Guia de chás para seu dia a dia

Por dentro do universo dos chás

A fitoterapia é um campo da medicina que utiliza plantas para tratar doenças ou como agentes promotores de saúde. O seu uso mais tradicional, geralmente, inclui toda a parte da planta, na forma de chás, como estratégia de prevenção e tratamento de diversas desordens.

Os chás de ervas e especiarias, há muito tempo, são utilizados como veículos terapêuticos nos sistemas de saúde chinês, indiano e em diferentes povos indígenas. Podem ser feitos a partir da infusão ou decocção, na água, de raízes, folhas, flores e outros componentes de uma gama extremamente diversificada de espécies vegetais. Eles contêm uma grande variedade de compostos e podem desempenhar um papel significativo no fornecimento de nutrientes e compostos bioativos.

Qual das ervas e especiarias escolher?

A grande variedade de plantas medicinais existentes pode confundir na hora de escolher o chá a ser incluso na rotina! Por isso, é importante conhecer bem as propriedades e os benefícios de cada planta, além do nome científico e a parte mais indicada a ser utilizada, de forma a incluir o chá que seja o mais indicado.

Camomila (Matricaria recutita)

Uma planta milenar, presente principalmente na Europa e nas Américas, com aroma e sabor bem característicos! Seus principais compostos bioativos são os sesquiterpenos  (por exemplo, bisabolol, farneseno), sesquiterpenelactonas (por exemplo, chamazuleno, matricina), flavonoides (por exemplo, apigenina, luteolina) e óleos voláteis, que são os principais responsáveis por seus diversos benefícios para a saúde, sendo extraídos na infusão das flores. Devido à presença dos óleos voláteis, é importante que essa extração seja realizada de forma abafada. Ela é comumente usada para o manejo da ansiedade, depressão e insônia. Embora os mecanismos específicos de ação por trás dos seus benefícios ainda sejam desconhecidos, principalmente os flavonoides desta erva demonstraram capacidade de modular várias vias de neurotransmissores, incluindo noradrenalina, dopamina, serotonina e ácido gama-aminobutírico (GABA). Além disso, ela também está associada com a melhora de desconfortos gastrointestinais, como em episódios de diarreia e na melhora da mastalgia associada à Síndrome Pré-Menstrual.

Hibisco (Hibiscus sabdariffa)

Pertencente à família Malvaceae, é amplamente cultivado em muitos países. Esta planta é rica em fitoquímicos como polifenóis – principalmente antocianinas, polissacarídeos e ácidos orgânicos ‒, e em nutrientes como ferro e vitamina C, tendo, portanto, uma enorme perspectiva para usos terapêuticos. A parte mais utilizada para o preparo de infusões, que podem ser consumidas frias ou quentes, são as flores. Entre os principais potenciais terapêuticos está o auxílio do tratamento da hipertensão arterial por atuar reduzindo os níveis de pressão, também, pelo seu efeito antidiurético, além da presença de seus compostos bioativos, que, consequentemente, contribuem na redução do acúmulo de líquidos. Também contribui para a redução dos níveis de ácido úrico. Ao hibisco também é atribuído efeitos anti-hiperlipidêmico, melhorando as concentrações séricas de colesterol, e anti-inflamatório, podendo contribuir para o tratamento da obesidade e as condições associadas a esta.

Hortelã (Mentha piperita L.)

É cultivada principalmente na Europa, Ásia, Estados Unidos, Índia e países do Mediterrâneo devido ao seu valor comercial e aroma particular. É rica em mentol, mentona, acetato de mentil, compostos fenólicos lignanos e estilbenos, flavonoides e óleos essenciais, que promovem benefícios à saúde. Suas folhas e partes aéreas são as mais utilizadas para o preparo das infusões. Seu uso promove melhora da digestão e redução de desconfortos intestinais, como gases e dores, inclusive, em quadros de Síndrome do Intestino Irritável, além de auxiliar no tratamento da inflamação da garganta e de resfriados graças às suas ações antiviral e antifúngica.

Chá-verde (Camellia sinensis)

Um chá consumido há séculos no Japão e China e que ganhou o restante do mundo devido aos seus efeitos benéficos à saúde de forma abrangente, principalmente relacionados à presença da epigalocatequina-3-galato, mas também em razão a outros nutrientes e compostos bioativos, como ácido clorogênico e gálico, l-theanina, cafeína, manganês, cromo, quercetina, proantocianidinas e outros. O chá-verde possui propriedades anti-inflamatória, antioxidante, anticolagenase, anticancerígena, termogênica e fotoprotetora e, por isso, pode ser utilizado como aliado na perda de peso, contra o fotoenvelhecimento e flacidez, no controle glicêmico, na prevenção da hipertensão arterial, etc. A infusão das suas folhas é a melhor forma de consumi-lo.

