Colágeno hidrolisado e as evidências atuais de sua eficácia!

A utilização de nutracêuticos para melhorar a beleza corporal tem ganhado espaço cada vez maior na rotina das pessoas, acompanhada da preocupação com a saúde. Um suplemento escolhido frequentemente é o colágeno, uma proteína estrutural que atua em diferentes tecidos como pele, cabelos, unhas e articulações. Os efeitos de sua suplementação são investigados pela literatura científica atual, trazendo resultados significativos na saúde e estética.

Colágeno e pele

A inclusão de colágeno hidrolisado na complementação alimentar é ideal para minimizar os efeitos prejudiciais do fotoenvelhecimento da pele. Uma recente revisão literária feita por Choi et al. (2019) analisou os ensaios controlados feitos com a suplementação de colágeno para o tratamento antienvelhecimento da pele. A administração dessa proteína, via oral, pode favorecer a proteção e os reparos das fibras endógenas de colágeno e elastina e melhorar a capacidade de retenção de umidade, reduzindo o ressecamento cutâneo. Os resultados de 11 estudos foram promissores para apontar a eficiência e segurança do uso de colágeno para aumentar a hidratação, elasticidade e densidade da proteína dérmica.

Colágeno e articulações

O envelhecimento é um processo que leva à diminuição da síntese e mudanças no arranjo de proteoglicanos e colágeno na cartilagem e nas articulações. Um ensaio clínico duplo-cego, randomizado, controlado por placebo, conduzido por Czajka et al. (2018), investigou os efeitos da suplementação de colágeno em 120 indivíduos que consumiram o produto testado ou placebo diariamente, por 90 dias.

O consumo do produto com colágeno do teste reduziu a dor nas articulações em 43% e melhorou a mobilidade articular em 39%. Os autores sugeriram que a suplementação oral com peptídeos bioativos de colágeno, combinados com vitaminas e minerais, é uma boa estratégia para tratamento de doenças que acometem as articulações a fim de reduzir o desgaste e a inflamação local.

O mercado de nutracêuticos inova constantemente a oferta de produtos para a rotina individual de cada consumidor. A Naiak conta com dois suplementos de colágeno hidrolisado em formas de apresentação diferentes: Colágeno Hidrolisado em cápsulas e Colágeno Hidrolisado em pó.

REFERÊNCIAS

CHOI, F. et al. Oral Collagen Supplementation: A Systematic Review of Dermatological Applications. J Drugs Dermatol., v. 18, n. 1, p. 9-16, jan. 2019.

CZAJKA, A. et al. Daily oral supplementation with collagen peptides combined with vitamins and other bioactive compounds improves skin elasticity and has a beneficial effect on joint and general wellbeing. Nutr Res., v. 57, p. 97-108, sep. 2018.

POEFÍRIO, E.; FANARO, G. Suplementação com colágeno como terapia complementar na prevenção e tratamento de osteoporose e osteoartrite: uma revisão sistemática. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., Rio de Janeiro, v. 19, n. 1, p. 153-164, 2016.

Veja como foi o evento da Naiak em homenagem ao Dia do Nutricionista

Em homenagem ao Dia do Nutricionista, comemorado em 31 de agosto, a Naiak preparou um evento especial para celebrar com as nutricionistas parceiras da marca. Foi uma noite importante para estreitar vínculos, promover contatos e aprofundar os conhecimentos dessas profissionais sobre a marca.

As profissionais puderam conhecer melhor a Naiak, com uma apresentação da CEO da marca, Romy Tokarski, participaram de uma palestra sobre branding pessoal, com Ale Garattoni, e, para fechar a noite, degustaram um Coffee Break preparado por Alan Rox, do Restaurante Purana.Co.

Veja como foi essa noite de homenagem e valorização das nutricionistas que nos ajudam, dia a dia, na busca pela Beleza da Vitalidade.

Conheça o óleo de pequi – o ouro do Cerrado brasileiro!

Segundo maior bioma do país, o Cerrado possui imenso potencial de frutos com propriedades nutricionais e que necessitam ser mais bem explorados. Um exemplo disso é o pequi (Caryocar brasiliense Camb.), fruto nativo da região com grande importância econômica, cultural e para a saúde.

O pequi é rico em proteínas, compostos bioativos e antioxidantes que auxiliam na produção de fármacos, no enriquecimento dos alimentos e no desenvolvimento de subprodutos como o azeite e o óleo. Esse último, uma vez extraído da polpa do pequi, pode ser utilizado tanto no preparo de pratos típicos quanto na medicina popular. Após a maceração da casca do pequi, ocorre a liberação de um pigmento utilizado no tingimento de produtos artesanais; as folhas podem ser usadas na alimentação de animais; e a polpa é aproveitada pela população local como estimulante do apetite e fortificante; finalmente, o óleo do pequi é empregado no preparo de pratos típicos e no combate a infecções, sobretudo, respiratórias e oftalmológicas, em razão da sua enorme concentração de carotenoides.

Os carotenoides presentes no pequi, como licopeno, caroteno, criptoflavina, e-criptoxantina, anteraxantina, zeaxantina, mutatoxantina, violanxantina, luteína e neoxantina, possuem elevada capacidade antioxidante e efeito pró-vitamina A. Dessa forma, estudos na literatura apontam para a suplementação com o óleo de pequi na prevenção dos danos oxidativos induzidos por radicais livres em indivíduos cuja defesa antioxidante apresenta defeitos genéticos, ou em atletas de alto rendimento, com o intuito de reduzir a inflamação e a pressão sanguínea induzidas pelo esforço físico.

Em trabalho de revisão de Matos et al. (2019), os autores avaliaram os efeitos do óleo de pequi oral ou tópico na cicatrização de feridas. Na composição do fruto, a presença de ácidos graxos, em sua maioria, o ácido oleico (50,2%) e o ácido palmítico (44,3%), por exemplo, exercem efeito imunomodulador; isso porque os ácidos graxos, de forma geral, fazem parte da composição das membranas celulares e, uma vez oxidados, geram energia e atuam como uma barreira protetora contra micro-organismos. No estudo, apontou-se que o óleo de pequi contribuiu para a redução dos dias de internação e do número de curativos realizados, além de ajudar no reparo tecidual e acelerar a cicatrização.

Em vista da importância cultural, econômica e para a saúde, a extração do óleo do pequi pode ser uma alternativa para reduzir custos, diminuir o estresse oxidativo e melhorar a qualidade de vida dos indivíduos. O Óleo de Pequi da Naiak é obtido a partir da polpa do pequi, com tecnologia que reduz odores característicos e mantém as propriedades nutricionais. Clique aqui para conhecê-lo! 

REFERÊNCIAS

Batista, F.O.; Sousa, R.S. Compostos bioativos em frutos pequi (Caryocar brasiliense camb.) e baru (Dipteryx alata vogel) e seus usos potenciais: uma revisão. Brazilian Journal of Development, v. 5, n. 7, p. 9259-70, jul. 2019.

Bezerra, N.K.M.S. et al. O óleo de pequi na cicatrização de feridas: uma visão interdisciplinar entre ambiente e saúde-revisão integrativa. Revista Interdisciplinar de Estudos em Saúde, v. 8, n. 1, p. 174-82, 2019.

Nascimento, L.M.D. Óleo de pequi: um nutracêutico com propriedades antioxidantes: uma revisão de literatura. 2019. 54 fls. Monografia (Graduação em Farmácia) – Faculdade de Ciências da Saúde, Universidade de Brasília, Brasília, 2019.

Naiak celebra o Dia do Nutricionista com evento em São Paulo e a presença das principais nutricionistas

No último dia 21 de agosto, a Naiak reservou a noite para comemorar o Dia do Nutricionista com profissionais parceiras que foram convidadas a celebrar os laços que as unem à marca e estreitar ainda mais esse vínculo.

Na abertura do evento, as nutricionistas foram recepcionadas com uma degustação do Boost Up Coffee, a bebida da Naiak que é a “queridinha” das nutris. Uma mistura de café, cacau, leite de coco e especiarias naturais para auxiliar na resistência corporal e dar um Up na energia para o evento e a palestra. Esse também foi um momento importante de interação em que as profissionais puderam trocar experiências.

Em seguida, Romy Tokarski, CEO da Naiak, fez uma apresentação da marca para as convidadas, falando sobre os valores, a atuação familiar e todo o cuidado com a seleção de matérias-primas e produção. Falou, também, a respeito do Projeto Preservar, uma iniciativa da Naiak no ramo da Ação Social.

