Colágeno hidrolisado para a manutenção da saúde da pele, dos cabelos e das unhas

A preocupação quanto à qualidade de vida, ao aumento da longevidade, à vitalidade e beleza está cada vez mais levando o consumidor a buscar produtos que possam melhorar as condições de saúde e favorecer o bem-estar. O processo de envelhecimento é acompanhado da atenuação da síntese de vários componentes essenciais para o organismo, como o colágeno, uma das principais proteínas estruturais do tecido conjuntivo. Sua reposição, por meio de nutracêuticos, é uma importante alternativa para minimizar os impactos do envelhecimento da pele.

O colágeno hidrolisado é constituído de fragmentos curtos de proteína advindos de um processamento enzimático do colágeno nativo. O destaque na diferença em relação ao colágeno nativo é que essas proteínas são solúveis em água e apresentam elevado conteúdo proteico (90%).

Inúmeros estudos constatam a importância do colágeno na reconstituição da pele, dos ossos e dos tecidos cartilaginosos por aumentar a síntese de matriz extracelular. Um estudo clínico duplo-cego avaliou a ingestão diária regular de 2,5g e 5g de colágeno hidrolisado, em mulheres de 35 a 55 anos de idade, por um período de 4 a 8 semanas. Os resultados demonstraram melhora estatisticamente significativa na elasticidade da pele, com as duas dosagens testadas. Outros estudos associam também o uso de doses diárias de 10g de colágeno hidrolisado para a redução de dores articulares e melhora da mobilização de pacientes com osteoartrite e osteoporose.

A combinação do colágeno com vitamina C apresenta ação sinérgica no que diz respeito ao tônus e à firmeza da pele, pois essa vitamina está diretamente ligada à síntese de colágeno pelos fibroblastos. Outros nutrientes também atuam como cofatores dessa síntese, como zinco, que é capaz de auxiliar no equilíbrio hormonal e na síntese de proteínas, incluindo o colágeno. O selênio, considerado um mineral com alto poder antioxidante, também fortalece o sistema imunológico e auxilia na formação proteica. A vitamina D3 está associada à ativação de células tronco nos folículos capilares e na regulação na biologia da pele. Ainda, esta vitamina regula os níveis de cálcio e fosfato no organismo e garante que ossos, pele e unhas estejam fortes e bem nutridos.

Enfim, podemos então afirmar que o colágeno hidrolisado é um nutracêutico composto por aminoácidos que promovem a síntese endógena do colágeno no organismo, sendo eficiente para a saúde da pele, melhora na aparência capilar, fortalecimento das unhas e articulações, incluindo potente efeito benéfico no tratamento de doenças reumatológicas.

Referências:

 AMARAL, R. C.; SOLARI, H. P. “Crosslinking” de colágeno no tratamento de ceratocone. Rev. Bras. Oftalmol., v 68, n. 6, 2009.

BARONI, E. do R. V. et al. Influence of aging on the quality of the skin of white women. The role of collagen. Acta Cir. Bras., v. 27, n. 10, 2012.

CLARYS, P. et al. Comparison of Nutritional Quality of the Vegan, Vegetarian, Semi-Vegetarian, Pesco-Vegetarian and Omnivorous Diet. Nutrientes, v. 6, n. 3, p. 1318-1332, mar. 2014.

GROVER, C. N. et al. Crosslinking and composition influence the surface properties, mechanical stiffness and cell reactivity of collagen-based films. Acta Biomater., v. 8, n. 8, p. 3080-90, 2012.

SILVA, T. F.; PENNA, A. L. B. Colágeno: Características químicas e propriedades funcionais. Rev. Inst. Adolfo Lutz, São Paulo, v. 71, n.3, 2012.

ZIEGLER, F. La F.; SGARBIERI, V. C. Caracterização químico nutricional de um isolado proteico de soro de leite, um hidrolisado de colágeno bovino e misturas dos dois produtos. Rev. Nutr., v. 22, n. 1, 2009.

KHASSAF, M. et al. Effect of vitamin C supplements on antioxidant defence and
stress proteins in human lymphocytes and skeletal muscle. The Journal of Physiology, v. 549, n. 2, p. 645-652, 2003.

PROKSCH, E. et al. Oral supplementation of specific collagen peptides has beneficial effects on human skin physiology: a double-blind, placebocontrolled study. Skin Pharmacology and Physiology, v. 27, n.1, p.47-55, 2014.

MACIEL, D.; OLIVEIRA, G. G. Prevenção do envelhecimento cutâneo e
atenuação de linhas de expressão pelo aumento da síntese de colágeno. In: V
CONGRESSO MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE: ATENÇÃO AO IDOSO.  Anais… 2011.