Erva-cidreira (Melissa officinalis)

A erva-cidreira ou melissa é uma planta medicinal que, há muito tempo, é utilizada em diferentes sistemas de saúde, principalmente na Europa, para o tratamento de várias doenças. Ela contém compostos voláteis, triterpenoides, ácidos fenólicos e flavonoides e possui atividades ansiolítica, antiviral e antiespasmódica, sendo aliada no tratamento da depressão, insônia e ansiedade, melhorando humor, cognição e memória, além de contribuir na redução de gases e na redução de espasmos musculares, melhorando dores gastrointestinais. Os principais mecanismos propostos para seus efeitos se dão por uma atividade inibitória da AChE, da estimulação dos receptores acetilcolina e GABA, bem como a inibição da matriz metaloproteinase-2.

Boldo (Peumus boldus)

Originário do Chile, o boldo é uma erva de sabor marcante, sendo uma erva que apresenta poucos relatos na literatura, mas apoonta-se sua eficácia no tratamento de desordens como dispepsia funcional, gastrite e parasitores do trato digestivo. A parte mais utilizada são as folhas na forma de infusão.

Carqueja (Baccharis trimera)

É uma planta amplamente distribuída na América do Sul e tem sido tradicionalmente usada para tratar várias doenças, particularmente associadas a distúrbios hepáticos e gástricos, promovendo proteção hepática e auxiliando na recuperação da mucosa do estômago e no tratamento de desordens como dispepsia funcional, gastrite. As partes aéreas e folhas são as utilizadas para realizar a infusão. Os seus benefícios ocorrem devido à presença de compostos bioativos como flavonoides, terpenos e ácido clorogênico.

Para aproveitar esses benefícios é fundamental a escolha de ervas de qualidade superior, assim como os Chás Preservar da #Naiak! Toda a linha é formulada com as partes indicadas das ervas, de forma que promovam seus efeitos terapêuticos, com o controle na produção e responsabilidade socioambiental. Todo o cuidado para oferecer o melhor da natureza para sua saúde!

 

Referências

FALZON, C. C.; BALABANOVA, A. Phytotherapy. Primary Care: Clinics in Office Practice, v. 44, n. 2, p. 217-227, 2017.

POSWAL, F. S. et al. Herbal Teas and their Health Benefits: A Scoping Review. Plants Foods for Human Nutrition, v. 74, n. 3, p. 266-276, 2019.

MIRAJ, S.; ALESAEIDI, S. A Systematic Review Study of Therapeutic Effects of Matricaria Recuitta Chamomile (Chamomile). Electronic Physician, v.8, n.9, p. 3024-3031, 2016.

SAGHAFI, N. et al. Effectiveness of Matricaria chamomilla (chamomile) extract on pain control of cyclic mastalgia: a double-blind randomised controlled trial. Journal of Obstetrics and Gynaecology, v. 38, n. 1, p. 81-84, 2018.

RIAZ, G.; CHOPRA, R. A review on phytochemistry and therapeutic uses of Hibiscus sabdariffa L. Biomedicine & Pharmacotherapy, v. 102, p. 575-586, 2018.

MAHENDRAN, G.; RAHMAN, L-U. Ethnomedicinal, phytochemical and pharmacological updates on Peppermint (Mentha × piperita L.)-A review. Phytotherapy Researchn, 2020.

PASTORIZA, S. et al. Healthy properties of green and white teas: an update. Food & Function, v. 8, n. 8, p. 2650-2662, 2017.

CHU, C. et al. Green Tea Extracts Epigallocatechin-3-gallate for Different Treatments. BioMed Research International, v. 2017, 2017.

MALONGANE, F.; MCGAW, L. J.; MUDAU, F.N. The synergistic potential of various teas, herbs and therapeutic drugs in health improvement: a review. Journal of The Science of Food and Agriculture, v. 97, n. 14, p. 4679-4689, 2017.

SHAKERI, A.; AMIRHOSSEIN SAHEBKAR, A.; JAVADI, B. Melissa officinalis L. – A review of its traditional uses, phytochemistry and pharmacology. Journal of Ethnopharmacolology, v. 188, p. 204-228, 2016.

SAAD, G. A. et al. Fitoterapia Contemporânea: Técnica e Ciência na prática Clínica. 2. ed. São Paulo: Editora Guanabara Koogan LTDA. 2016.

SILVEIRA, A. C. R.; COSTA, D. C. A review of biological and pharmacological activities of Baccharis trimera. Chemico-Biological Interactions. Chemico-Biological Interactions, v. 296, p. 65-75, 2018

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *