Por Dentro do Projeto Preservar

Como nasceu o projeto

Em agosto de 2001, por iniciativa da FARMACOTÉCNICA – Farmácia de Manipulação de Brasília, nasce o Projeto Preservar, que tinha como intuito estimular a preservação do meio ambiente e disseminar o conhecimento das propriedades terapêuticas e medicinais das ervas e especiarias cultivadas nas chácaras do Núcleo Rural Vargem Bonita, em Brasília. O foco são os estudantes e educadores das redes pública e privada de ensino, profissionais da área da saúde e a comunidade do Distrito Federal.

Propósito

O propósito do Projeto Preservar é que as novas gerações conheçam a natureza, aprendam a valorizá-la e, dessa forma, ajudem na sua preservação.

A chácara na Vargem Bonita

Pioneira no cultivo de ervas e especiarias medicinais, cerca de 30 espécies são cultivadas na unidade e processadas em uma área especialmente projetada para tal fim, com equipamentos altamente modernos.

No local são cultivadas, inclusive, espécies que não são típicas do Cerrado e que foram climatizadas para se adaptar ao clima da região central do país. Um exemplo é a espinheira-santa, uma planta nativa da Região Sul e que, até então, não se adaptava a outros ambientes fora daquele natural.

Entre as espécies cultivadas na chácara da empresa estão a camomila, erva-cidreira, Aloe vera, cúrcuma, gengibre, hibisco, capim-santo, guaco, carqueja, hortelã e stevia.

A Naiak

Neste mesmo local, em agosto de 2010, nasceu a NAIAK com o objetivo de apoiar e expandir essa cultura de preservação e valorização da natureza por todo o Brasil. É onde até hoje a grande parte dos chás e das especiarias que fazem parte da linha de produtos é cultivada.

Participação dos alunos no projeto – objetivo e como funciona

Os alunos são as peças fundamentais do Projeto Preservar. Além de estimulá-los ao manejo, ao cultivo, à colheita, ao armazenamento e à transformação das ervas e especiarias medicinais, ele se propõe a ensinar o conhecimento milenar das plantas aos jovens, aproximando-os da natureza.

Durante muitos anos, eram apenas os alunos do Centro de Ensino Fundamental de Vargem Bonita que faziam parte dessa vivência. Depois, ingressaram os alunos da Escola Classe Ipê, ambas as escolas públicas da região. De julho a agosto, os alunos se dividem entre a escola e a chácara, tendo aulas teóricas e práticas e, assim, tornam-se monitores do Projeto Preservar na época da colheita da camomila.

Na ocasião, todos têm a oportunidade de conhecer os canteiros de ervas medicinais, os laboratórios onde são feitas demonstrações da produção de extrato de algumas plantas e a parte de processamento de secagem destas. Essa experiência possibilita aos alunos monitores um aprendizado mais rico, pois as informações teóricas, tratadas no cotidiano escolar, ganham uma dimensão real no momento da prática.

Cultivo nas escolas

Fazem parte do Projeto Preservar uma série de atividades, entre as quais se destaca a plantação de ervas medicinais nas próprias escolas parceiras, sendo que mais de dez espécies são cultivadas, entre elas estão: estévia, capim-santo, guaco, camomila, carqueja, espinheira-santa e hortelã-pimenta.

Palestras e oficinas

Durante o projeto são promovidos, nas escolas participantes, programas de palestras e de oficinas para os alunos sobre temas relacionados com os processos industriais de produtos de origem vegetal e a preservação do meio ambiente. São aulas práticas sobre produção de adubo orgânico, produção experimental de cosméticos e coleta e secagem de ervas medicinais.

Ervas e especiarias no combate à COVID-19!

Vivemos a pior pandemia dos últimos 100 anos. Segundo dados atualizados da Organização Mundial da Saúde (OMS), até o dia 3 de maio, foram confirmados 3.349.786 casos de COVID-19 no mundo, com um total de 238.628 mortes, desafiando os sistemas de saúde mundiais.

