Azeite de pequi: saúde que reflete no sabor e no organismo!

O pequi (Caryocar brasiliense, Camb.) é cultivado em todo o território que abrange o Cerrado brasileiro e também no Nordeste do país. De grande valor econômico e cultural, o pequi, consumido regularmente, contribui para a prevenção de doenças degenerativas em razão de seu elevado teor de antioxidantes, vitaminas C e E, carotenoides e polifenóis.

O consumo de pequi em preparações culinárias, bem como na forma de dermocosméticos e nutracêuticos, pode promover benefícios à saúde enfatizados pela ciência. Estudos apontam que o extrato etanólico do fruto possui conteúdo fenólico e atividade antioxidante que ocorrem através de moléculas bioativas. O óleo de pequi, por sua vez, tem sido associado à redução dos processos inflamatórios de doenças crônicas e autoimunes, como, por exemplo, o lúpus.

pequi

Vilela et al. (2009) avaliaram as propriedades anti-inflamatórias do óleo de pequi e de seus efeitos na lipemia pós-prandial e na pressão arterial de atletas masculinos e femininos. Os atletas foram avaliados antes e após uma corrida – realizada sob o mesmo ambiente e sob as mesmas condições de treino ‒, após ingerirem 400mg de cápsulas de óleo de pequi, ao longo de 14 dias. O consumo do óleo de pequi contribuiu para prevenir, não só a inflamação, mas, também, para reduzir o colesterol ruim (LDL), sobretudo, em atletas masculinos e com mais de 45 anos.

Alimentos elaborados a partir de subprodutos do fruto, como o azeite de pequi, também, têm chamado atenção em razão de seus benefícios à saúde. O azeite de pequi possui coloração vermelho-alaranjada devido à elevada quantidade de carotenoides, sobretudo, betacaroteno com ação pró-vitamina A. Muito tem-se explorado a respeito dos benefícios dos carotenoides na prevenção de doenças como câncer e do aparelho circulatório, uma vez que eles podem inibir a oxidação das moléculas de LDL colesterol, evitando sua deposição na parede de vasos e artérias. Quanto aos ácidos graxos, Facioli e Gonçalves (1998) demonstraram que o azeite de pequi se constitui, principalmente, pelos ácidos oleico (ômega-9) e palmítico (ácido graxo saturado), além de pequenas quantidades de ácido esteárico, linoleico, entre outros.

Extraído de forma artesanal, o azeite de pequi pode ser empregado em receitas culinárias, aumentando a densidade nutricional e incorporando mais sabor e aroma nas preparações. Em dissertação de Rodrigues (2011), a autora avaliou os efeitos da substituição do óleo de soja pelo azeite de pequi na formulação da maionese, produto largamente consumido no mundo todo. Os resultados revelaram que a maionese à base de azeite de pequi, de maneira geral, apresentou características compatíveis em relação àquelas presentes na receita à base de óleo de soja. Dessa forma, o uso do azeite de pequi na preparação contribuiu para melhorar a qualidade da receita e pode, ainda, estimular o consumo de betacaroteno na população. A autora ressalta também que, devido à composição de ácidos graxos relativamente simples do azeite de pequi, este pode ser um potencial ingrediente para substituir outros ácidos graxos de chocolates e frituras.

Em vista da qualidade nutricional e sensorial, o azeite de pequi pode melhorar o teor nutricional da dieta, estimular a produção sustentável do pequi no Cerrado brasileiro e conferir às preparações culinárias sabores e aromas diferenciados. O Azeite de Pequi da Naiak não contém conservantes e não passa pelo processo de refinamento, dessa forma, mantendo as propriedades desse poderoso fruto. CLIQUE AQUI e saiba mais!

Tags: azeite de pequi, pequi, densidade nutricional, cerrado, receitas, vitamina E, óleo de pequi, carotenoides, antioxidantes, compostos bioativos.

REFERÊNCIAS

FACIOLI, N.L.; GONÇALVES, L.A.G. Modificação por via enzimática da composição triglicerídica do óleo de pequi (Caryocar brasiliense, Camb.). Química Nova, v. 21, n. 1, p. 16-9, 1998.

LIMA, A. et al. Composição química e compostos bioativos presentes na polpa e na amêndoa do pequi (Caryocar brasiliense, Camb.). Revista Brasileira de Fruticultura, v. 29, n. 3, p. 695-8, dez. 2007.

MONTALVAO, T.M. et al. Anti-inflammatory Effect of Antioxidant Pequi (Caryocar brasiliense) Oil Capsules and Antioxidant Effect of Vitamin D and Physical Activity on Systemic Lupus Erythematosus Patients. Journal of Rheumatic Diseases and Treatment, v. 2, n. 1, p. 1-7, 2016.

RAMOS, K.M.C. e SOUZA, V.A.B. Características físicas e químico-nutricionais de frutos de pequizeiro (Caryocar coriaceum Wittm.) em populações naturais da região Meio-Norte do Brasil. Revista Brasileira de Fruticultura, v. 33, n. 2, p. 500-8, 2011.

RODRIGUES, Mara Lina. Pequil oil: effect of heating to temperature of frying and use as ingredients in the formulation of mayonnaise. 2011. 94fls. Dissertação (Mestrado em Ciências Agrárias – Agronomia) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2011.

RODRIGUES, M. L. et al. Cinética da degradação de carotenoides e da alteração de cor do azeite de pequi submetido ao aquecimento em temperatura de fritura. Ciência Rural, v. 43, n. 8, p. 1509-15, ago. 2013.

RODRIGUES, Mara Lina. Avaliação das características físico-químicas e dos compostos bioativos do azeite de pequi sob diferentes condições de aquecimento. 2017. 144fls. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, São Jose do Rio Preto – SP, 2017.

VILELA, A.L.M. et al. Pequi fruit (Caryocar brasiliense Camb.) pulp oil reduces exercise-induced inflammatory markers and blood pressure of male and female runners. Nutrition research, v. 29, n. 12, p. 850-8, 2009.

Levedura nutricional – tempero proteico e saboroso!

A levedura nutricional (ou nutritional yeast) é um suplemento elaborado a partir do fungo Saccharomyces cerevisiae e tem conquistado o paladar dos consumidores em razão do seu sabor e da densidade de nutrientes.

Ao proliferar, o micro-organismo produz uma espécie de fermentado rico em vitaminas do complexo B e minerais que, após processamento industrial, resulta na levedura nutricional. Com baixo valor calórico, o suplemento possui ácido glutâmico livre, um aminoácido não essencial que aumenta a especificidade das papilas gustativas para sentir o sabor salgado dos alimentos. A levedura nutricional contém, ainda, zinco, cromo, ferro e magnésio em sua composição.

Quando usada como tempero, realça o sabor dos alimentos e confere um sabor azedinho semelhante ao do queijo. Pode ser adicionada a diversas preparações como saladas, molhos, sopas, recheios, snacks, entre outras receitas, incrementando a dieta de vegetarianos e veganos em razão das altas concentrações de vitaminas, sobretudo, cobalamina (B12), e por não conter nenhum produto de origem animal. Propicia sabor aos alimentos ao mesmo tempo que fornece vitaminas, proteínas e sais minerais, estimulando também a redução no consumo de sal. Por seu conteúdo nutricional, sabor e benefícios ao organismo, pode ainda ser usada para complementar a prescrição de indivíduos com restrições alimentares e/ou deficiência de micronutrientes.

A literatura aponta para os benefícios, para a atividade física, dos suplementos à base de leveduras. Talbott e Talbott (2009) avaliaram os efeitos da suplementação com a fibra solúvel betaglucana, isolada do fungo Saccharomyces cerevisiae, na diminuição da fadiga, dos sintomas respiratórios e no aumento do vigor de maratonistas e atletas de resistência. Em comparação ao grupo placebo, os resultados mostraram que os atletas que consumiram cerca de 200mg ou 500mg do suplemento à base da levedura antes do exercício apresentaram menor cansaço físico e sintomas respiratórios, além de maior disposição.

Nutritional Yeast é a levedura nutricional em flocos da Naiak, disponível nos sabores:  Vegan Cheese e Italian vegan. Nutritional Yeast Vegan Cheese é o suplemento, a partir do extrato da levedura Saccharomyces cerevisiae, que confere sabor natural de queijo às preparações. Nutritional Yeast Italian Vegan, por sua vez, é o tempero enriquecido com especiarias que dão um toque de sabor diferenciado ao produto. Além de realçar o sabor natural dos alimentos, enriquece a alimentação com proteínas, vitaminas do complexo B e minerais.

“Saiba mais sobre o Nutritional Yeast Vegan Cheese e o Nutritional Yeast Italian Vegan da Naiak!”

Nutritional Yeast Vegan Cheese: https://www.naiak.com.br/inicio/117-nutritional-yeast-vegan-cheese.html

Nutritional Yeast Italian Vegan: https://www.naiak.com.br/inicio/118-nutritional-yeast-italian-vegan.html

 

REFERÊNCIAS

ALONSO-DEL-REAL, J. et al. Effect of temperature on the prevalence of Saccharomyces non-cerevisiae species against a S. cerevisiae wine strain in wine fermentation: competition, physiological fitness, and influence in final wine composition. Frontiers in microbiology, v. 8, fev. 2017.

FIORINI, L.S. Dossiê: os minerais na alimentação. Food Ingredientes Brasil, n. 4, 2008. [Internet]. Disponível: <http://www.revista-fi.com/materias/52.pdf>. Acesso em: 20 fev. 2019.