SEO, H. et al. Zinc may increase bone formation through stimulating cell proliferation, alkaline phosphatase activity and collagen synthesis in osteoblastic MC3T3-E1 cells. Nutrition Research and Practice, V.4, n.5, p. 356-361, 2010.

BOLLAG, W. B. Differentiation of human keratinocytes requires the vitamin D receptor and its coactivators. J Invest Dermatol., v. 127, p. 748–750, 2007.

CIANFEROTTI, L. et al. Vitamin D receptor is essential for normal keratinocyte stem cell function. Proc Natl Acad Sci USA, v. 104, p. 9428–9433, 2007.

BOLLAG, W. B. Mediator1: An Important Intermediary of Vitamin D Receptor–Regulated Epidermal Function and Hair Follicle Biology. J Investig Dermatol Journal of Investigative Dermatology, v. 132, n.4, p. 1068-1070, 2007.

Três cuidados estéticos e clínicos para a saúde da mulher

O ciclo de vida feminino é caracterizado por diversas mudanças e requer atenção especial em alguns aspectos para manter a saúde. Isso porque as mulheres atravessam períodos complexos e delicados como a gravidez e a menopausa, e, portanto, os cuidados devem ser redobrados em todas essas fases, sendo a nutrição adequada essencial:

Melhora da estética corporal

Os compostos antioxidantes, com destaque aos polifenóis, betacaroteno, vitaminas A, C e E, zinco, selênio, entre outros, são indispensáveis para a estética em geral. A vitamina C, por exemplo, atua na síntese de colágeno para melhorar a saúde da pele, fortalece o sistema imune, reduz o estresse oxidativo e atua na síntese de gordura. Pode agir em sinergia com as vitaminas A e E e o selênio, potencializando a ação antioxidante corporal. Muitos suplementos na nutrição estética que forneçam esses nutrientes podem ser utilizados no dia a dia, em busca desses resultados.

Redução dos sintomas da menopausa

A menopausa, também conhecida como climatério, é dividida em fases caracterizadas por alterações hormonais e físicas que merecem estratégias nutricionais especializadas. Uma é a fase pós-menopausa, em que as mulheres estão em idade compatível com a menopausa natural, com amenorreia há mais de um ano; e outra é a pré-menopausa, que corresponde ao período em que mulheres, com mais de 40 anos, apresentam sangramento irregular. As alterações hormonais podem comprometer a saúde do tecido ósseo, propiciar a redução da libido e aumentar o risco de doenças cardiovasculares. Pesquisas mostram que a suplementação com óleo de prímula, extraído, por prensagem a frio, das sementes de Oenothera biennis, apresenta grandes propriedades terapêuticas no controle dos sintomas da menopausa devido à sua composição de ácidos graxos essenciais, principalmente o ômega-6 (ácido gama-linolênico). O óleo de borragem também é capaz de contribuir para minimizar os sintomas nesse período.

Prevenção do envelhecimento precoce

O envelhecimento celular que desencadeia alterações na pele é um incômodo comum entre as mulheres. A partir dos 30 anos, o corpo tende a produzir menos colágeno, impedindo que os fibroblastos recebam informações mecânicas, o que provoca um desequilíbrio entre a produção de colágeno e a ação de enzimas que o degradam. Esse fator resulta em uma pele com aspecto envelhecido, unhas e cabelos frágeis e quebradiços. A suplementação com colágeno hidrolisado contribui para o aumento da elasticidade, firmeza e hidratação da pele, dos cabelos e das unhas, retardando todo o processo de envelhecimento.

REFERÊNCIAS

 AL-KHAMEES, W. A. et al. Status epilepticus associated with borage oil ingestion. J Med Toxicol., Philadelphia, v. 7, n. 2, p. 154-157, 2011.

BAYLES, B.; USATINE, R. Evening primrose oil. Am Fam Physician., Kansas City, v. 80, n. 12, p. 1405-1408, 2009.

FEDERAÇÃO BRASILEIRA DAS ASSOCIAÇÕES DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA. SOCIEDADE BRASILEIRA DE MEDICINA DE FAMÍLIA E COMUNIDADE. Tensão pré-menstrual. Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina. 2011.

FEDERAÇÃO BRASILEIRA DAS SOCIEDADES DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA. Projeto Diretrizes. Climatério: atenção primária e terapia hormonal. Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina. 2008.

XAVIER, H. T. et al. V Diretriz Brasileira de Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose. Arq. Bras. Cardiol, São Paulo, v. 101, n. 4, p. 1-20, out. 2013.