A Naiak cultiva ervas e flores em uma fazenda própria, assim, garantindo a origem dessas matérias-primas que são utilizadas em seus chás. Por meio do Projeto Preservar, esse espaço é aberto à visitação, especialmente, para alunos de escolas públicas. As crianças passam por palestras, gincanas e brincadeiras para aprender sobre as propriedades medicinais das plantas e, depois, cada uma delas se torna “guia” do projeto, ficando responsável por apresentar as propriedades de uma planta diferente.

Depois de conhecer um pouco mais sobre a história e os projetos da Naiak, as nutricionistas participaram de uma palestra com Ale Garattoni, especialista em branding pessoal, que abordou sobre como cada profissional é fundamental para a construção de sua própria marca. Nessa palestra, as convidadas se inteiraram sobre como as redes sociais podem ajudar nesse processo.

Após a palestra, Ale Garattoni abriu espaço para perguntas e interações com as nutricionistas, que levantaram dúvidas sobre estratégias de marketing, sobretudo no Instagram. A principal dica da especialista em branding foi sobre a produção de conteúdos relevantes e de qualidade aos seguidores.

Após a palestra, foi oferecido às nutricionistas um Coffee Break assinado por Alana Rox, do Restaurante Purana.Co. Além disso, foi um momento para que as convidadas pudessem brindar e interagir com Romy, estreitando ainda mais os vínculos com a idealizadora da Naiak. Aproveitaram para tirar suas dúvidas, fazer comentários e conhecer melhor os propósitos, as preocupações e os objetivos compartilhados pela marca. E, para encerrar a homenagem, a Naiak presenteou as convidadas com um kit de produtos.


Para a Naiak, foi uma honra receber as nutricionistas e celebrar esse dia tão especial de quem faz seus melhores esforços diários para tornar as pessoas mais saudáveis. Com esse momento de confraternização, espera-se estreitar vínculos para poder comemorar durante muitos e muitos anos com quem é parceiro da Naiak na promoção da Beleza da Vitalidade. Obrigada, nutricionistas!

Suplementação à base de magnésio: benefícios e indicações

Mineral envolvido em mais de 300 reações bioquímicas, o magnésio atua como cofator enzimático para diversos processos, sobretudo, aqueles relacionados ao metabolismo energético e à síntese de neurotransmissores, podendo estar associado ou não a outros componentes.

A deficiência de magnésio pode instalar-se mais facilmente no envelhecimento, fase na qual ocorre a perda acentuada de massa óssea, principal local de armazenamento desse mineral no organismo. Além disso, o consumo de alimentos processados em detrimento de alimentos integrais e hortaliças verde-escuras contribui para o agravamento da deficiência. Indivíduos hipertensos, por sua vez, apresentam risco elevado de mortalidade por doença cardiovascular. Nesse sentido, a literatura sugere que a suplementação com magnésio ajude a diminuir a pressão arterial, agindo como antagonista do cálcio muscular e estimulando o efeito vasorrelaxante.

Gröber et al. (2015) enfatizaram a importância do micronutriente, que atua como cofator enzimático, na síntese de DNA e RNA, na regulação do tônus muscular, na excitabilidade cardíaca e na prevenção de doenças neurodegenerativas, como Alzheimer, por exemplo. Em metanálise de Kass et al. (2012), a influência da suplementação com magnésio na pressão arterial apontou que os efeitos cresceram à medida que a dose de suplementação aumentou. Em estudo de Andrade et al. (2018), os autores indicam que a deficiência de magnésio impactou negativamente na função cognitiva, na diminuição da atenção, no retardo mental e em problemas de fala. Quando associado à taurina, um aminoácido abundante no sistema nervoso, o magnésio taurato contribui tanto para a função cardiovascular quanto para proteção e formação neuronal.

Quando complexado à molécula de ácido málico, o magnésio dimalato é capaz de auxiliar na síntese de proteínas e estimular o transporte energético pelo corpo. Além disso, auxilia na saúde cardiovascular, na redução dos sintomas na fibromialgia e para o equilíbrio da absorção de potássio. A Naiak possui, em sua linha de produtos, os benefícios do magnésio complexado. Tauromind é o suplemento formado pelas moléculas de magnésio e taurina, o que resulta em um componente com ação neuroprotetora complementar ao sistema cognitivo e ao sistema cardiovascular. Já o Magnésio Dimalato é composto por magnésio e ácido málico, resultando em um suplemento mineral fundamental para a síntese de proteínas e para o transporte energético pelo corpo.

REFERÊNCIAS

ANDRADE, E.A.F. et al. L-Triptofano, ômega 3, magnésio e vitaminas do complexo B na diminuição dos sintomas de ansiedade. Id on Line Revista de Psicologia, v. 12, n. 40, 2018.

ABBASI, B. et al. The effect of magnesium supplementation on primary insomnia in elderly: a double-blind placebo-controlled clinical trial. Journal of research in medical sciences: the official journal of Isfahan University of Medical Sciences, v. 17, n. 12, p. 1161, 2012.

GRÖBER, U. et al. Magnesium in prevention and therapy. Nutrients, v. 7, n. 9, p. 8199-226, set. 2015.

i9 Magistral. TauroMag® – magnésio taurato. Disponível em:

<https://www.i9magistralshop.com.br/index.php?route=product/product/download&pdf=52&document_id=1455>. Acesso em: 28 jun 2019.

KASS, L. et al. Effect of magnesium supplementation on blood pressure: a meta-analysis. European Journal of Clinical Nutrition, v. 66, p. 411-8, 2012.

Magnésio taurato: potenciais benefícios cardiovasculares e anti-hipertensivos

Os papéis da taurina e do magnésio na suplementação nutricional são apontados em estudos observacionais devido à ação anti-hipertensiva e efeitos na saúde cardiovascular.

O magnésio é um mineral que possui diversas funções bioquímicas, sendo as principais relacionadas à proteção neural e cardiovascular. A taurina, por sua vez, é um aminoácido que atua no processo de remodelação cardíaca, promovendo a excreção celular de sódio e água, regulando a entrada de cálcio no órgão, protegendo o coração contra a ação dos radicais livres e atuando também como anti-hipertensivo. No sistema musculoesquelético, é capaz de evitar lesões musculares, além de auxiliar no tônus muscular. Quando utilizada na nutrição esportiva, a taurina pode maximizar a recuperação no pós-treino e minimizar o risco de inflamação e lesões musculares.

Mais especificamente, o magnésio taurato é um suplemento resultado da complexação do magnésio à taurina. Juntos, potencializam seus efeitos à medida que são capazes de modular o perfil lipídico, exercer efeito anti-hipertensivo e diminuir o risco de aterosclerose. Em estudo de Katakawa et al. (2016), os autores avaliaram os efeitos da suplementação com magnésio taurato na função de células endoteliais progenitoras (que ajudam a restaurar o tecido endotelial dos vasos) e na modulação do estresse oxidativo em humanos saudáveis e ratos hipertensos. Durante duas semanas, os indivíduos receberam 3g de taurina/dia ou 340mg de magnésio/dia; os animais receberam, por quatro semanas, solução contendo 3% de taurina e/ou dieta rica em magnésio (600mg/100g). Os resultados mostraram que a suplementação com magnésio e taurina aumentaram, significativamente, as colônias de células progenitoras, além de ter reduzido a concentração de radicais livres nos animais avaliados.

Outro estudo mais recente, com animais, aponta para o papel cardioprotetor e anti-hipertensivo do magnésio taurato em ratos albinos intoxicados por cloreto de cádmio (contaminante ambiental capaz de intoxicar seres humanos a partir de fontes industriais, de alimentos e da fumaça de cigarro). Ao longo de duas semanas, o magnésio taurato foi administrado (2mg e 4mg/kg/dia) aos animais; e os resultados apontaram para o restabelecimento da pressão arterial, de antioxidantes presentes no miocárdio e no nível de malonaldeído a níveis significativos em comparação ao grupo controle.

Em vista das evidências apontadas pelos estudos, o magnésio taurato é um potencial suplemento com ação anti-hipertensiva a ser explorado em razão da sua atividade antioxidante. Tauromind é o suplemento formado pela complexação de moléculas de magnésio e taurina, formando um componente com benefícios para a saúde cardiovascular e para a regulação da hipertensão arterial.

REFERÊNCIAS

HOUSTON, M. The role of magnesium in hypertension and cardiovascular disease. The Journal of Clinical Hypertension, v. 13, n. 11, p. 843-47, 2011. GALAN, B.S.M. Efeitos da suplementação de taurina e achocolatado sobre os marcadores de lesão muscular, resposta inflamatória e desempenho físico em triatletas. 2016. 74 fls. Dissertação (Pós-Graduação em Alimentos e Nutrição) – Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho.”, Arraquara, 2016.  KATAKAWA, M. et al. Taurine and magnesium supplementation enhances the function of endothelial progenitor cells through antioxidation in healthy men and spontaneously hypertensive rats. Hypertension Research, v. 39, n. 12, p. 848-56, dez. 2016. SHRIVASTAVA, P. et al. Magnesium taurate attenuates progression of hypertension and cardiotoxicity against cadmium chloride-induced hypertensive albino rats. Journal of Traditional and Complementary Medicine, v. 9, n. 2, p. 119-23, abr. 2019.