TALBOTT, S.; TALBOTT, J. Effect of BETA 1, 3/1, 6 GLUCAN on upper respiratory tract infection symptoms and mood state in marathon athletes. Journal of Sports Science & Medicine, v. 8, n. 4, p. 509-515, dez. 2009.

TORRES, A. Notícias e resultados de pesquisas científicas sobre o mundo da Nutrição. O que é nutritional yeast (levedura nutricional)? Disponível em: <http://andreiatorres.com/blog/2016/11/12/o-que-nutritional-yeast-levedura-nutricional>. Acesso em: 20 fev. 2019.

USDA – United States Department of Agriculture. Yeast: Handling/Processing. [Internet]. Disponível em: <https://www.ams.usda.gov/sites/default/files/media/Yeast%20TR%20Handling%201-22-14%20final.pdf>. Acesso em: 20 fev. 2019.

Guaraná: energético natural e 100% brasileiro!

O guaraná, fruto do guaranazeiro (Paullinia cupana), tem origem amazônica e é cultivado em grande maioria no Brasil. Também conhecido como guaraná-da-amazônia, guaranaína, guaraná, uaraná ou narana, apresenta ação antioxidante, propriedades medicinais, estimulantes, afrodisíacas e cicatrizantes.

Amplamente consumido na forma de bebidas energéticas, também pode ser comercializado em formulações em pó, cápsulas e comprimidos a fim de fornecer energia, mais resistência e disposição ao organismo. O guaraná em pó advém da trituração das sementes após sua secagem, o que conserva boa quantidade de propriedades antioxidantes quando consumido regularmente.

A parte mais utilizada do guaraná são as sementes secas em razão de seu elevado teor de cafeína. Esta é caracterizada como o ingrediente ativo do guaraná, a cafeína tem ação estimulante extensivamente explorada e comprovada pela ciência. No entanto outros compostos bioativos como teobromina, teofilina, taninos, saponinas, entre outros, também exercem função importante. Atuando como importantes antioxidantes ao proteger o organismo contra o estresse oxidativo.

As propriedades funcionais do guaraná incluem um elevado teor de compostos fenólicos de reconhecida capacidade antioxidante, além do elevado conteúdo de cafeína presente nas sementes, em torno de 3 a 6% do peso do fruto. A literatura aponta que, dependendo da procedência do guaraná em pó, este pode conter até quatro vezes mais cafeína em comparação ao pó de café. O guaraná em pó é utilizado pela indústria farmacêutica para a elaboração de cápsulas com a finalidade estimulante, analgésica, antipirética, antifermentativa, diurética, antioxidante e como tônico vascular. Na medicina, o fruto é empregado como estimulante do sistema nervoso e cardiovascular, tratando o estresse físico e mental, bem como melhora a disposição e a redução da fadiga.

Outras propriedades podem ser atribuídas ao uso do guaraná, como seu benefício no tratamento de enxaquecas, sua ação anticancerígena, antimicrobiana, antiproliferativa, antidepressiva e na redução de distúrbios metabólicos. Estudos apontam, ainda, que o consumo do guaraná também é capaz de reduzir a agregação plaquetária in vitro e in vivo, além de proteger contra a ocorrência de lesões gástricas. Na área esportiva, com o intuito de potencializar o desempenho dos atletas, utiliza-se a cafeína como importante recurso ergogênico.

Em estudo cego de Silveira et al. (2018), foram avaliados o estado nutricional e os efeitos da suplementação de guaraná (Paullinia cupana) em cápsula sobre o desempenho físico de atletas adolescentes de jiu-jítsu. Os indivíduos ingeriram 5,5mg de cafeína/kg de peso corporal, dose média considerada eficiente pela literatura, 60 minutos antes do treino. Em comparação ao grupo placebo, os atletas que consumiram a cafeína demostraram maior tolerância ao exercício e melhor rendimento, além da diminuição da sensação de fadiga. Além de possuir um custo reduzido em comparação aos demais suplementos, o guaraná pode contribuir para melhorar o foco e a concentração, bem como o rendimento em esportes de força, agilidade e precisão.

Com múltiplos benefícios à saúde, o guaraná auxilia no combate à indisposição e pode ser um bom aliado no aumento do rendimento de esportistas e atletas, quando recomendado por profissional especializado. CLIQUE AQUI e saiba mais sobre o Guaraná em Pó e o Guaraná em Cápsulas da Naiak! 

 

REFERÊNCIAS

CAMPOS, A.F. Efeitos do guaraná (Paullinia cupana) na saúde cardiovascular: uma revisão sistemática. 2018. 98 fls. Dissertação (Pós-Graduação em Nutrição em Saúde Pública) – Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

SILVA, W.G. et al. Guaraná-Paullinia cupana, (HBK): Estudo da oxidação das formas em pó e em bastões defumados. Revista de Ciências Agroveterinárias, v. 14, n. 2, p. 117-23. 2015.