Pelo fato do novo coronavírus ainda não possuir um tratamento específico e vacina é importante utilizar estratégias que fortaleçam o sistema imunológico. E é por isso que a nutrição se torna uma grande aliada, visto que diversos nutrientes são essenciais para garantir seu funcionamento adequado no combate efetivo a diversas infecções por patógenos.

Além disso, alguns compostos bioativos presentes nos alimentos podem agregar benefícios extras nessa defesa, inclusive, contra o novo coronavírus. Um estudo recente, conduzido por Khaerunnisa et al. (2020), demonstrou como algumas substâncias presentes em ervas e especiarias, algumas já descritas na literatura com poder antiviral, também poderiam ser capazes de inativar a protease principal (Mpro) ou protease do tipo quimotripsina (3CLpro) da COVID-19.

A Mpro da COVID-19 é essencial para a maturação proteolítica do vírus e vem sendo examinada como um possível alvo terapêutico para impedir a disseminação da infecção, inibindo a clivagem da poliproteína do vírus e, assim, sua replicação. Medicamentos como nelfinavir e lopinavir são inibidores de protease com alto poder citotóxico contra células infectadas; ritonavir e também o lopinavir são inibidores de protease recomendados para o tratamento da SARS e MERS.

Os autores utilizaram o nelfinavir e lopinavir como padrões de medicamentos para comparação com os compostos bioativos, através de análise utilizando dados computacionais. Foram investigados o kaempferol, a quercetina, a luteolina-7-glucosídeo, adesmetoxicurcumina, a naringenina, apigenina-7-glucosídeo, oleuropeína, curcumina, catequina, epicatequina-galato, zingerol, gingerol e alicina como potenciais candidatos a inibidores da Mpro da COVID-19.

A alta afinidade dos compostos dos medicamentos depende do tipo e da quantidade de ligações que ocorrem com o sítio ativo da proteína do vírus. E, assim, é o que se espera observar em relação aos compostos. E, como resultado do estudo, algumas das substâncias encontradas em plantas tiveram resultados farmacóforos semelhante ao nelfinavir, que é um medicamento que já vem sendo estudado in vitro contra a COVID-19. Ou seja, alguns compostos se ligam ao sítio ativo da proteína viral.

Os pesquisadores concluíram que kaempferol, quercetina, luteolina-7-glucosídeo, apigenina-7- glucosídeo, naringenina, oleuropeína, desmetoxicurcumina, curcumina, catequina e epigalocatequina foram os compostos encontrados em plantas medicinais com maior potencial de inibição da Mpro da COVID-19, que devem ser mais explorados em pesquisas futuras. Veja na tabela a seguir onde encontrar esses compostos para que sejam inclusos na alimentação e, assim, propiciar muito mais do que sabor e saúde.

Compostos Bioativos
Alimentos nos quais são encontrados
– Kaempferol
Endro, repolho, espinafre
– Quercetina
Cebola, endro, maçã, orégano, pimenta (Capsicum annum)
– Luteolina-7-glucosídeo
Azeitona, azeite, carambola, pimenta, cebolinha
– Apigenina-7- glucosídeo
Carambola, gojiberry, salsão, azeitona, azeite
– Naringenina
Frutas cítricas
– Oleuropeína
Azeitona, azeite
– Desmetoxicurcumina e curcumina
Cúrcuma
– Catequina e epigalocatequina
Chá-verde

 

Referências

OMS, Organização Mundial da Saúde. Folha informativa – COVID-19 (doença causada pelo novo coronavírus). Disponível em: <https://www.paho.org/bra/>. Acesso em: 04 maio 2020.

KHAERUNNISA, S. Potential Inhibitor of COVID-19 Main Protease (Mpro) from Several Medicinal Plant Compounds by Molecular Docking Study. Preprint, 2020.