Vitamina K2: corações e ossos protegidos?

A vitamina K faz parte de uma família de compostos lipossolúveis que engloba três diferentes formas de vitamina K: K1-filoquinona, K2-menaquinonas e K3-menadiona.

A principal fonte de vitamina K na dieta provém de vegetais folhosos verde-escuros, de óleos vegetais, frutas e grãos e está presente no formato de vitamina K1. A menaquinona ou vitamina K2, por sua vez, é encontrada em alimentos de origem animal e que contêm gorduras, como carnes, ovos e queijos, bem como na soja fermentada, além de ser produzida a partir da atividade da microbiota intestinal de humanos e animais.

De acordo com a literatura, alguns fatores atrapalham a absorção da vitamina K no jejuno e no íleo, tais como lesões intestinais, ingestão alimentar insuficiente, deficiência de vitamina D, doença renal crônica, envelhecimento, consumo de antibióticos, entre outros. Ainda nesse contexto, de acordo com o Estudo Brasileiro de Osteoporose, em torno de 81% dos brasileiros apresentam ingestão de vitamina K inferior aos valores recomendados de AI (ingestão adequada), 90ug/dia para mulheres e 120ug/dia para homens (Dietary reference intakes for vitamin K, IOM, 2001).

A deficiência de vitamina K pode favorecer o desenvolvimento de problemas associados à mineralização da cartilagem, aumento de fraturas ósseas, problemas de coagulação e doenças cardiovasculares. Estudos têm apontado, especificamente, para a ação da menaquinona na prevenção da calcificação arterial e na mortalidade por doença arterial coronariana. Em estudo duplo-cego, placebo-controle (KNAPEN et al., 2015), os autores avaliaram se a suplementação com menaquinona-7 (MK-7) teria o potencial de reduzir a rigidez arterial e alterar propriedades elásticas da artéria carótida de mulheres (n=244) pós-menopausadas e saudáveis. Após 3 anos de suplementação com vitamina K2 (180 µg/dia) ou placebo, foi observado que parâmetros de rigidez arterial foram impactados positivamente no grupo suplementado com MK-7; além disso, mulheres que apresentavam endurecimento local da artéria carótida revelaram bons resultados quanto à elasticidade dessa estrutura.

Desfechos positivos também foram associados à suplementação de K2 como agente protetor ósseo e antiosteoporótico, sobretudo, em mulheres pós-menopausadas. De acordo com Yamaguchi e Weitzmann (2011), a vitamina K2 possui a capacidade pró-anabólica, uma vez que promove a formação óssea, ao mesmo tempo em que atua como anticatabólica, pois suprime a reabsorção dos ossos; tal habilidade ocorre graças à ação antagonista de K2 na ativação de NF-kB.

A fim de promover a saúde cardiovascular e osteoarticular, a Vitamina K2 da Naiak oferece 100% dos valores diários de menaquinona, micronutriente que atua no metabolismo ósseo e como agente da coagulação. Como parte dos cuidados com ossos e articulações, a Vitamina D 2000 em cápsulas estimula a absorção de minerais como cálcio e fósforo, além de modular a via da glicose e fortalecer o sistema imune.

REFERÊNCIAS

KNAPEN, M.H.J. et al. Menaquinone-7 supplementation improves arterial stiffness in healthy postmenopausal women. Thrombosis and Haemostasis, v. 113, n. 05, p. 1135-44, 2015.

IOM – Institute of Medicine. Dietary reference intakes for vitamin K. Food and nutrition board. Nat Acad Press, 162-96, 2001.

PINHEIRO, M.M. et al. Nutrient intakes related to osteoporotic fractures in men and women – the Brazilian osteoporosis study (BRAZOS). Nutrition journal, v. 8, n. 1, 2009.