SILVEIRA, J.Q. et al. Efeito ergogênico da suplementação aguda de pó de guaraná em lutadores de jiu-jitsu. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, v. 12, n. 70, p. 246-54. 2018.

Curcumina: bioativo antitumoral da cúrcuma

A Curcuma longa L., também conhecida como açafrão-da-terra, é uma planta nativa da Ásia e tem no rizoma sua parte utilizável. Pode ser usada na área cosmética, têxtil, de alimentos e medicinal, atuando na prevenção e paliação de doenças.

Relatos na literatura associam o consumo da cúrcuma a benefícios relacionados às doenças biliares e hepáticas, à redução do colesterol, à melhora da cicatrização e a efeitos anti-inflamatórios, antitumorais e antiproliferativos a diversos tipos de tumores. Tais efeitos são possíveis graças à ação do principal composto bioativo da cúrcuma, a curcumina, responsável pela coloração característica do açafrão-da-terra.

A curcumina é um fitoquímico com imenso potencial anticancerígeno e que contribui na regulação de proteínas envolvidas em vias bioquímicas do câncer. Além de inibir a migração de células tumorais para outros tecidos, a curcumina também contribui para que células com potencial cancerígeno sofram um processo denominado apoptose, isto é, a morte programada de uma célula em razão de esta estar lesionada. Tal fenômeno ocorre diariamente em nosso organismo e é essencial para protegê-lo de possíveis mutações malignas que poderiam vir a desenvolver neoplasias. Alguns estudos ressaltam, ainda, que a curcumina tem habilidade para atuar como quimioprotetor na formação de metástases, sobretudo, em tumores de mama.

Em trabalho de Collino (2014), a autora ressaltou as inúmeras propriedades da curcumina na prevenção e no tratamento de tumores. A curcumina tem ação citotóxica, ou seja, tóxica para as células dependendo da concentração em que é utilizada e do tipo de célula maligna presente no meio. Tem-se visto que o bioativo apresenta capacidade para inibir o desenvolvimento e progressão do câncer não somente via apoptose, mas também por meio de outros mecanismos durante o processo tumorigênico. Ainda nesse contexto, a autora aponta para o potencial do fitoquímico em destruir células tumorais resistentes à quimioterapia, enfatizando seu uso isolado ou em conjunto no tratamento contra o câncer.

Além da curcumina apresentar benefícios ao organismo, sua administração é considerada segura e com baixo risco de toxicidade aos seres humanos. No entanto, quando ingerido, este bioativo é mal-absorvido, rapidamente metabolizado e eliminado pelo organismo, limitando, assim, sua eficácia. Nesse sentido, uma estratégia para potencializar a absorção é consumi-la juntamente com outros ativos, como a piperina, presente em variedades de pimenta-preta.

Com a capacidade de regular simultaneamente diversas vias metabólicas afetando, consequentemente, inúmeras moléculas no corpo, a curcumina tem potencial nutracêutico tanto no tratamento quanto na prevenção de doenças complexas, como o câncer; e consumi-la regularmente pode agregar densidade nutricional na dieta e contribuir para a saúde geral do organismo. CLIQUE AQUI e conheça a Cúrcuma Longa em Pó da Naiak, além de todos os benefícios da Cúrcuma Hot Mix ACESSANDO AQUI!

 

REFERÊNCIAS

COLLINO, L. Curcumina: de especiaria à nutracêutico. 2014. 87 fls. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Farmácia-Bioquímica) – Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Araraquara – Universidade Estadual Paulista, São Paulo, 2014.

FONTES, S.M.S. Curcuma longa L.: caracterização química e estudo da capacidade antioxidante. 2018. 64 fls. Dissertação (Mestrado em Ciência de Alimentos) – Faculdade de Engenharia de Alimentos, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2018.

OTONI, E.S.B.; NARDIN, J.M. Avaliação da citotoxicidade de curcuminóides em células linfocitárias normais. Cadernos da Escola de Saúde, v. 1, n. 11, p. 34-5. 2017.

SAUER, A.G.; LEIRIA, L.B. Curcumina como um potencial anti-tumoral. In: I SIMPÓSIO DE URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS E II SEMANA ACADÊMICA DO CURSO DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL. Anais… 2018.

Sol, vitamina D e prevenção de doenças

Hormônio em evidência na atualidade, a vitamina D ou calcitriol contribui para a absorção do cálcio, atua no metabolismo ósseo, além de interagir com o sistema imune e outros órgãos como cérebro, coração e rins.

Disponível em duas formas diferentes, a vitamina D2 ou ergocalciferol pode ser obtida de fontes alimentares ou mediante a suplementação; já a vitamina D3 ou colecalciferol é sintetizada por meio da exposição aos raios solares, além de estar presente em alimentos contendo óleo de peixe, fortificados com a vitamina ou em suplementos orais. Embora importante ao organismo, a deficiência de vitamina D tem alcançado cada vez mais pessoas devido a fatores como baixo consumo de alimentos-fonte, uso de medicamentos que interferem em sua absorção, o envelhecimento, a menor exposição solar e o uso de bloqueadores solares.

