou no aumento da carga absoluta para o exercício supino reto, bem como atuou como ergogênico eficiente na geração de força.

O cacau, por sua vez, também, exerce efeitos benéficos ao organismo. Rico em flavonoides, contém potentes agentes antioxidantes e anti-inflamatórios que atuam na saúde cardiovascular e cerebral. Em estudo randomizado, cruzado e duplo-cego, Decroix et al. (2018) avaliaram os efeitos no consumo dos flavonóis do cacau, ao longo de sete dias, no estresse oxidativo, na produção de óxido nítrico e na oxigenação tecidual em resposta ao exercício em hipóxia (14,3% O2), normobárica (conteúdo de oxigênio abaixo do normal com manutenção da pressão atmosférica). Ciclistas bem-treinados (n=14) foram submetidos a quatro testes: exercício em normóxia ou hipóxia após o consumo de flavonoides de cacau ou consumo de placebo. Os resultados mostraram que os antioxidantes do cacau exerceram efeitos benéficos na função endotelial e na oxigenação pré-frontal durante o repouso e o exercício de moderada intensidade, tanto em normóxia quanto em hipóxia. Além disso, foi visto que o consumo de flavonoides do cacau inibiu o estresse oxidativo durante o exercício exaustivo em hipóxia.

Os TCM, formados a partir de três ácidos graxos e um glicerol, são absorvidos rapidamente e fornecerem energia prontamente ao organismo, poupando o uso de glicogênio muscular e contribuindo para a redução da fadiga no exercício. O resultado da junção desses ingredientes, além de especiarias como canela e noz-moscada, resulta em uma bebida saborosa e com alta densidade nutritiva, que ajuda a melhorar a performance corporal e cognitiva e fornece energia para encarar as atividades diárias com disposição.

 

 REFERÊNCIAS

 ALVES, R.C. et al. Benefícios do café na saúde: mito ou realidade. Quim. Nova, v. 32, n. 8, p. 2169-80. 2009.

DECROIX, L. et al. One-week CF intake increases prefrontal cortex oxygenation at rest and during moderate-intensity exercise in normoxia and hypoxia. Journal of Applied Physiology, v. 125, n. 1, p. 8-18, jul. 2018.

FERREIRA, A.M.D. et al. A influência da suplementação de triglicerídeos de cadeia média no desempenho em exercícios de ultra-resistência. Rev Bras Med Esporte, v. 9, n. 6, p. 413-9, nov. 2003.

OLIVEIRA, C.S. et al. Efeitos da suplementação de cafeína no desempenho, percepção subjetiva do esforço e percepção de dor durante o treinamento de força: uma revisão. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, v. 11, n. 71, p. 967-72, jan. 2017.

SILVA, V.A, et al. Efeito agudo da ingestão de cafeína no desempenho da força em mulheres destreinadas. ConScientiae Saúde, v. 15, n. 3, p. 414-22. 2016.

SILVESTRE, J. et al. Cafeína e desempenho físico. Revista Brasileira de Fisiologia do Exercício, v. 17, n. 2, p. 130-7. 2018.

SOKOLOV, A.N. et al. Chocolate and the brain: neurobiological impact of cocoa flavanols on cognition and behavior. Neuroscience & Biobehavioral Reviews, v. 37, n. 10, p. 2445-53, dez. 2013.