SANTOS, E.A. Relação entre ingestão de vitamina K, gordura corporal, perfil lipídico e homeostase da glicose em adultos e idosos. 2018. 15 fls. Dissertação (Pós-Graduação em Nutrição em Saúde Pública) – Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

YAMAGUCHI, M.; WEITZMANN, M.N. Vitamin K2 stimulates osteoblastogenesis and suppresses osteoclastogenesis by suppressing NF-κB activation. International Journal of Molecular Medicine, v. 27, n. 1, p. 3-14, jan. 2011.

Levedura nutricional – tempero proteico e saboroso!

A levedura nutricional (ou nutritional yeast) é um suplemento elaborado a partir do fungo Saccharomyces cerevisiae e tem conquistado o paladar dos consumidores em razão do seu sabor e da densidade de nutrientes.

Ao proliferar, o micro-organismo produz uma espécie de fermentado rico em vitaminas do complexo B e minerais que, após processamento industrial, resulta na levedura nutricional. Com baixo valor calórico, o suplemento possui ácido glutâmico livre, um aminoácido não essencial que aumenta a especificidade das papilas gustativas para sentir o sabor salgado dos alimentos. A levedura nutricional contém, ainda, zinco, cromo, ferro e magnésio em sua composição.

Quando usada como tempero, realça o sabor dos alimentos e confere um sabor azedinho semelhante ao do queijo. Pode ser adicionada a diversas preparações como saladas, molhos, sopas, recheios, snacks, entre outras receitas, incrementando a dieta de vegetarianos e veganos em razão das altas concentrações de vitaminas, sobretudo, cobalamina (B12), e por não conter nenhum produto de origem animal. Propicia sabor aos alimentos ao mesmo tempo que fornece vitaminas, proteínas e sais minerais, estimulando também a redução no consumo de sal. Por seu conteúdo nutricional, sabor e benefícios ao organismo, pode ainda ser usada para complementar a prescrição de indivíduos com restrições alimentares e/ou deficiência de micronutrientes.

A literatura aponta para os benefícios, para a atividade física, dos suplementos à base de leveduras. Talbott e Talbott (2009) avaliaram os efeitos da suplementação com a fibra solúvel betaglucana, isolada do fungo Saccharomyces cerevisiae, na diminuição da fadiga, dos sintomas respiratórios e no aumento do vigor de maratonistas e atletas de resistência. Em comparação ao grupo placebo, os resultados mostraram que os atletas que consumiram cerca de 200mg ou 500mg do suplemento à base da levedura antes do exercício apresentaram menor cansaço físico e sintomas respiratórios, além de maior disposição.

Nutritional Yeast é a levedura nutricional em flocos da Naiak, disponível nos sabores:  Vegan Cheese e Italian vegan. Nutritional Yeast Vegan Cheese é o suplemento, a partir do extrato da levedura Saccharomyces cerevisiae, que confere sabor natural de queijo às preparações. Nutritional Yeast Italian Vegan, por sua vez, é o tempero enriquecido com especiarias que dão um toque de sabor diferenciado ao produto. Além de realçar o sabor natural dos alimentos, enriquece a alimentação com proteínas, vitaminas do complexo B e minerais.

“Saiba mais sobre o Nutritional Yeast Vegan Cheese e o Nutritional Yeast Italian Vegan da Naiak!”

Nutritional Yeast Vegan Cheese: https://www.naiak.com.br/inicio/117-nutritional-yeast-vegan-cheese.html

Nutritional Yeast Italian Vegan: https://www.naiak.com.br/inicio/118-nutritional-yeast-italian-vegan.html

 

REFERÊNCIAS

ALONSO-DEL-REAL, J. et al. Effect of temperature on the prevalence of Saccharomyces non-cerevisiae species against a S. cerevisiae wine strain in wine fermentation: competition, physiological fitness, and influence in final wine composition. Frontiers in microbiology, v. 8, fev. 2017.

FIORINI, L.S. Dossiê: os minerais na alimentação. Food Ingredientes Brasil, n. 4, 2008. [Internet]. Disponível: <http://www.revista-fi.com/materias/52.pdf>. Acesso em: 20 fev. 2019.

TALBOTT, S.; TALBOTT, J. Effect of BETA 1, 3/1, 6 GLUCAN on upper respiratory tract infection symptoms and mood state in marathon athletes. Journal of Sports Science & Medicine, v. 8, n. 4, p. 509-515, dez. 2009.

TORRES, A. Notícias e resultados de pesquisas científicas sobre o mundo da Nutrição. O que é nutritional yeast (levedura nutricional)? Disponível em: <http://andreiatorres.com/blog/2016/11/12/o-que-nutritional-yeast-levedura-nutricional>. Acesso em: 20 fev. 2019.

USDA – United States Department of Agriculture. Yeast: Handling/Processing. [Internet]. Disponível em: <https://www.ams.usda.gov/sites/default/files/media/Yeast%20TR%20Handling%201-22-14%20final.pdf>. Acesso em: 20 fev. 2019.

Guaraná: energético natural e 100% brasileiro!

O guaraná, fruto do guaranazeiro (Paullinia cupana), tem origem amazônica e é cultivado em grande maioria no Brasil. Também conhecido como guaraná-da-amazônia, guaranaína, guaraná, uaraná ou narana, apresenta ação antioxidante, propriedades medicinais, estimulantes, afrodisíacas e cicatrizantes.

Amplamente consumido na forma de bebidas energéticas, também pode ser comercializado em formulações em pó, cápsulas e comprimidos a fim de fornecer energia, mais resistência e disposição ao organismo. O guaraná em pó advém da trituração das sementes após sua secagem, o que conserva boa quantidade de propriedades antioxidantes quando consumido regularmente.

A parte mais utilizada do guaraná são as sementes secas em razão de seu elevado teor de cafeína. Esta é caracterizada como o ingrediente ativo do guaraná, a cafeína tem ação estimulante extensivamente explorada e comprovada pela ciência. No entanto outros compostos bioativos como teobromina, teofilina, taninos, saponinas, entre outros, também exercem função importante. Atuando como importantes antioxidantes ao proteger o organismo contra o estresse oxidativo.

As propriedades funcionais do guaraná incluem um elevado teor de compostos fenólicos de reconhecida capacidade antioxidante, além do elevado conteúdo de cafeína presente nas sementes, em torno de 3 a 6% do peso do fruto. A literatura aponta que, dependendo da procedência do guaraná em pó, este pode conter até quatro vezes mais cafeína em comparação ao pó de café. O guaraná em pó é utilizado pela indústria farmacêutica para a elaboração de cápsulas com a finalidade estimulante, analgésica, antipirética, antifermentativa, diurética, antioxidante e como tônico vascular. Na medicina, o fruto é empregado como estimulante do sistema nervoso e cardiovascular, tratando o estresse físico e mental, bem como melhora a disposição e a redução da fadiga.

Outras propriedades podem ser atribuídas ao uso do guaraná, como seu benefício no tratamento de enxaquecas, sua ação anticancerígena, antimicrobiana, antiproliferativa, antidepressiva e na redução de distúrbios metabólicos. Estudos apontam, ainda, que o consumo do guaraná também é capaz de reduzir a agregação plaquetária in vitro e in vivo, além de proteger contra a ocorrência de lesões gástricas. Na área esportiva, com o intuito de potencializar o desempenho dos atletas, utiliza-se a cafeína como importante recurso ergogênico.

Em estudo cego de Silveira et al. (2018), foram avaliados o estado nutricional e os efeitos da suplementação de guaraná (Paullinia cupana) em cápsula sobre o desempenho físico de atletas adolescentes de jiu-jítsu. Os indivíduos ingeriram 5,5mg de cafeína/kg de peso corporal, dose média considerada eficiente pela literatura, 60 minutos antes do treino. Em comparação ao grupo placebo, os atletas que consumiram a cafeína demostraram maior tolerância ao exercício e melhor rendimento, além da diminuição da sensação de fadiga. Além de possuir um custo reduzido em comparação aos demais suplementos, o guaraná pode contribuir para melhorar o foco e a concentração, bem como o rendimento em esportes de força, agilidade e precisão.

Com múltiplos benefícios à saúde, o guaraná auxilia no combate à indisposição e pode ser um bom aliado no aumento do rendimento de esportistas e atletas, quando recomendado por profissional especializado. CLIQUE AQUI e saiba mais sobre o Guaraná em Pó e o Guaraná em Cápsulas da Naiak! 

 

REFERÊNCIAS

CAMPOS, A.F. Efeitos do guaraná (Paullinia cupana) na saúde cardiovascular: uma revisão sistemática. 2018. 98 fls. Dissertação (Pós-Graduação em Nutrição em Saúde Pública) – Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

SILVA, W.G. et al. Guaraná-Paullinia cupana, (HBK): Estudo da oxidação das formas em pó e em bastões defumados. Revista de Ciências Agroveterinárias, v. 14, n. 2, p. 117-23. 2015.