Contrariamente ao senso comum, tomar Sol é importante para o desenvolvimento e a saúde do organismo. É através de seus raios que a síntese de vitamina D se torna possível, bem como a absorção e fixação do cálcio e a manutenção da tonicidade muscular. Cerca de 90% da vitamina D adquirida pelo corpo é obtida do Sol e os 10% restantes da alimentação. Os suplementos, por sua vez, são indicados aos indivíduos cujas quantidades séricas encontram-se abaixo dos 20ng/mL, condição classificada como hipovitaminose D. A deficiência de vitamina D pode predispor o organismo a uma série de doenças como osteoporose, osteomalácia, artrite reumatoide e doenças de caráter autoimune.

Em estudo de revisão, Kratz et al. (2018) apontaram que a maioria dos estudos encontrou relações entre a deficiência de vitamina D e doenças crônicas como lúpus e problemas cardiovasculares, além dela atuar na modulação de células do sistema imune e de respostas metabólicas. Foram observadas, ainda, altas taxas de cânceres em pacientes cujo nível de vitamina D estivesse abaixo do recomendado. Como medidas preventivas, os autores enfatizaram a necessidade da luz solar na produção desse hormônio, bem como da alimentação e da suplementação complementar como coadjuvante na prevenção de doenças crônicas.

Em dissertação de Câmara (2018), a autora observou que pacientes com nível insuficiente ou deficiente em vitamina D apresentaram maior propensão ao desenvolvimento de cânceres, doenças do trato urinário, do fígado e da bile, além de hipercolesterolemia e hipertrigliceridemia. Além disso, a pesquisa apontou que, nos países com elevada exposição solar anual, seus cidadãos apresentaram menor taxa de mortalidade por esclerose múltipla e câncer.

Assim, a vitamina D é um hormônio importante ao organismo e sua deficiência favorece o aumento de doenças crônicas e autoimunes. Medidas de prevenção, recomendadas por especialistas, incluem a exposição solar e cuidados com a alimentação, além da suplementação em casos específicos. CLIQUE AQUI e saiba mais sobre a Vitamina D da Naiak!

REFERÊNCIAS

ANDRADE, P.C.O. et al. Alimentação, fotoexposição e suplementação: influência nos níveis séricos de vitamina D. Rev Med Minas Gerais, v. 25, n. 3, p. 432-7. 2015.

CÂMARA, A.B. Estudo da associação entre a deficiência da vitamina D, doenças relacionadas e o estresse oxidativo celular. 2018. 81 fls. Dissertação (Mestrado em Ciências Biológicas) – Centro de Biociências, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. 2018.

KRATZ, D.B. et al. Deficiência de vitamina D (250H) e seu impacto na qualidade de vida: uma revisão de literatura. RBAC, v. 50, n. 2, p. 118-23. 2018.

 SANTOS, C.S.; HOBMEIR, A.K.T. Protetor solar: um aliado na prevenção de efeitos causados pelos raios nocivos do sol. Sobre Tudo, v. 8, n. 1. 2017.

Magnésio, ácido málico e magnésio dimalato: quais os benefícios à saúde?

Mineral com funções importantes e cujo controle homeostático deve manter-se finamente regulado, o magnésio está presente em quantidades diferentes nos alimentos, sobretudo, em vegetais escuros folhosos, oleaginosas, cereais integrais, frutas e legumes.

Apresenta efeito antiarrítmico, contribui para a manutenção do tônus vascular e da contratilidade, no metabolismo da glicose e na liberação insulínica. Quando em teor reduzido, pode favorecer o estresse oxidativo e o estado pró-inflamatório, promover a disfunção endotelial, potencializar a agregação plaquetária, a hiperglicemia e a resistência à insulina.

No organismo, em torno de 60% a 65% do magnésio encontram-se nos ossos; 26%, nos músculos; e o restante nos tecidos moles. Seu equilíbrio é mantido pelo intestino, pelos ossos e pelos rins, e, no envelhecimento, a quantidade tende a cair gradualmente. Em relação à saúde óssea, é importante para a formação e a manutenção dos ossos e age como antagonista natural do cálcio, isto é, por estar metabolicamente ligado a este, pode atuar tanto em sinergismo quanto em antagonismo.

O magnésio age no metabolismo de carboidratos e proteínas, além de outros componentes como fósforo, zinco, cobre, ferro, chumbo, cádmio, acetilcolina e óxido nítrico, e na ativação da vitamina B1 (tiamina). Especificamente no sistema muscular, participa da transmissão neuroquímica e da excitabilidade do músculo, controlando a atividade elétrica do coração, a contração muscular e a função das células nervosas.