SCHULZE, B. N. et al. Efeito da Suplementação de Óleo de Cártamo sobre o Perfil Antropométrico e Lipídico de Mulheres com Excesso de Peso Praticantes de Exercício Físico. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, Blumenau, v. 18, n. 4, p. 89-96, 2014.

PUJOL, A. P. Nutrição Aplicada a Estética. Rio de Janeiro: Rubio, 2011.

O eficiente efeito antioxidante do óleo de pequi na saúde do atleta e esportista

Diversas pesquisas têm relatado o crescente aumento de pessoas que buscam ter mais qualidade de vida. Um dos fatores relacionados é a prática de exercício físico, e, nesse sentido, segundo a pesquisa Vigitel 2013 (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônica), o percentual de pessoas que praticam atividades físicas durante o tempo livre passou de 30,3% para 33,8% em cinco anos.

 O treinamento físico induz adaptações benéficas ao organismo, mas exercícios extenuantes ou com frequência de treinamento muito elevada aumentam a geração de espécies reativas de oxigênio (ERO), assim, resultando em danos oxidativos no DNA e nos tecidos. Dessa forma, o consumo diário de antioxidantes é de extrema relevância para atletas e esportistas porque essas substâncias atuam contra os danos oxidativos causados por ERO, que, quando aumentados, estão relacionados à indução de câncer, aterosclerose e outras doenças degenerativas.

Evidências científicas apontam a eficácia do óleo de pequi como complemento na alimentação de atletas por sua alta densidade nutritiva. O pequi – Caryocar brasiliense Camb – é um fruto oleaginoso típico do cerrado brasileiro que apresenta alto valor nutricional por ser rico em compostos que desempenham um importante papel na saúde, como antioxidantes, ácidos graxos, vitaminas e minerais. Dentre esses, destacam-se o elevado teor de lipídios, compostos fenólicos e carotenoides totais.

O óleo de pequi é um produto natural obtido a partir da polpa do pequi, por um processo de extração a frio seguido de ultrafiltração, que permite manter suas propriedades nutricionais. Seus carotenoides antioxidantes atuam em equilíbrio e podem auxiliar na prevenção de lesões oxidativas em atletas que sobrecarregam a capacidade dos sistemas antioxidantes endógenos devido à frequência de treinamento elevada e exercício intenso praticado.

Um estudo avaliou os efeitos antioxidantes do óleo de pequi contra os danos oxidativos induzidos pelo exercício em 76 homens e 49 mulheres atletas corredores de rua voluntários. Foi realizada coleta de sangue, antes e após a corrida, ao ar livre, em terreno plano, e, nesse período, foi oferecido 400mg de óleo de pequi em cápsulas por 14 dias. Ainda, foram investigados os polimorfismos dos genes Mn – SOD – (Val9Ala), CAT (21A-T), GPX1 (Pro198Leu) e Hp para garantir a não interferência no resultado. Dos resultados do estudo, foi demonstrada a redução significativa da anisocitose, o que revela o eficiente efeito protetor do óleo de pequi em reduzir a inflamação provocada pelo exercício agudo.

Assim, concluiu-se, por meio de evidências, que o consumo do óleo de pequi é uma alternativa eficiente para manutenção da homeostase do corpo contra os desequilíbrios fisiológicos causados pelo intenso esforço físico.

 

REFERÊNCIAS

 CARDOSO, L. M. et al. Características químicas e compostos bioativos de pequi frutas cozidas ( Caryocar brasiliense Camb.) Da Savana Brasileira. Frutas. v. 68, n. 1, p. 3-14, 2013.

LIMA, A. et al. Composição química e compostos bioativos presentes na polpa e na amêndoa do pequi (Caryocar brasiliense, Camb.). Rev. Bras. Frutic., Jaboticabal, v. 29, n. 3, p. 695-698, 2007.

GRISOLIA, C. Propriedades antioxidantes, anti-inflamatórias e fitoterápicas do óleo e do extrato da polpa do pequi (Caryocar brasiliense). Revista Brasileira de Nutrição Funcional, Ano 17. Edição 69.

VILELA. A. L. M. Avaliação dos efeitos antigenotóxicos, antioxidantes e farmacológicos de extratos da polpa do fruto do pequi (Caryocar brasiliense CAMB). 2009. Dissertação (Pós-graduação em Biologia) – Instituto de Ciências Biológicas da Universidade de Brasília, Brasília.

STULTS-KOLHMAINEN, M.; SINHA, R. The effects of stress on physical activity and exercise. Sports Med., v. 44, n. 1, p. 81-121, Jan. 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Vigilância de Fatores de Risco E Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico – VIGITEL. Disponível em: <https://biavati.files.wordpress.com/2014/05/vigitel-2013.pdf>. Acesso em: 19 fev. 2018.