SILVEIRA, J.Q. et al. Efeito ergogênico da suplementação aguda de pó de guaraná em lutadores de jiu-jitsu. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, v. 12, n. 70, p. 246-54. 2018.

Curcumina: bioativo antitumoral da cúrcuma

A Curcuma longa L., também conhecida como açafrão-da-terra, é uma planta nativa da Ásia e tem no rizoma sua parte utilizável. Pode ser usada na área cosmética, têxtil, de alimentos e medicinal, atuando na prevenção e paliação de doenças.

Relatos na literatura associam o consumo da cúrcuma a benefícios relacionados às doenças biliares e hepáticas, à redução do colesterol, à melhora da cicatrização e a efeitos anti-inflamatórios, antitumorais e antiproliferativos a diversos tipos de tumores. Tais efeitos são possíveis graças à ação do principal composto bioativo da cúrcuma, a curcumina, responsável pela coloração característica do açafrão-da-terra.

A curcumina é um fitoquímico com imenso potencial anticancerígeno e que contribui na regulação de proteínas envolvidas em vias bioquímicas do câncer. Além de inibir a migração de células tumorais para outros tecidos, a curcumina também contribui para que células com potencial cancerígeno sofram um processo denominado apoptose, isto é, a morte programada de uma célula em razão de esta estar lesionada. Tal fenômeno ocorre diariamente em nosso organismo e é essencial para protegê-lo de possíveis mutações malignas que poderiam vir a desenvolver neoplasias. Alguns estudos ressaltam, ainda, que a curcumina tem habilidade para atuar como quimioprotetor na formação de metástases, sobretudo, em tumores de mama.

Em trabalho de Collino (2014), a autora ressaltou as inúmeras propriedades da curcumina na prevenção e no tratamento de tumores. A curcumina tem ação citotóxica, ou seja, tóxica para as células dependendo da concentração em que é utilizada e do tipo de célula maligna presente no meio. Tem-se visto que o bioativo apresenta capacidade para inibir o desenvolvimento e progressão do câncer não somente via apoptose, mas também por meio de outros mecanismos durante o processo tumorigênico. Ainda nesse contexto, a autora aponta para o potencial do fitoquímico em destruir células tumorais resistentes à quimioterapia, enfatizando seu uso isolado ou em conjunto no tratamento contra o câncer.

Além da curcumina apresentar benefícios ao organismo, sua administração é considerada segura e com baixo risco de toxicidade aos seres humanos. No entanto, quando ingerido, este bioativo é mal-absorvido, rapidamente metabolizado e eliminado pelo organismo, limitando, assim, sua eficácia. Nesse sentido, uma estratégia para potencializar a absorção é consumi-la juntamente com outros ativos, como a piperina, presente em variedades de pimenta-preta.

Com a capacidade de regular simultaneamente diversas vias metabólicas afetando, consequentemente, inúmeras moléculas no corpo, a curcumina tem potencial nutracêutico tanto no tratamento quanto na prevenção de doenças complexas, como o câncer; e consumi-la regularmente pode agregar densidade nutricional na dieta e contribuir para a saúde geral do organismo. CLIQUE AQUI e conheça a Cúrcuma Longa em Pó da Naiak, além de todos os benefícios da Cúrcuma Hot Mix ACESSANDO AQUI!

 

REFERÊNCIAS

COLLINO, L. Curcumina: de especiaria à nutracêutico. 2014. 87 fls. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Farmácia-Bioquímica) – Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Araraquara – Universidade Estadual Paulista, São Paulo, 2014.

FONTES, S.M.S. Curcuma longa L.: caracterização química e estudo da capacidade antioxidante. 2018. 64 fls. Dissertação (Mestrado em Ciência de Alimentos) – Faculdade de Engenharia de Alimentos, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2018.

OTONI, E.S.B.; NARDIN, J.M. Avaliação da citotoxicidade de curcuminóides em células linfocitárias normais. Cadernos da Escola de Saúde, v. 1, n. 11, p. 34-5. 2017.

SAUER, A.G.; LEIRIA, L.B. Curcumina como um potencial anti-tumoral. In: I SIMPÓSIO DE URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS E II SEMANA ACADÊMICA DO CURSO DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL. Anais… 2018.