O ácido málico, por sua vez, é um composto orgânico encontrado em frutas como marmelo, uva, maçã e cerejas não maduras, e em verduras como ruibarbo. Parte essencial do ciclo de Krebs tem a função de participar da obtenção do ATP – molécula responsável pela composição e pelo uso de energia no organismo. A literatura tem apontado que a deficiência de ácido málico nos tecidos pode levar à fibromialgia, doença que se caracteriza por fortes dores musculares espalhadas pelo organismo.

A junção entre o magnésio e o ácido málico dá origem ao magnésio dimalato, que possui, em sua composição, duas moléculas de ácido málico ligadas a uma molécula de magnésio. O magnésio dimalato apresenta absorção prolongada e não reage com o suco gástrico. Alguns estudos apontam que a ingestão do magnésio associado ao ácido málico contribui para reduzir dores associadas à fibromialgia, além disso, pesquisas observaram que o ácido málico presente na composição reverta a inibição da glicólise e a produção de energia afetada pela hipóxia, assim, aumentando a geração de energia e minimizando as dores características da fibromialgia. A literatura sugere, ainda, que o ácido málico melhora a força muscular e promove restauração da energia do organismo.

Evidências apontam que o magnésio dimalato pode atenuar dores e espasmos musculares, melhorar a fraqueza muscular e atuar como coadjuvante no tratamento da fibromialgia, quando indicado por profissional especializado. CLIQUE AQUI e saiba mais sobre o Magnésio Dimalato da Naiak!


REFERÊNCIAS

CUNHA, A.R. et al. Efeitos do magnésio sobre a estrutura e função vascular. Revista Hospital Universitário Pedro Ernesto, v. 10, n. 3, jul. 2011.

IBEROQUÍMICA MAGISTRAL. Magnésio Dimalato – Combinação de magnésio com ácido málico. Disponível em: https://www.iberoquimica.com.br/Arquivos/Insumo/LAMINA-164613.pdf. Acessado em 11 out 2018.

MARIONI, A.U. Eficacia del ácido málico 1% en pacientes con xerostomía inducida por fármacos antidepresivos. 2014. 81fls. Tese (Doutorado em Medicina e Saúde Pública) – Universidade de Granada – Granada, Espanha. 2014.

PREMAOR, M.O. et al. Nutrição e saúde óssea: a importância do cálcio, fósforo, magnésio e proteínas. Revista da AMRIGS, v. 60, n. 3, p. 253-63, jul. 2016.

Mix de nutrientes para uma saúde à prova de balas!

Bulletproof coffee ou café à prova de balas consiste em uma bebida elaborada à base de café e fontes lipídicas, como manteiga ou triglicerídeos de cadeia média (TCM), cujo objetivo é oferecer maior resistência corporal, prolongar a sensação de saciedade e estimular o metabolismo.

Bebidas inspiradas no café à prova de balas reúnem ingredientes funcionais e/ou de superalimentos, como café, cacau e especiarias, com a finalidade de incrementar o sabor e a densidade nutritiva da dieta de pessoas adeptas a uma vida saudável, bem como de esportistas e atletas, dessa forma, influenciando seu rendimento físico e mental.

Com diversos compostos estimulantes, a cafeína, principal ativo do café, atua na melhora da performance cognitiva, melhorando o estado de alerta e fornecendo energia. Além disso, otimiza a capacidade de concentração e o desempenho em tarefas, reduzindo o tempo de ação e a sonolência, uma vez que sua ação se desenvolve no sistema nervoso central (SNC). Na prática esportiva, a cafeína vem sendo utilizada como recurso ergogênico, isto é, na melhora do desempenho esportivo e retardo da fadiga muscular. Sugere-se que a cafeína aumenta o desempenho aeróbio nas atividades físicas por meio da redução da utilização do glicogênio muscular reduzindo, consequentemente, a sensação de dor.

Silva et al. (2016) investigaram se a suplementação com cafeína foi capaz de aumentar a produção de força em membros superiores e inferiores de mulheres não treinadas. As participantes que receberam suplementação com 4mg/kg de cafeína antes do exercício e o grupo placebo foram orientadas quanto à realização de um teste de força máxima. Foi visto que a suplementação com cafeína auxiliou no aumento da carga absoluta para o exercício supino reto, bem como atuou como ergogênico eficiente na geração de força.

O cacau, por sua vez, também, exerce efeitos benéficos ao organismo. Rico em flavonoides, contém potentes agentes antioxidantes e anti-inflamatórios que atuam na saúde cardiovascular e cerebral. Em estudo randomizado, cruzado e duplo-cego, Decroix et al. (2018) avaliaram os efeitos no consumo dos flavonóis do cacau, ao longo de sete dias, no estresse oxidativo, na produção de óxido nítrico e na oxigenação tecidual em resposta ao exercício em hipóxia (14,3% O2), normobárica (conteúdo de oxigênio abaixo do normal com manutenção da pressão atmosférica). Ciclistas bem-treinados (n=14) foram submetidos a quatro testes: exercício em normóxia ou hipóxia após o consumo de flavonoides de cacau ou consumo de placebo. Os resultados mostraram que os antioxidantes do cacau exerceram efeitos benéficos na função endotelial e na oxigenação pré-frontal durante o repouso e o exercício de moderada intensidade, tanto em normóxia quanto em hipóxia. Além disso, foi visto que o consumo de flavonoides do cacau inibiu o estresse oxidativo durante o exercício exaustivo em hipóxia.

Os TCM, formados a partir de três ácidos graxos e um glicerol, são absorvidos rapidamente e fornecerem energia prontamente ao organismo, poupando o uso de glicogênio muscular e contribuindo para a redução da fadiga no exercício. O resultado da junção desses ingredientes, além de especiarias como canela e noz-moscada, resulta em uma bebida saborosa e com alta densidade nutritiva, que ajuda a melhorar a performance corporal e cognitiva e fornece energia para encarar as atividades diárias com disposição.

 

 REFERÊNCIAS

 ALVES, R.C. et al. Benefícios do café na saúde: mito ou realidade. Quim. Nova, v. 32, n. 8, p. 2169-80. 2009.

DECROIX, L. et al. One-week CF intake increases prefrontal cortex oxygenation at rest and during moderate-intensity exercise in normoxia and hypoxia. Journal of Applied Physiology, v. 125, n. 1, p. 8-18, jul. 2018.

FERREIRA, A.M.D. et al. A influência da suplementação de triglicerídeos de cadeia média no desempenho em exercícios de ultra-resistência. Rev Bras Med Esporte, v. 9, n. 6, p. 413-9, nov. 2003.

OLIVEIRA, C.S. et al. Efeitos da suplementação de cafeína no desempenho, percepção subjetiva do esforço e percepção de dor durante o treinamento de força: uma revisão. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, v. 11, n. 71, p. 967-72, jan. 2017.

SILVA, V.A, et al. Efeito agudo da ingestão de cafeína no desempenho da força em mulheres destreinadas. ConScientiae Saúde, v. 15, n. 3, p. 414-22. 2016.

SILVESTRE, J. et al. Cafeína e desempenho físico. Revista Brasileira de Fisiologia do Exercício, v. 17, n. 2, p. 130-7. 2018.

SOKOLOV, A.N. et al. Chocolate and the brain: neurobiological impact of cocoa flavanols on cognition and behavior. Neuroscience & Biobehavioral Reviews, v. 37, n. 10, p. 2445-53, dez. 2013.

Os benefícios da vitamina D e do ômega-3 para a saúde masculina

A saúde masculina, frequentemente, é negligenciada, o que contribui para que os homens se cuidem menos em comparação com as mulheres. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2015), homens brasileiros chegam a viver sete anos a menos que as mulheres, além de apresentarem maior incidência de doenças, sobretudo cardiovasculares.

Entre os principais fatores que colaboram para uma maior morbimortalidade masculina estão a dificuldade em reconhecer as próprias necessidades de cuidado, a existência de políticas públicas voltadas apenas aos grupos mais vulneráveis, como idosos e crianças, além da falsa percepção de infalibilidade vinculada ao adoecimento. Assim, cuidar da saúde desse grupo torna-se um desafio para os profissionais da área e também para a sociedade.

No que diz respeito à alimentação, a literatura tem ressaltado que nutrientes como a vitamina D e o ômega-3 podem auxiliar na prevenção de doenças recorrentes em homens, como obesidade e problemas do coração. Atualmente, sabe-se que o acúmulo de gorduras, sobretudo na região abdominal, está diretamente associado ao risco de infarto. No estudo Health Professionals Follow-up Study (HPFS), os autores avaliaram a relação entre concentrações séricas de calcifediol (25(OH)D) e o risco de doença coronariana em homens entre 40 e 75 anos. De acordo com os resultados, indivíduos que apresentaram deficiência de vitamina D (≤ 15ng/mL ou 37nmol/L) reportaram maior risco de desenvolver doenças cardíacas em comparação àqueles com níveis suficientes (≥ 30ng/mL ou 75nmol/L).

No que diz respeito ao ômega-3, estudos têm demonstrado que esse ácido graxo exerce efeito benéfico na redução da inflamação ocasionada por citocinas pró-inflamatórias, como a interleucina-6 (IL-6) e o fator de necrose tumoral alfa (TNF-α), que contribuem para a ocorrência de doenças coronárias e o aumento da adiposidade. Levitan et al. (2009) avaliaram os efeitos da suplementação com ômega-3 sob o risco de insuficiência cardíaca, em homens de meia-idade e mais velhos, ainda, observaram que o consumo moderado desse ácido graxo propiciou um benefício cardiovascular a esses indivíduos.

Portanto, a suplementação de vitamina D e ômega-3, quando prescritos por profissional especializado, pode atuar de forma sinergística, prevenindo episódios de doenças crônicas em homens e evitando a mortalidade nesse grupo. CLIQUE AQUI e conheça a Vitamina D em gotas da Naiak, além de todos os benefícios do Naiak Ômega 3 em cápsulas ACESSANDO AQUI!

 

REFERÊNCIAS

BRASIL. Ministério da Saúde. Blog da Saúde: Homens devem cuidar da saúde para evitar doenças graves. 2015. Disponível em: http://www.blog.saude.gov.br/570-perguntas-e-respostas/34369-homens-devem-cuidar-da-saude-para-evitar-doencas-graves. Acesso em: 13 jun. 2018.

GIOVANNUCCI, E. L. et al. 25-hydroxyvitamin D and risk of myocardial infarction in men: a prospective study. Arch Intern Med., v. 168, n. 11, p. 1174-80, jun. 2008.

KIECOLT-GLASER, J. K. et al. Omega-3 supplementation lowers inflammation in healthy middle-aged and older adults: a randomized controlled trial. Brain, behavior and immunity, v. 26, n. 6, p. 988-995, ago. 2012.

LEVITAN, E. B. et al. Fish consumption, marine omega-3 fatty acids, and incidence of heart failure: a population-based prospective study of middle-aged and elderly men. European Heart Journal, v. 30, n. 12, p. 1495-1500, abr. 2009.

MOURA, E. C. et al. Perfil da situação de saúde do homem no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2012.

SILVA, P. A. S. et al. A saúde do homem na visão dos enfermeiros de uma unidade básica de saúde. Esc Anna Nery Rev Enferm., v. 16, n. 3, p.561-8, jun. 2012.

VIDIGAL, F. C. et al. Índice de massa corporal e circunferência abdominal: associação com fatores de risco cardiovascular. Arq Bras Cardiol., v. 87, n. 6, p. 728-734, jan. 2006.

Naiak apresenta suas novidades no maior congresso de nutrição esportiva (NE2018)

A Naiak foi uma das expositoras do 7º Meeting Brasileiro de Nutrição Esportiva (NE 2018), realizado em outubro, em São Paulo (SP). Na ocasião, a empresa levou seus produtos mais recentes e mostrou seu conceito de beleza da vitalidade para nutricionistas e profissionais da saúde de vários lugares do país.

Confira, a seguir, a entrevista concedida pela Romy Gaya, diretora da Naiak, sobre um dos lançamentos da empresa: o Boost Up Coffee.

Vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=JK45ZnxAiK0&feature=youtu.be

Lançamento da Naiak promove mais disposição e desempenho na rotina

O Boost Up Coffee é a novidade da Naiak voltada para a otimização da performance corporal. Combinando os benefícios do café, cacau, leite de coco em pó, triglicerídeos de cadeia média (TCM) e de especiarias naturais (como a canela e a noz-moscada), o Boost Up Coffee oferece uma alta densidade nutritiva e praticidade para inclusão na alimentação diária.

As vantagens do Boost Up Coffee são percebidas de diversas maneiras. O produto auxilia no aumento do metabolismo, na promoção de energia, na função antioxidante, na melhora da resistência corporal e prolonga a sensação de saciedade. Além disso, o Boost Up Coffee também contribui para a potencialização do foco, da concentração mental e da disposição.

Esse conjunto de benefícios é reflexo dos efeitos positivos que seus ingredientes têm no organismo. A cafeína, por exemplo, é capaz de diminuir a sensação de fome devido ao seu impacto na atividade lipolítica. O cacau, por ser uma das maiores fontes de epicatequinas, atua diretamente no cérebro, podendo levar a uma melhora cognitiva.

Já o leite de coco em pó, que confere textura e sabor à bebida, possui alto valor energético, baixa quantidade de proteínas e um alto teor de triglicerídeos de cadeia média (TCM). Por conta dessa composição nutricional, pode contribuir com propriedades anti-inflamatórias, antioxidantes, imunomoduladoras e cardioprotetoras.

A canela proporciona o sabor diferenciado da bebida. Nessa especiaria são encontrados os polímeros de metil-hidroxialcona (MHCPs) que atuam na melhora da sensibilidade à insulina, além de resultarem em uma maior capacidade de usar adequadamente a glicose e reduzir o risco de complicações metabólicas. Por fim, a noz-moscada oferece propriedades anti-inflamatórias e antitrombóticas.

O Boost Up Coffee é um produto vegano, sem lactose, glúten ou conservantes e adoçado com estévia. Pode ser consumido com água quente ou gelada a qualquer hora do dia.